Seguidores

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

TRABALHANDO JUNTOS


Os dedos de uma mão entraram, certo dia, em discussão  para decidir qual deles era o mais importante. O primeiro a falar foi o dedo indicador:
- Eu sou o mais importante. Eu mostro às pessoas a direção certa e aponto para as coisas belas desse mundo criado por Deus.
O próximo a falar foi o dedo médio:
- Eu certamente sou o mais importante. Abram as mãos e vejam como eu estou acima de todos. Sou o mais alto pela própria natureza. Do meu lado, tenho somente ombros. Por isso, sou tmbém  o mais importante.
Então o dedo anular falou:
- Quero que vocês saibam que eu sou o mais importante. As pessoas usam um anel em mim, para demonstrarem o amor. E nada mais importante do que o amor.
- Eu sou o mais importante - disse o dedo mínimo, numa voz tímida -. Eu guio a todos quando precisam medir algo. Por isso, sou o mais necessário.
O senhor polegar, muito sábio, pensou um pouco e pediu ao indicador que fosse pegar umm livro que estava em cima da mesa.
Por mais que o indicador tentasse agarrar o livro, nada conseguiu. Informou que estava muito pesado e que era impossível carregá-lo. Depois dele, todos os outros dedos foram solicitados a executarem a mesma tarefa. Um por um, tentaram e perceberam o fracasso. Então o sábio polegar, chamou-os e disse:
- Permitam-me ajudá-los a pegar o livro?
E juntos foram à mesa e unidos pegaram o livro.
Autor: Fary Rust

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Dinâmica Vocacional - Vivência Cristã

Objetivo: Dinâmica Vocacional - Analisar a nossa vivência Cristã.
Enviada por: Maria Helena L. de Carvalho

Objetivo: Dinâmica Vocacional - Analisar a nossa vivência Cristã.

Participantes: Todos os presentes no encontro.

Material: Anti-ácido efervescente Ex: Eno, Somrisal etc. 

Descrição: 

1. Um copo ou vidro transparente cheio de água e com tampa.

2. A 1º pessoa traz o (Anti-ácido efervescente) e coloca-o em cima da tampa.

3. A 2º pessoa coloca o outro (Anti-ácido efervescente) com o envelope invólucro fechado dentro do copo.

4. A 3º pessoa abre o (Anti-ácido efervescente) do envelope e coloca-o dentro da água para se misturar.

5. Analisar: como vim participar deste encontro? 

6. Para que vim?

7. Como é minha participação dentro da comunidade?

8. Analisar três tipos de cristãos:

O que fica por fora, não participa e até atrapalha a entrada dos outros. É o cristão que renunciou o seu Batismo.

O 2º entrou mas fechou-se, até estorva. Fica no seu próprio mundo. É corpo morto, estraga até o visual, não se envolve. Fica boiando. Pode também ser o que gosta mais de se aparecer.

O 3º se abriu, penetrou, se envolveu totalmente. Questiona, provoca revolução momentânea, se desfaz, se consome para curar, para salvar, Foi até o fundo, depois subiu, ficou leve. O sonrisal não deixa de ser sonrisal, não perde a sua identidade e toma todo o conteúdo, as dimensões da água. E a água se torna curativa.

Para refletir: 

Na minha vida que Sonrisal eu sou?

As vezes deixamos os outros permanecerem como o 1º e o 2º?

Ainda encontramos cristãos parecidos como o 3º Sorrisal? 

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

ORAÇÃO DAS CRIANÇAS PELAS VOCAÇÕES

Jesus que fostes pequenino como eu,
sei que me ajudas a escutar 
o que meus pais e educadores ensinam.
Tu olhas com carinho 
as crianças do mundo inteiro 
e despertas em nós,
o desejo de sermos bons ajudantes 
de teu projeto de vida.
Tenho confiança e sei que proteges minha família,
meus coleguinhas e amigos.
Maria, tua mãe e minha também, 
acompanha meus passos.
Jesus, quero colaborar contigo, 
para que haja muitas vocações,
Capazes de fazer de nós teus verdadeiro amigos. Amém.

Autor: desconhecido

terça-feira, 27 de agosto de 2013

O CAVALINHO


 Certa tarde, um homem saiu para um passeio com as duas filhas, uma de oito e outra de quatro anos. Em determinado momento da caminhada, Helena, a mais nova, pediu ao pai que a carregasse, pois estava muito cansada para continuar andando.

O pai respondeu que também estava muito cansado. Diante da 
resposta, a garotinha começou a choramingar e fazer "corpo mole".

Sem dizer uma só palavra, o pai cortou um pequeno galho de árvore 
e o entregou a Helena, dizendo:

- Olhe aqui um cavalinho para você montar, filha! Ele irá ajudá-la 
a seguir em frente.

A menina parou de chorar e pôs-se a cavalgar o galho verde tão 
rápido, que chegou em casa antes dos outros. Ficou tão encantada 
com seu cavalo de pau, que foi difícil fazê-la parar de galopar.

A irmã mais velha ficou intrigada com o que viu e perguntou ao 
pai sobre como devia entender a atitude de Helena. 
O pai sorriu e respondeu:

- Assim é a vida, minha filha. Às vezes, estamos física e mentalmente cansados, certos de que é impossível continuar. Mas encontramos 
então um "cavalinho" qualquer que nos dá ânimo outra vez. 
Esse cavalinho pode ser um bom livro, um amigo, uma canção...

Assim, quando você se sentir cansado ou desanimado, nunca 
se deixe levar pela preguiça ou o desânimo.

Lembre-se: sempre haverá um "cavalinho" para cada momento.

domingo, 25 de agosto de 2013

ORAÇÃO DO CATEQUISTA- VIVER COM JESUS CRISTO


Fui chamado para anunciar tua Palavra.
Ajuda-me, Senhor, a viver centrado em ti, e ser instrumento de tua paz.
Acompanha-me com a tua luz, para que os catequizandos confiados a mim, possam constatar que sou testemunha do teu evangelho.
Toca o meu coração para que minha vida seja transparente, a tal ponto que ao pronunciar as tuas Palavras, elas possam ressoar sempre verdadeiras e não falsas.
Gera em mim um fascínio potente, para que os meus catequizandos:
Pensem como tu, amem as pessoas como tu, vejam a realidade como tu.

Concede-me a alegria de exercer minha missão em comunhão contigo e com todos que precisam de mim e com a tua Igreja.
Tenho medo, Senhor, da minha pobreza no saber.
Dá-me, porém o conforto de ver os meus catequizandos crescendo e valorizando por estarem a serviço da vida, como tu o disseste: “Eu vim para que todos tenham vida” (João 10,10).

Faz de mim silêncio, para escutá-los.
Faz de mim caminho, para acompanhá-los.
Faz de mim pisadas, para segui-los.
Faz de mim descanso, para escutá-los.
Faz de mim vento, para ampará-los.
Faz de mim porta, para acolhê-los.
Infunde em mim uma grande paixão para com a tua verdade.
Confia-me à tua mãe.
Dá-me coragem de cuidar dos catequizandos como tu ensinaste com a parábola do “Bom Samaritano”.

Preciso repousar a minha cabeça nos teus ombros, para sentir tua força, ternura e entusiasmo para anunciar-te sempre.

Parabéns a todos os catequista que passam por este Jardim da Fé

(FONTE)

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Jesus nos chama pelo nome


Dinâmica para ser aplicada em um encontro de Catequese, ou encontro com os pais, ou mesmo em um encontro de catequistas ou agentes de pastoral.

Objetivo: Levar os participantes a perceberem que todos são chamados a participar pelo próprio Jesus, da mesma forma como Ele chamou os doze apóstolos.

Material necessário: Bíblia Sagrada

Dispor os participantes em círculo.
Explicar que todos devem prestar muita atenção na leitura, pois deverão dar continuidade ao texto.
Ler Mc 3,13-19 e, dando continuidade, ler Lc 10,1; terminando com estas palavras: Jesus continuou a chamar e chamou …
Esperar que alguém diga o próprio nome, se isso demorar  a acontecer, o dirigente ou catequista dirá: chamou… (diz o próprio nome) e depois espera que os demais continuem até que todos tenham dito o próprio nome.
Concluir o Evangelho com Lc 10,2-3
Depois, pedir a cada um que diga em poucas palavras de que forma sentiu esse chamado e qual é a sua resposta.
Finalizar a dinâmica com um cântico que seja uma resposta a Jesus. (Sugestão de cântico: refrão “Eis-me aqui Senhor)

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

ENSINA-ME SENHOR


Ensina-me Senhor a te seguir
Ensina-me Senhor a te louvar
Ensina-me Senhor para onde ir
Ensina-me Senhor a te buscar
Me mostre o caminho
Eu quero te seguir
Sei que não posso
Viver sem te sentir
Me acolhe em seus braços
Não me deixe sozinho
Preciso do seu abraço
E de todo o seu carinho
Me mostre o seu amor
Me cubra com seu poder
Agora sinto o seu calor
No profundo do meu ser
Sobre mim tem o controle
Faça sua vontade
Guia-me pelo caminho
De sua plena felicidade...
Amém.

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Ser catequista


Ser catequista é anunciar ao mundo
a verdadeira vida e, na humildade
daquele que é apenas comunicador,
mensageiro, abrir o coração à escuta, detectando,
na confusão de todas as vozes,
o gemido da dor e o pulsar da vida.

Ser catequista é semear a esperança
com gestos e palavras
e levar a todas as pessoas
a mensagem salvadora do amor.

Catequista, apóstola(o), dedicação, partilha:
à medida que cresce, mais se doa.

A(o) catequista continua no mundo a missão de Maria,
fazendo o bem a todas as pessoas
e doando o maior de todos os dons:
ser filhas(os) de Deus.

Do livro: Mensagens para o ano todo - Vol.2, Paulinas

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Vocação e Missão. É tudo igual?


Meus amiguinhos, o mês de agosto foi escolhido por nossa Igreja para pensarmos mais a respeito da Vocação. Nestes trinta dias, nós reforçamos as atividades para que todas as pessoas tomem conhecimento de que Deus nos chama para fazer coisas muito bonitas.

E olha que tem muita gente levando a sério este chamado, como é o caso das catequistas, dos padres, dos diáconos, dos missionários, enfim, de todos aqueles que assumiram uma missão recebida.

Só que tem uma coisa irmãozinhos, às vezes eu confundia vocação com missão. Então fui atrás, pesquisei, conversei com quem entende de vocação e com quem é esperto em missão. O resultado esta aí, vamos lá.

O QUE É VOCAÇÃO?

Primeiro fiquei sabendo que a palavra vocação tem sua origem numa língua que hoje quase não se fala mais, o Latim. Nesta língua, vocação significa “chamar”. O meu amigo Pe. José Lisboa, que entende bem deste assunto, me disse que vocação quer dizer nada mais nada menos que chamado. Ele pediu para não esquecer que há muita gente que confunde vocação com inclinação ou aptidão e isso está errado. É Deus quem chama. Os talentos que temos vão nos ajudar a responder a este chamado.

Sendo assim, Deus chama a mim, a você, o nosso grupo..., nos convidando ao serviço, à doação, à entrega. Neste chamado, o que Ele mais quer é que nós estejamos junto Dele, de seu filho Jesus e do Espírito Santo, participando do amor desta família do céu e da nossa comunidade. Deus chama, mas dá também os carismas e as qualidades que precisamos para assumirmos este chamado.

Na carta do nosso amigo São Paulo para a comunidade de Corinto, na Grécia, ele diz assim:

“É o Espírito Santo que realiza tudo isso, distribuindo seus dons a cada um.” (cf. 1Cor 12,11). É por isso que em nosso meio há pessoas que seguem um caminho, outros seguem outros. Estes caminhos chamamos de vocações específicas. São elas: Vocação Sacerdotal (diáconos, padres e bispos), Vocação Religiosa (irmãs e irmãos consagrados) e a Vocação Leiga (catequistas, lideranças, os pais...).

O QUE É MISSÃO?

Companheiros, vocês irão ficar surpresos: a palavra missão também vem do latim e significa enviar. É Jesus quem nos envia, como Ele mesmo falou: “Vão e façam meus discípulos todos os povos... Ensinando a respeitar tudo o que vos ensinei” (cf. Mt 28,19-20). Pe. Paulo de Coppi, um grande amigo da Infância Missionária, disse que a missão não vem de nós, masé uma resposta ao plano que Deus tem para nós.

É a continuação da missão de Jesus de levar vida abundante para todos. Legal, não é mesmo! A missão de evangelizar é uma missão que também cabe a nós, pequenos missionários. Evangelizar significa apresentar Jesus e tudo aquilo que ele ensinou para as pessoas: paz, ninguém passando fome, alegria, esperança, nada de escravidão, enfim, amor.

VOCAÇÃO E MISSÃO

Depois de pesquisarmos a origem e o significado destas duas palavras, acredito que podemos afirmar que Deus nos chama também para a missão. Com isso, não existe chamado sem missão, como também não existe missão se não houver quem possa realizá-la. Acho que confundi a cabecinha de vocês!

Vou explicar melhor: a vocação, como vimos, é um chamado de Deus para servirmos a todos os irmãos. Esse serviço é a missão. Agora sim! Com isso podemos concluir que vocação e missão não são a mesma coisa, mas elas estão muito ligadas, sendo conseqüência uma da outra.

Na íntegra aqui

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

VOCAÇÃO É TERNURA


Da parte de Deus, não há chamado sem ternura!
O homem tem muitos modos de chamar, alguns deles terrivelmente cruéis, outros falsos e mentirosos, outros, ainda, humilhantes para quem é ou foi chamado.
- Vem cá!
- Faça isso! Eu tô mandando!
- Passa aqui, seu moleque!
A brutalidade e o desrespeito de certos chamados revelam o desequilibrio de quem chama e o medo de quem foi chamado.
Isso é tudo, menos vocação. Esta é algo exigente, envolvente, chega a doer lá dentro e exige rompimento e renúncias dolorosas, mas é cheia de ternura.
O Deus que chama, não força, exige mas não oprime, convida mas não engana, propões mas não impõe.
Como no caso de Jeremias, o homem tem direito de espernear, e Deus de insistir, mas a última palavra é do homem.
Como no caso do jovem rico, a última palavra é do homem. 
Como no caso dos discípulos, a última palavra é do homem.
O Todo-poderoso que chama é tão humilde que não quer ter a última palavra.
Todos os grandes vocacionados da história foram exigidos, convidados, instados ou suavemente conduzidos, mas a última palavra ficou sempre com eles.
-Quero! Não quero!
O homem raramente chama com ternura!
Deus, sim! E, porque nos ama, nos chama. E porque é terno, respeita nossas opções.

Pe. Zezinho - "A vocação de cada um" ed. Paulinas

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

PÁGINAS COLORIDAS

Conta-se que um soldado indo à igreja, permanecia longamente com os olhos fixos sobre um livrinho estranho, sem palavras, que tinha somente quatro páginas com várias cores: amarelo, branco, vermelho e verde.
Um dia alguém lhe perguntou o que fazia com esse livrinho, ele respondeu:
- “Eu quase perdi a visão, mas ainda consigo ler este livro.
 Na página cor de ouro contemplo a majestade de Deus e o adoro; na branca vejo os benefícios recebidos de Deus e o agradeço; a vermelha, com sua cor do sangue, me mostra o efeito dos meus pecados pelos quais Jesus Cristo derramou o seu sangue, e peço perdão de minhas culpas; finalmente a página verde, que é símbolo da esperança, me dá coragem para pedir a Deus todas as graças de que preciso, na confiança que Jesus misericordioso me escutará...”

sábado, 10 de agosto de 2013

SER PAI É...


Ser pai é ser companheiro,
construindo no ninho familiar a grandeza dos filhos para alicerçar valores que edificam a sociedade. 

Ser pai é ser jardineiro,
plantando raízes de virtudes com mãos delicadas, para que o lar seja sementeira de luz e de verdade. 

Ser pai é ser herói,
protegendo o espaço sagrado de seu templo-família, cultivando no coração dos filhos o germe da harmonia. 

Ser pai é ser fonte de vida,
inaugurando nossa história com gestos de amor, renovando perenemente a herança da criação. 

Ser pai é ser poeta,
declamando com carinho os versos de sua vivência, para cultivar e enobrecer os projetos de nossa existência. 

FELIZ DIA DOS PAIS, ESPECIALMENTE PARA O MEU PAPAI.


O MISTÉRIO DAS MÃOS


Você já meditou alguma vez o mistério das mãos?

Prestam-se para gestos altamente construtivos...

Mãos juntas, acompanhando a oração: penso de modo especial, em mãozinhas 
de criança que a jovem junta quando ensina a rezar, e as mãos trêmulas dos velhinhos que pedem para seus filhos e netos ausentes...

Mãos de cirurgião, que salvam vidas... basta recordar a perícia com que manejam cérebros e corações...

Mãos calejadas de trabalhadores, quase sempre mal remuneradas...

Mãos ágeis dos datilógrafos que batem um números incrível de batidas por minuto...

Mãos de músicos que nos deleitam, nos transportam bem além do tempo e do espaço...

Mãos que espalham sementes que se tornam alimento, e sementes de amor, de esperança e de paz...

Mãos de pintores e de escritores, que se esforçam para não trair os sonhos de beleza que se aninham no pensamento e no coração do artista...

Mãos dos linotipistas que compõem os jornais com a síntese do dia em que estamos vivendo...

Mãos dos técnicos de rádio, TV, cinema, que nos permitem viver, de hora em hora os grandes acontecimentos de qualquer parte do mundo...

Mãos que acariciam: mãos de mães, mãos de namorados, mãos de esposos...

Seria fácil continuar a enumeração. Mas, é importante recordar também, 
que as mãos humanas, capazes de tantas grandezas e de tanta beleza, espalham igualmente a desolação e a morte.

Há mãos que se fecham egoístas e ávaras.

Há mãos que se encrespam, cheias de ódio, chegando, às vezes, ao extremo de ferir e matar...

Há mãos que fecham a porta a quem necessita entrar, merece entrar...

Há mãos preguiçosas e que transferem para outros o trabalho que lhes compete fazer...

Há mãos que roubam dos ricos e dos pobres também.

Há mãos que sequestram pessoas...

Há mãos que metralham, jogam bombas arrasadoras, inclusive bombas que queimam as criaturas vivas, que são uma ameaça permanente de extermínio da vida sobre a terra...

Cristo, na Tua encarnação, na Tua vida mortal, usaste Tuas mãos admiráveis.

Elas passaram fazendo o bem...

Que nossas mãos estejam sempre ao serviço do Bem e da Beleza.

Que nossas mãos, à imitação das Tuas, sejam semeadoras da...

Tranquilidade, Esperança, Amor e da Paz.


(Dom Helder Câmara)

(Fonte)

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

SENHOR...



Senhor, fazei que eu ande!

Libertai minhas pernas da preguiça, afastai do meu corpo a vontade de acomodar-me
Desatai meu coração das amarras que o prendem às coisas sem importância
Soltai meu espírito da desgraça do egoísmo e da indiferença.
Fazei com eu me disponha a ir ao encontro da humanidade 
que ainda não achou o rumo da salvação.


Senhor, que eu não fique

dormindo no meu barco ancorado num mar de tranquilidade,
que eu não fique vegetando nesta "doce vida" de cristão convencido de possuir
"o passaporte" para o reino dos céus,
mas que eu sinta, como o apóstolo Paulo,
o desejo de andar e a inquietação missionária: "Ai de mim se não evangelizar".


Senhor, que eu me dirija

ao encontro daquele que sofre, porque ninguém ainda lhe estendeu a mão;
ao encontro daquele que chora, porque ninguém ainda o amou;
ao encontro daquele que caminha nas trevas, porque ninguém lhe mostrou o caminho da luz.


Senhor, que eu seja capaz

de levar uma fatia de pão e um copo de água: o pão do calor humano e a água da vida.
Que em vez de maldizer, eu seja capaz de acenar para uma luz que conduz ao bem comum
que eu seja capaz de ser uma esperança amiga que desperte a fé e encaminhe as pessoas para o amor.


Senhor, que eu ande sempre,

mas não me deixes partir sozinho e de mãos vazias.
Fazei com que eu leve comigo o suave peso da Vossa presença.
Dai-me, todos os dias, a vontade de ser alguém a serviço do Vosso amor.
Que assim seja,
Amém.


quinta-feira, 8 de agosto de 2013

CELEBRAÇÃO VOCACIONAL PARA A CATEQUESE


Material necessário: sementes, estola, 3 velas, sal e fermento seco, jarro com vários tipos de flores, bíblia.


Refrão Orante: "Senhor, chamaste-me aqui estou, chamaste-me aqui estou, ô, ô,ô"
Catequista: Sejam todos bem-vindos a esta celebração, queremos lembrar e celebrar todas as vocações, vamos receber alguns símbolos que nos ajudam a rezar e agradecer por Deus continuar confiando em nós para anunciar seu nome.

Entrada dos símbolos  
(cada simbolo é trazido por um catequizando que o coloca no centro ou no altar)
Semente
Com esta pequena semente agradecemos a Deus o dom da vida e, hoje, com muito carinho oferecemos ao Senhor essa pequena plantinha que somos nós, que aos poucos vai se tornando forte e mais tarde dará muitos frutos para a comunidade.
(os catequizandos colocam as sementes que receberam no centro, enquanto isso canta-se "poe a semente na terra)

Estola
Nos lembra a vocação sacerdotal. O padre que dedica sua vida e seu tempo para anunciar a Palavra de Deus e alimentar os fiéis com os sacramentos
Rezando juntos: Despertais Senhor em Vossa Igreja muitos e bons operários. Fazei que tenhamos presbíteros generosos para o serviço de nossas comunidades eclesiais.

3 velas acessas
Nos recordam a vocação religiosa. São religiosas e religiosos que se consagram  a Deus vivendo a pobreza, castidade e a obediência. É a doação de toda a vida para o bem dos irmãos e irmãs.
Rezando juntos: Suscitai sempre mais religiosos e religiosas para que se distribuam numerosos, em todos os continentes, irradiando em toda parte o brilho do vosso Evangelho.

Sal e fermento
Recordamos a vocação do cristão leigo e leiga, que são chamados a serem sal que dá sabor, luz que ilumina, e fermento na massa que faz crescer o amor, a solidariedade e a fraternidade na família, na escola, no trabalho, em todos os lugares em que atua. É a missão de transformar a sociedade.
Rezando juntos: Senhor, sei que nos dias de hoje é também por meio de mim que Vós quereis convocar outros colaboradores, escolher novos discípulos, e chamar novos apóstolos.

Bíblia aberta
Cada uma das vocações tem a missão de anunciar a Palavra de Deus. Esse anúncio é tarefa de todos, guiados pela luz do Espírito Santo.
(Enquanto um catequizando entra com a bíblia pode-se entoar algum canto para acolhê-la)

Texto Bíblico 
1Cor 12,4-11 (reflexão por conta do(a) catequista)

Preces
Catequistas: Todos nós somos chamados e convidados a descobrir qual é nossa missão. Sabemos que existem muitas formas de seguir Jesus. Todas são importantes. Ao lembrar cada uma das vocações, abrimos nosso coração para que o Espírito Santo ilumine nosso caminho e assim sejamos capazes de ajudar mais e melhor nossa comunidade.
(cada catequizando, pai e mãe recebem uma flor e a medida que faz a prece coloca-a no vaso)
1. Espírito Santo, nós te agradecemos por todas as vocações. E hoje te pedimos que ajude nossas famílias a viverem teu chamado, e nós, os filhos a escutar tua voz que nos convida a te seguir. Rezemos ao Senhor!
Todos: Abençoa Senhor as famílias amém. Abençoa Senhor a minha também (bis)
2. Espírito Santo, nós te pedimos pelos religiosos e religiosas: que muitos jovens sintam em seu coração o ardente desejo de deixar tudo para te seguir numa vida casta, pobre e obediente. Rezemos ao Senhor!
Todos: Te amarei Senhor, Te amarei Senhor. Eu só encontro a paz e a alegria bem perto de ti (bis)
3. Espírito Santo, dai coragem a todos os cristãos leigos(as) que testemunhem o teu amor no mundo. Rezemos ao Senhor!
Todos: Vem Espírito Santo vem. Vem iluminar (bis)
4. Espírito Santo, que desceste sobre os Apóstolos e Maria, Mãe de Jesus, olha a tua Igreja que hoje tem especial necessidade de sacerdotes santos, que vivam a alegria do chamado. Nós suplicamos que abra o coração dos jovens para ouvir tua voz. Rezemos ao Senhor 
Todos:Senhor tu me olhastes nos olhos a sorrir pronunciaste meu nome/ lá na praia eu larguei o meu barco, junto a ti, buscarei outro mar. (bis)
(preces espontâneas)
Catequista: Podemos comparar as vocações a um jardiom florido, cada flor enfeita, perfuma, tem seu próprio colorido e todas recebem de uma mesma terra e dão flores diferentes. Podemos dizer como nos diz São Paulo: "Existe dons diferentes, mas é o único e mesmo Espírito que realiza tudo em todos" (1Cor 12,4).
(finalizar com o Pai Nosso  rezado de mãos dadas)

Oração e benção final
Senhor, tudo começou de novo com a Ressurreição do teu Filho. Desde a manhã, espalha tua luz em nossos corações e fazenos viver como consagrados a ti e aos nossos irmãos. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.
O Deus da paz, que pela força do seu Espírito ressuscitou Jesus Cristo dos mortos, nos fortaleça e nos ilumine, agora e para sempre. Amém

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

A VOCAÇÃO DA CATEQUESE


"O fruto da evangelização e catequese é o fazer discípulos: acolher a Palavra, aceitar Deus na própria vida, como dom da fé. Há certa condições da nossa parte, que se resumem em duas palavras evangélicas: conversão e seguimento. A fé é como uma caminhada, conduzida pelo Espírito Santo, a partir de uma opção de vida e uma adesão pessoal a Deus, através de Jesus Cristo, e ao seu projeto para o mundo. Isso supõe também aceitação intelectual, o conhecimento da mensagem de Jesus. O seguimento de Jesus Cristo realiza-se, porém, na comunidade fraterna. O discípulado, que é o aprofundamento do seguimento, implica a renúncia a tudo o que se opõe ao projeto de Deus e dimimui a pessoa. Leva à proximidade e intimidade com Jesus Cristo e ao compromisso com a comunidade e com a missão (cf. CR 64-65; AS 127c).
A finalidade da catequese é aprofundar o primeiro anúncio do Evangelho: levar o catequizando a conhecer, acolher, celebrar e vivenciar o mistério de Deus, manifestado em Jesus Cristo, que nos revela o Pai e nos envia o Espírito Santo. Conduz à entrega do coração a Deus, à comunhão com a Igreja, corpo de Cristo (cf. DGC 80-81; Catecismo 426-429), e à participação em sua missão.
Nenhuma metodologia dispensa a pessoa do catequista no processo de catequese. A alma de todo método está no carisma do catequista, na sua sólida espiritualidade, e em seu transparente testemunho de vida, no seu amor aos catequizandos, na sua competência quanto ao conteúdo, ao método e à linguagem. O catequista é um mediador que facilita a comunicação entre os catequizandos e o mistério de Deus, das pessoas entre si e com a comunidade.
A vocação do catequista é a realização da sua vida batismal e crismal, na qual, mergulhado em Jesus Cristo, participa da missão profética: proclamar o Reino de Deus. Integrado na comunidade eclesial e enviado por ela, conhece sua realidade e aspirações, sabe utilizar a pedagogia adequada, animar e coordenar com participação de todos. é de substancial importância a relação do catequista com os catequizandos e suas famílias, considerando-os mais como interlocutores doq ue como destinatários da catequese. 'Essa relação nutre de paixão educativa, de engenhosa criatividade, de adaptação e, ao mesmo tempo, de máximo respeito pela liberdade e amadurecimento da pessoa' (DGC 156) e por seu discernimento vocacional. A particpação ativa e criativa dos catequizandos é outro elemento importante no processo catequético. Tal participação pode manifestar-se individualmente e em grupos: na oração e na participação dos sacrametnos; nas ações litúrgicas; no empenho eclesial e social; no exercício da caridade; na promoção dos valores humanos.
A comunidade cristã é a referência concreta para que a pedagogia catequética seja eficaz. Para isso a comunidade deve ser o lugar onde se vive o Evangelho e se alimenta continuamente a adesão à proposta de Jesus. Só assim a comunidade se torna fonte, lugar e meta da catequese. Nesse crescimento catequético, a comunidade testemunha visivelmente a fé e dedica-se à formação de seus membros. No anúncio do Evangelho, mesmo de forma pública e coletiva, a comunidade não deixa de fazer contato de pessoa a pessoa, a exemplo da pedagogia de Jesus e dos apóstolos. Assim, a catequese com as crianças favorece a boa socialização. Com os jovens, a catequese constitui uma necessidade vital na formação de sua personalidae, e, com os adultos, a catequese promove um crescimento de diálogo, de partilha e de co-responsabilidade".
Fonte: Diretório nacional da catequese n. 34; 44; 172-173; 175

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Oração pelos Sacerdotes


Ó Deus Eterno e Todo-Poderoso, olha para a face de teu Cristo e por amor a Ele que é eterno e sumo sacerdote, tem piedade de TEUS PADRES.
Lembra, ó Deus cheio de misericórdia, que eles são seres humanos, fracos e frágeis.
Desperta neles a graça da vocação que está neles pela imposição das mãos do bispo.
Guarda-os unidos a Ti para que o inimigo não prevaleça contra eles, a fim de que nunca façam coisa alguma, por mínima que seja, indigna de sua vocação sublime.
Ó Jesus, eu te peço pelos TEUS PADRES fiéis e fervorosos, pelos TEUS PADRES infiéis e tíbios, pelos TEUS PADRES que trabalham em sua terra ou fora no campo de missão. Pelos TEUS PADRES em tentação, pelos padres isolados e solitários, pelos TEUS PADRES jovens e idosos, pelos TEUS PADRES doentes e agonizantes, pelas almas dos TEUS PADRES no purgatório.
Mas acima de tudo, eu te recomendo os padres a quem mais devo: o padre que me batizou, os padres que me absolveram dos pecados, os padres de cujas missas participei e que me deram teu corpo e teu sangue na santa comunhão. Os padres que me ensinaram e me instruíram ou me ajudaram e encorajaram todos os padres a quem sou devedor de uma ou de outra forma.
Jesus guarda-os todos juntos de teu coração e abençoa-os ricamente no tempo e na eternidade.
Amém
Maria, Rainha do clero, roga por nós, e obtém para nós muitos padres santos.
Amém.

https://www.facebook.com/padrereginaldomanzotti

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

VOCAÇÃO: BUSCA E CONVITE


A vocação é o chamado de Deus. Somos chamados por Deus de várias maneiras, nos acontecimentos de nossa vida.

Os primeiros discípulos de Jesus devem tomar a iniciativa, sem esperar que Jesus os chame. Para eles, bastou o testemunho de João Batista de que Jesus é o libertador. A partir desse momento, descobrem que em Jesus está a resposta a todos os seus anseios. O Batista, por causa do testemunho, perde os discípulos. Estes, pela coragem da opção que fizeram, dão pleno sentido a suas vidas e passam a ser testemunhas para os outros.

As primeiras palavras de Jesus, no evangelho de João são: “O que vocês estão procurando”? Do início ao fim de nossas vidas, estamos à procura de algo ou de alguém. Como discípulos, procuramos saber quem é Jesus. E ele testa nossa sede, perguntando-nos o que estamos procurando. Esta pergunta, que aparece nos momentos cruciais do evangelho de João, costuma se manifestar nas fases decisivas de nossa vida: “O que estamos procurando”?

A resposta dos discípulos é movida pelo desejo de comunhão: “Mestre, onde moras”?. Os discípulos não estão interessados em teorias sobre Jesus. Querem, ao contrário, criar laços de intimidade com Ele.

Para criar intimidade com Jesus, é preciso partir, fazer experiência: “Venham ver!”. E o resultado da experiência já aparece: “Então eles foram e viram onde Jesus morava. E permaneceram com Ele naquele dia”. Por ora os discípulos permanecem com Jesus. Mais adiante, o Mestre dirá: ”Permaneçam em mim”. Permanecer com Jesus e com as pessoas é fácil. O difícil é permanecer n’Ele e nas pessoas. Só aí é que a comunhão será plena.

O Evangelho afirma que a experiência com Jesus valeu a pena: “Eram mais ou menos quatro horas da tarde”. Quatro horas da tarde, em linguagem simbólica, é o momento gostoso para o encontro, ou a hora das opções acertadas. O passo dado pelos primeiros discípulos foi de ótima qualidade. Valeu a pena
Nós também necessitamos permanecer com Jesus, permanecer n’Ele, seguir os seus ensinamentos e poder dizer para todo mundo; “Valeu a pena”.

 Padre Wagner Augusto Portugal