Seguidores

sábado, 26 de outubro de 2013

Dinâmica: o relógio do silêncio

Objetivo

Ajudar a silenciar para escutar.

Material necessário
Um despertador

Desenvolvimento
Dois voluntários ou mais saem da sala. No grupo tem-se um despertador que deve ser escondido entre os participantes (no chão, em algum lugar, na roupa dos participantes). Um dos voluntários entra e deve descobrir onde o despertador está pelo seu som, o grupo colabora fazendo silêncio.
Repetir a dinâmica quantas vezes o coordenador achar necessário. Logo após avaliar com os participantes  o que mais marcou nessa experiência e o porque o silêncio é importante em nossa vida. a seguir, pode-se refletir individualmente ou em pequenos grupos frases bíblicas, tais como: "escutem, ouçam! É Javé quem fala" (Is 1,2); "Fala, Senhor, que teu servo escuta" (1Sm 3,10); "Vou escutar o que diz Javé: Deus anuncia a paz ao seu povo e seus fiéis e aos que se convertem de coração" (Sl 85,9); "Vou levá-la ao deserto e falarei ao coração" (Os 2,16); "Jesus foi para a montanha afim de rezar e passou toda a noite em oração a Deus" (Lc 6,12)

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

COMO É DEUS?


O homem tinha uma aparência simples e cheia de bondade. Por isso lhe pedi:

- Por favor, diga-me: como é Deus?

Ele respondeu:

- Muitas palavras não serviriam. No entanto, toma este livro – era um livro no qual ele mesmo escrevia. – Se o ler no momento certo, ele te dirá como é Deus.

Eu queria ver logo o que estava escrito, mas quando cheguei em casa minha mulher não ficou tão animada. Ela estava toda ocupada porque se aproximavam os dias do nascimento do nosso primeiro filho. Eu me perguntava: quando será o momento certo para ler o livro? Talvez por ocasião de algum dia santo. Quem sabe, num dia de tristeza. Pode ser também que Deus mesmo vai nos dizer quando abrir o livro. Decidimos esperar. Duas semanas depois, nasceu o nosso primeiro filho. É muito difícil explicar o que eu senti. Era pai, estava cheio de orgulho, mas ao mesmo tempo estava humilhado porque nem sabia como pegar no colo aquela criança. Achava de ter já entendido tudo da vida, mas aquele pequeno ser era maior do que eu. Devia aprender com ele coisas novas. Todos crescem quando se tornam pais. Naquela noite, sonhei que meu filho me perguntava:

- Como é Deus?

Levantei-me e fui buscar o livro. Disse à minha esposa:

- Este é o momento certo.

Abrimos o livro e eu li:

- É muito simples: Deus é um Pai.

Ela também quis abrir o livro e leu:

- É muito simples: Deus é um Filho.

– Vamos agora abrir o livro juntos – pedi.

Unimos as nossas mãos, abrimos e lemos:

- É muito simples, cada respiro seu é um respiro da vida de Deus!

Essas são palavras de Teofane, um dos monges do deserto. Nada de mais humano que buscar o sentido das coisas grandes a partir da simplicidade da vida, aquela que, talvez, vivemos todos os dias sem dar atenção. Deus sempre será infinitamente maior do que nós, maior do que nossas ideias e nossas palavras; maior do que as nossas tentativas de explicação. No entanto dizer que Deus é Pai, Filho e Espírito Santo é mais do que proclamar um dos mistérios maiores e mais bonitos da nossa fé; é expressar com singeleza algo que deve envolver também as nossas vidas.

Jesus ensinou e prometeu que ele e o Pai iriam “fazer morada” naqueles que o amarem e guardarem a sua palavra (cf. Jo14, 23). Deus quer estar conosco, caminhar conosco, quer ter o seu lugar em nosso coração. Com isso, quero dizer que, apesar da sua grandeza e da nossa pequenez, algo de Deus deve estar necessariamente ao nosso alcance. Deve ser possível falar, ao menos um pouco, dele e fazer a experiência do seu amor. Acredito que, apesar das limitações das palavras, dizer que Deus é Pai, Filho e Espírito Santo faz que o sintamos cada vez mais perto de nós.

Pai (e mãe) significa o dom da vida. A uma criança basta pouco para ser feliz, serve alguém que a tome no colo e atenda às suas necessidades elementares de sobrevivência. Filho é aquele que, em primeiro lugar, encanta-se com seus pais e os admira. Um filho aprende a agradecer a cada dia e prova a sua gratidão no respeito e na atenção para com os pais.  Enfim, o “respiro”, o sopro do Espírito, é como o ar necessário em cada momento para se viver, porque é o amor que transforma tudo em beleza, em alegria, e bondade.

O amor faz de gestos simples, cotidianos, muitas vezes despercebidos, verdadeiros atos de heroísmo, de sacrifício, de desprendimento e doação. É o amor que, dado e recebido, faz da nossa vida um dom, além dos cálculos e dos interesses: pura gratuidade. Gestos de amor verdadeiro não têm preço, purificam o nosso coração das invejas, limpam os nossos olhos das maldades, fazem surgir a paz onde reinava a inquietação. Talvez nos sintamos muitas vezes infelizes pela incapacidade de enxergar o bem que nos é oferecido e o bem que podemos doar sem esperar nada de volta. Temos medo de sermos os primeiros a amar, de nos “perder” por causa do amor. Na realidade o “momento certo” para entender o amor é, e sempre será, quando amamos. Fora do amor vivido, real e sofrido, é difícil entender o amor. Também é difícil entender Deus.

Por Dom Pedro José Conti – Bispo de Macapá

(FONTE)

terça-feira, 1 de outubro de 2013

PÉTALAS DE SANTA TEREZINHA


São pequenas Frases ou Ensinamentos de Santa Teresinha.

» Tudo é graça.

» Amo tanto a Deus que desejo poder dar-lhe prazer 
   sem que Ele saiba que sou eu.

» Não espero na terra qualquer retribuição: faço tudo por Deus.

» Quando estiver no Céu, chamar-vos-ei depressa...

» Não é a morte que virá buscar-me, é Deus.

 » Do Evangelho fiz o meu tesouro mais precioso.

» A vontade de Deus é que eu lute até à morte.

» Deus absorver-me-á como uma gotinha de orvalho.

» Lutemos sempre, mesmo sem esperança de ganhar a batalha.

» Oh! Bem-aventurado silêncio que tanta paz traz à alma!

 » Ser carmelita; ser pela minha união convosco mãe das almas: 
   essa é a minha vocação.

» Eu sempre quis ser santa.

» Deus apenas te pede que te deixes amar.

» Deus não tem necessidade das nossas obras, mas do nosso amor.

» Viver de amor é dissipar o medo e a recordação das faltas passadas.

 » A oração é um impulso do coração.

» Oh! Que grande é o poder da oração!

» Dir-se-ia que na oração és como uma rainha que tem livre acesso ao Rei 
   e que dele podes alcançar tudo o que pedires!

» Deus é tão rico que me dá abundantemente o que lhe peço.

» A minha vocação é o amor!

 » Como é doce chamar a Deus nosso Pai!

» A vida é um tesouro!

» Eu escolhi ensinar a amar o Amor.

» quero ensinar a amar o Amor; quero infundir esperança.

» Eu não posso ter medo de um Deus, que por mim se fez pequenino.

 » Vim para salvar almas. E rezar pelos sacerdotes.

» Nunca me apoio nos meus próprios pensamentos.

» Deus quer que me abandone como uma criança.

» A caridade não deve ficar fechada no fundo do coração.

» Viver de amor é dar sem medida, sem reclamar salário aqui na terra.

 » Deus não pode inspirar desejos irrealizáveis.

» Quero encontrar maneira de ir par ao Céu 
   por um caminhinho muito direito, muito curto.

» Eu faço como as crianças que não sabem ler: 
   digo a Deus o que Lhe quero dizer, sem compor belas frases.

» Muitas vezes, sem o sabermos, 
   as graças que recebemos são devidas a uma alma escondida.

» No coração da Igreja, minha mãe, eu serei o amor!

 » Uma alma abrasada em amor não pode permanecer inactiva.

» Um coração que ama trabalha com amor.

» Compreendi que o Amor encerra todas as vocações.

» O Amor é tudo.

» O Amor é eterno.

 » A caridade perfeita consiste em suportar os defeitos dos outros.

» Deus nunca me abandonou.

» Deus não me abandonará.

» Estou unida Àquele a quem amei com todas as forças.

» Meu Deus, amo-vos!

 » Não me arrependo de me haver entregue ao Amor.

» Haverá alma mais pequena e mais impotente que a minha?

» O mérito não consiste em dar muito, mas em amar muito.

» Como é fácil agradar a Jesus, basta amá-L’o!

» Não é par ao primeiro lugar, mas para o último que eu corro.

 » Sou filha de Maria.

» A Virgem Santíssima é mais Mãe que Rainha.

» A Santíssima Virgem teve menos que nós, 
   porque não teve uma Santíssima Virgem para amar!

» Ó Mãe bem-amada, apesar da minha pequenez, 
   como tu possuo em mim o Omnipotente.

» A Santíssima Virgem nunca estará escondida para mim, 
   porque a amo muito.

 » Ó Divina Eucaristia! Ó Mistério Sagrado! Que o Amor produziu...

» Já não receio os pavores da noite.

» Na noite desta vida aparecerei diante de Vós com as mãos vazias.

» Não recusemos nada a Jesus. Um dia Ele nos dirá: «Agora é a minha vez»!

» É tão doce ajudar Jesus, pelos nossos sacrifícios, salvar almas.

 » O meu caminho é todo confiança e amor.

» Não compreendo as almas que têm medo de um Amigo tão terno.

» Não tenho outro modo de Vos provar o meu amor 
   senão ode Vos atirar flores.

» Desejaria ter sido missionária desde a criação do mundo 
   até ao fim dos séculos.

» Amar é tudo dar e dar-se a si mesmo.

 » Nada fica nas minhas mãos. Tudo o que tenho, 
   tudo o que ganho é para a Igreja e para as almas.

» Nunca direi a Deus senão amor, por isso Ele devolve-me Amor.

» Nós, que corremos pelo caminho do Amor, 
   não devemos pensar no que nos pode acontecer de doloroso no futuro.

» Não me considero uma grande santa! Considero-me uma santa pequenina.
   Penso que deus quis pôr em mim coisas que fazem bem a mim e aos outros.

» Se os Anjos varressem o Céu, a poeira seria feita de diamantes.

 » Deus terá de satisfazer todos os meus desejos no Céu.

» A minha missão vai começar, a missão de fazer amar a Deus 
   como eu O amo, de dar às almas o meu pequeno caminho.

» Quero passar o meu Céu a fazer bem á terra.

» Não posso descansar enquanto houver almas para salvar.

» Deus não me daria este desejo de fazer o bem sobre a terra 
   depois da minha morte, se não quisesse realizá-lo.

 » Só no Céu veremos a verdade de todas as coisas.

» Sou uma alma pequenina que Deus cumulou de graças.

» Como gostaria de ter sido sacerdote para pregar sobre a Santíssima Virgem.

» Os pregadores apresentam-na inacessível; deviam mostrá-la imitável.

» Que seria de mim se Deus não me desse força?

 » O que mais me agrada é o que Deus quer e escolhe para mim.

» Não me arrepende de me ter entregue ao Amor.

» Não é «a morte» que virá buscar-me, é Deus.

» A Santíssima Virgem cuida bem dos meus recados; 
   hei-de confiar-lhe outros numa próxima vez.

» Se soubesse como Deus é bom para comigo! 
   Mas se Ele fosse um bocadinho menos bom, 
   continuava a achá-l'O ainda bom...

(FONTE)