Seguidores

sábado, 29 de junho de 2013

DESENHOS PARA COLORIR





FESTA DE SÃO PEDRO E SÃO PAULO- DIA DO PAPA


Hoje, a Igreja do mundo inteiro celebra a santidade de vida de São Pedro e São Paulo. Estes santos são considerados “os cabeças dos apóstolos”, por terem sido os principais líderes da Igreja Cristã Primitiva, tanto por sua fé e pregação, como pelo ardor e zelo missionários.
Pedro, que tinha como primeiro nome Simão, era natural de Betsaida, irmão do Apóstolo André. Pescador, foi chamado pelo próprio Jesus e, deixando tudo, seguiu ao Mestre, estando presente nos momentos mais importantes da vida do Senhor, que lhe deu o nome de Pedro. Em princípio, fraco na fé, chegou a negar Jesus durante o processo que culminaria em Sua morte por crucifixão. O próprio Senhor o confirmou na fé após Sua ressurreição (da qual o apóstolo foi testemunha), tornando-o intrépido pregador do Evangelho através da descida do Espírito Santo de Deus, no Dia de Pentecostes, o que o tornou líder da primeira comunidade. Pregou no dia de Pentecostes e selou seu apostolado com o próprio sangue, pois foi martirizado em uma das perseguições aos cristãos, sendo crucificado de cabeça para baixo a seu próprio pedido, por não se julgar digno de morrer como Seu Senhor, Jesus Cristo.
Escreveu duas Epístolas e, provavelmente, foi a fonte de informações para que São Marcos escrevesse seu Evangelho.
Paulo, que tinha como nome antes da conversão, Saulo ou Saul, era natural de Tarso. Recebeu educação esmerada “aos pés de Gamaliel”, um dos grandes Mestres da Lei da época. Tornou-se fariseu zeloso, a ponto de perseguir e aprisionar os cristãos, sendo responsável pela morte de muitos deles.
Converteu-se à fé cristã no caminho de Damasco, quando o próprio Senhor Ressuscitado lhe apareceu e o chamou para o apostolado. Recebeu o Batismo do Espírito Santo e preparou-se para o ministério. Tornou-se um grande missionário e doutrinador, fundando muitas comunidades. De perseguidor passou a perseguido, sofreu muito pela fé e foi coroado com o martírio, sofrendo morte por decapitação.
Escreveu treze Epístolas e ficou conhecido como o “Apóstolo dos gentios”.

(Fonte)

E que tal conhecer um pouquinho mais sobre nosso Papa Francisco , através deste desenho animado?



sexta-feira, 28 de junho de 2013

A Diferença entre Querigma e Catequese


 Evangelização como um todo é rica e tem três aspectos: 

1. Profética: Palavra proclamada. O Anúncio verbal da Boa Nova. Todo anúncio através da Palavra que faz a Igreja, entra na área de evangelização profética. Toda a Palavra proclamada, toda palestra que damos com o objetivo de que conheçam e aceitem Jesus é EVANGELIZAÇÃO PROFÉTICA. 

2. Sacerdotal: Palavra celebrada. A forma mais bela que encontramos na evangelização sacerdotal está na Liturgia Eucarística, onde está presente dois tipos de evangelização: profética e sacerdotal 

Ela é profética na liturgia da Palavra, é a primeira parte da celebração eucarística. proclama-se a Palavra através do Evangelho, as cartas Paulinas, leituras do A.T. 

A segunda parte da Eucaristia, forma a liturgia celebrada, a liturgia da Palavra celebrada, vivida. Celebra-se a Palavra e realiza-se um memorial da Palavra. O memorial mais bonito por excelência que temos na Eucaristia, onde se apresenta e se faz presente Jesus, vivo no Sacramento da Eucaristia. 

3. Régia: Palavra vivida. É a Palavra que se faz vida. É a palavra que eu vivo, é instaurar o Reino de Deus. Viver a Palavra de Deus, é instaurar o Reino, onde a Palavra de Deus transforma minha vida, minha sociedade, meu mundo econômico, político, social, financeiro, cultural, educacional etc. Na evangelização a Palavra é vivida, é a instauração do Reino em nós. 

1. Evangelização Profética: 

- Querigma 
- Catequese 

Este dois aspectos são interdependentes mas são diferentes. Ambas as formas constituem a evangelização profética. Não podemos ficar somente com a evangelização querigmática, nem dividir e só ficar com a catequese. 

Não podemos dividí-las, nem separá-las, uma pressupõe a outra, não podemos dar uma só coisa. 

A proclamação querigmática nos leva à catequese como conseqüência, e esta não pode ser dada em antes assentar a base da proclamação querigmática primeiramente. 

A proclamação querigmática é o primeiro anúncio de Jesus, é a primeira mensagem; a Boa Nova de Jesus. O querigma é o forte badalo do sino e, o ressoar que vem depois é a catequese. 

A catequese é o ensino progressivo da fé. Deverá ser um ensino constante, seguindo uma seqüência progressiva. 

Querigma - primeiro anúncio da Boa Nova 

Catequese - ensino sistemático da fé. 

- Pelo querigma eu levo o evangelizado a nascer para a fé (Nicodemos) 

- Pela catequese eu levo o evangelizado a crescer na fé. 

2. Conteúdo do Querigma 

As oito metas do Querigma: 

1° Experiência do amor de Deus: 

O Evangelizador deverá ter uma experiência do amor de Deus. Mais do que falar sobre a manifestação do amor de Deus ao povo de Israel ou ao homem através de Jesus, tenho que levá-lo a ter uma experiência do amor de Deus. 

Nós, os pregadores corremos um perigo - gostamos muito de falar e esse é um dos defeitos maiores do pregador. 

Geralmente o pregador gosta muito de falar do amor de Deus, isto é muito bom porque através da palavra, da palestra, da comunicação, estamos apresentando Jesus vivo que experimentei e experimento, mas se eu, como pregador, não levo você que está me escutando a ter sua própria experiência do amor de Deus, não estarei cumprindo minha meta e não estará completa a proclamação querigmática. Mais que falar do amor de Deus é levar o evangelizado a ter uma experiência, que se sinta amado e que o viva e o experimente. 

2° Consciência do pecado perante Deus 

É muito importante que o evangelizado reconheça-se pecador. Se a pessoa não se sente enferma, se não sente nenhuma dor, se está muito bem, para que lhe serve um médico? 

A pessoa necessita conscientizar-se que está enferma e que precisa de ajuda. 

Muito mais importante é levar o evangelizado a sentir a necessidade de Deus do que lhe falar do pecado, que ele se conheça pecador, reconheça-se necessitado. 

3° Encontro pessoal com Jesus 

Muito mais que falar de Jesus, mais que explicar como foi e em que consistiu a morte de Jesus, mais que comprovar que Jesus ressuscitou, mais do que oferecer provas de que Jesus está vivo, mais do que explicar teologicamente nossa salvação por Jesus e em Jesus, o evangelizador deve levar o evangelizado a ter um encontro pessoal com Jesus. 

Assim aconteceu com Tomé. Os Apóstolos falaram que Jesus esteve com eles, que havia ressuscitado, mas Tomé não acreditou. E tudo que eles disseram não convenceu a Tomé de que Jesus esteve com eles, mas quando Tomé encontrou-se com Jesus e pode tocá-Lo, apalpá-Lo, quando ele experimentou, ele se convenceu 

4° Ato de fé 

Levar o evangelizado a dar um passo de fé, um ato de que crê em Jesus, um ato que o leve a depender, de buscar, de confiar somente em Deus. 

Levá-lo a um momento de conversão, a um desejo profundo de mudança, a um desejo de trocar sua vida pela vida de Jesus. 

5° Aceitar Jesus 

"Eis que eu estou à porta e bato. Se alguém escuta minha voz e me abre eu entrarei e cearei com ele" (Ap 3, 20). 

A porta do nosso coração não tem fechadura por fora, o nosso coração abre-se por dentro. Uma das metas então, é levar o evangelizado a proclamar não somente com a boca, mas com o coração. 

6° Pedir e receber o Espírito Santo 

Pedir uma unção do Espírito Santo no momento em que está evangelizando, lembrar que esse é o momento em que Deus sela com o Espírito Santo, manifestando seu amor, comprovando com a presença do Espírito Santo. 

7° Integra-se à comunidade cristã 

Se ao evangelizá-lo não o levo à comunidade, todo o meu esforço, todo o meu trabalho foi inútil porque estou anunciando a vida nova e a vida nova tem que conseguir em plenitude; essa plenitude é a comunidade que pode ajudar a permanecer, a seguir amando a Jesus, a seguir deixando seduzir através de sua palavra, dos sacramentos, através de sua Igreja e através dos irmãos. 

8° Transformação de vida 

É necessário que o evangelizado compreenda que a sua vida deve tomar outro rumo, deve ajustar-se a vida de Jesus. Ele deve ser estimulado, motivado a empreender um caminho de retorno. 

O conteúdo dos Apóstolos após receberem o Espírito Santo está em: 

Atos 2, 14-36; Atos 3; Atos 10; Atos 13. 

No querigma nós pregamos a pessoa de Jesus: 

- Concreta 

- Pessoal 

- Que nós conhecemos 

3. O efeito do querigma no evangelizado: 

-Lc 24, 13 - Os discípulos de Emaús caminharam muito tempo sem compreender as conseqüências do sacrifício de Jesus para suas vidas. Porém, quando Jesus se apresentou a eles, vivo, ressuscitado, seus corações arderam de felicidade, e eles desejaram estar com Jesus para sempre. E toda a sua vida e acontecimentos foram iluminados pela Ressurreição. Tudo tomou nova luz. E eles então não se contiveram tornaram-se anunciadores de Jesus. 

a. Abrem-se os olhos 
b. Arde-se o coração 
c. Corre-se para anunciar aos outros 

(Fonte)

quinta-feira, 27 de junho de 2013

NOSSA SENHORA E A ARTE...COMO TUDO COMEÇOU

Era uma vez um médico, escritor e pintor chamado Lucas… Foi ele quem escreveu o Evangelho que mais fala da infância de Jesus… E quem contou pra ele? Nada menos que a própria Virgem Maria… Eles se conheceram pessoalmente e a tradição da Igreja diz que as pinturas mais antigas de Nossa Senhora que existem são de São Lucas…
Você pode dizer, olhando para uma das pinturas, que ele escreve melhor do que pinta (eheheh) , mas segundo a tradição São Lucas era grego, por isso tinha esse estilo, chamado bizantino originário da Grécia, de pintar. Essas pinturas são “Ícones”, eles são como mapas de tesouros, cheios de segredos.
No ano 1207, devido a quantidade de milagres que aconteciam diante dessas  pequenas pinturas de São Lucas, o Papa Papa Inocêncio III declarou: “Verdadeiramente a alma de Maria parece se encontrar na imagem, uma vez que é tão bonita e tão milagrosa”.
Então, nos séculos XII, XIII e XIV, os pintores fizeram diversas cópias em madeira e tela, entre elas o Ícone de NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO.
 Muitas Aventuras…
Por volta de 1496, o quadro estava numa Igreja da Ilha de Creta quando um homem sem fé, um negociante que passava por ali, viu o quadro e, na esperança de vendê-lo por bom preço,o roubou e fugiu com ele pelo mar, escondendo-o entre suas mercadorias.
O quadro foi parar na casa de um romano. A própria Nossa Senhora apareceu a cada pessoa daquela família pedindo que devolvessem o quadro à uma Igreja… E nada. Dá para acreditar?! É que a mulher era cabeça dura e não queria devolver…

Por fim, a Virgem apareceu à filha menor do romano, uma menina de seis anos, e lhe disse: “Avisa à tua mãe que Santa Maria do Perpétuo Socorro quer que a tireis desta casa.”
Nossa Senhora também disse que o Icone deveria ser levado para a Igreja de São Mateus, que ficava na Via Merulana, entre as Basílicas de Santa Maria Maior e São João de Latrão. E para lá o quadro finalmente foi levado em 27 de março de 1499.
Ufa! Até que enfim!!!
Como todos na cidade ficaram sabendo da história, formou-se uma grandiosa procissão acompanhada por inúmeros membros do clero e uma multidão de fiéis. Uau!!!
Durante três séculos a imagem ficou na Igreja de São Mateus e, em pouco tempo, ela se tornou uma das Igrejas mais visitadas de Roma, devido à fama dos milagres por intercessão da Virgem do Perpétuo Socorro.
Essa não… Chegou Napoleão!
Em 1798 as tropas de Napoleão Bonaparte, que não acreditava nada, invadiram Roma. Acreditra que ele espulsou o Papa Pio VI de Roma e seu exército destruiu 30 Igrejas, entre elas a de São Mateu, onde estava o Icone de Nossa Senhora? Seria o fim dele???
O milagroso quadro foi salvo por um sacerdote corajoso que o levou para a Igreja de Santo Eusébio e depois para a capela privada dos agostinianos no convento de Santa Maria in Posterula. Assim, a imagem ficou lá, escondidinha e esquecida por nada menos que meio século.
50 anos depois…
Um tal Frei Agostinho Orsetti havia sido frade na Igreja de São Mateus e sabia da história da Santa. Por volta de 1850, estando já idoso e quase cego, fez amizade com um jovem coroinha chamado Miguel Marchi e lhe contou a história. Disse: “Não te esqueças, meu filho, de que a imagem de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está em nossa capela. Era muito milagrosa. Nunca te esqueças, entendeste?”
O jovem coroinha, mais tarde o padre redentorista Miguel Marchi, não se esqueceu…
Em meados do séc. XIX, a Congregação dos Padres Redentoristas foi convidada pelo papa Pio IX a instalar em Roma sua Casa.
E adquiriram um terreno, justamente no local onde existira a Igreja de São Mateus (aquela que Napoleão destruiu, onde antes estava a imagem). Ali construíram os Padres Redentoristas um convento e a Igreja de Santo Afonso e sem que soubessem, exatamente no local onde existira outrora a Igreja de São Mateus, na qual fora venerada durante séculos a milagrosa pintura de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.
O Padre Miguel contou toda a história da imagem para o Superior Geral da Congregação e o superior pediu ao Papa Pio IX a guarda Ícone para à sua Congregação. O Papa deu aos Redentoristas a missão de difundir a devoção a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro: “Fazei com que ela seja conhecida no mundo inteiro!”
Um Dia de Festa
Em 1865, numa solene procissão, cerca de 20 mil fiéis conduziram o Ícone de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro pelas ruas enfeitadas de flores até a Igreja de Santo Afonso.
Uma mulher, vendo a procissão passar, gritou da janela de sua casa: “Querida Mãe, cure meu filho ou leve-o para o Céu!” - Erguendo nos braços seu filhinho moribundo quando passava o quadro. Na mesma hora o menino ficou curado.
Pouco adiante, outra mãe pediu para curar sua filha atingida por uma paralisia total. Imediatamente a menina ganhou força nas pernas, porém, apenas o suficiente para começar a andar. Mãe e filha foram no dia seguinte à Igreja de Santo Afonso e suplicaram: “Ó Maria, terminai o que começastes!” E a menina de lá saiu completamente restabelecida.
E, graças ao zelo dos Padres Redentoristas, milhares de igrejas se erigiram em sua honra em todas as partes do mundo e até hoje temos essa linda devoção na nossa Igreja.

(Fonte) 




quarta-feira, 26 de junho de 2013

DINÂMICA DO BONECO

Hoje vamos apresentar a vocês uma dinâmica que poderá tanto ser usada para um encontro de catequese, em qualquer uma das etapas, como em um encontro com os pais e mães dos catequizandos, ou até mesmo em uma formação de catequistas.

Objetivo:

Na Catequese, a dinâmica poderá ser aplicada ligada ao tema da “Construção do Reino de Deus”, mostrando que ela só poderá ser feita em comunidade;
Quando aplicada num encontro com os pais das crianças e adolescentes que estão fazendo a Catequese, terá como objetivo mostrar que a participação conjunta de pais e catequistas é que poderá levar os catequizandos a viverem plenamente a própria fé, pois a educação na fé só acontece quando a família vive sua fé na comunidade.
Em um encontro formação de de catequistas, poderá ser aplicada para mostrar que o trabalho catequético exige união, colaboração e solidariedade, dando testemunho de vida comunitária.
Material necessário:

Folhas de papel (pode ser jornal, papel de embrulho ou qualquer outro papel;
tesouras;
fita adesiva;
canetôes pretos e coloridos
Execução:

Organizar dois grupos com 13 pessoas em cada um.
Separar os grupos de tal forma que um não veja as instruções que serão passadas ao outro.
Em um dos grupos, cada participante receberá as instruções sobre o que deve fazer individualmente, sendo que cada um receberá por escrito a instrução de fazer moldando ou desenhando e recortando uma parte do corpo humano, sem qualquer outra explicação. Eles não deverão dizer nada a ninguém sobre o que devem fazer e farão o trabalho separados. Esse grupo receberá apenas o papel e um canetão para a realização da tarefa e não poderão pedir nada emprestado.
O outro grupo vai receber as instruções todos juntos, sendo que cada um vai também receber a incumbência de fazer uma parte do corpo humano por escrito, mas sabendo que estarão fazendo as partes de um boneco e que deverão trabalhar juntos, decidindo como farão o boneco, se desenhado ou moldado. Eles receberão papel, canetões pretos e coloridos e tesouras. Mas as partes devem ser feitas por cada um, sem montar o boneco antes da hora em que for pedido.
As partes do corpo que cada grupo deverá fazer são:

cabeça;
orelha direita;
orelha esquerda;
pescoço;
tronco; (não explicar para o grupo que vai trabalhar separadamente que se tra de um boneco)
braço direito;
braço esquerdo;
mão direita;
mão esquerda;
perna direita;
perna esquerda;
pé direito;
pé esquerdo.
Dar 10 a 15 minutos de tempo para que executem a tarefa, confeccionando as partes que foram pedidas a cada grupo. Se o número de participantes for maior que o necessário para a execução das tarefas, pedir aos participantes que não pertencem a nenhum dos grupos que observem o que se passa com cada um dos participantes de cada grupo, mas sem dizer nada nem interferir no trabalho.

Terminado o tempo, pedir que retornem aos seus lugares e então chamar uma a um para apresentar o seu trabalho, montando o boneco primeiro do grupo que trabalhou separado e depois do grupo que trabalhou junto. Os bonecos poderão ser montados em uma parede, preso por fita colante, um ao lado do outro.

Consequências:

O primeiro grupo apresentará um boneco bem estranho, com partes que não são proporcionais e que até mesmo poderá ter o tronco como se fosse uma árvore, pois ao ver apenas a palavra tronco sem nenhuma outra explicação, ele poderá pensar que se trata de um tronco de árvore.
O segundo grupo apresentará um boneco mais uniforme, com partes proporcionais e melhor elaboradas, deixando o boneco com uma boa figura.
Depois que os bonecos estiverem montados, peça às pessoas que observaram para que digam o que perceberam. Depois perguntar a cada um dos grupos o que sentiram ao executar as tarefas e quais as dificuldades que tiveram.

Finalizar perguntando qual a conclusão que tiraram dessa dinâmica. Depois fazer a leitura bíblica de Ato dos Ápóstolos 2,44-47, concluindo com a reflexão desse textos em relação ao tema e objetivo do encontro.

(Fonte)

segunda-feira, 24 de junho de 2013

NATIVIDADE DE SÃO JOÃO BATISTA

A Bíblia nos diz que Isabel era prima e muito amiga de Maria, e elas tinham o costume de visitarem-se. Uma dessas ocasiões foi quando já estava grávida: "Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança lhe estremeceu no ventre, e Isabel ficou repleta do Espírito Santo" (Lc 1,41). Ainda no ventre da mãe, João faz uma reverência e reconhece a presença do Cristo Jesus. Na despedida, as primas combinam que o nascimento de João seria sinalizado com uma fogueira, para que Maria pudesse ir ajudar a prima depois do parto.

Assim os evangelistas apresentam com todo rigor a figura de João como precursor do Messias, cujo dia do nascimento é também chamado de "Aurora da Salvação". É o único santo, além de Nossa Senhora, em que se festeja o nascimento, porque a Igreja vê nele a preanunciação do Natal de Cristo.

Ele era um filho muito desejado por seus pais, Isabel e Zacarias, ela estéril e ele mudo, ambos de estirpe sacerdotal e já com idade bem avançada. Isabel haveria de dar à luz um menino, o qual deveria receber o nome de João, que significa "Deus é propício". Assim foi avisado Zacarias pelo anjo Gabriel.

Conforme a indicação de Lucas, Isabel estava no sexto mês de gestação de João, que foi fixado pela Igreja três meses após a Anunciação de Maria e seis meses antes do Natal de Jesus. O sobrinho da Virgem Maria foi o último profeta e o primeiro apóstolo. "É mais que profeta, disse ainda Jesus. É dele que está escrito: eis que envio o meu mensageiro à tua frente; ele preparará o teu caminho diante de ti". Ou seja, o primo João inicia sua missão alguns anos antes de Jesus iniciar a sua própria missão terrestre.

Lucas também fala a respeito da infância de João: o menino foi crescendo e fortificando-se em espírito e viveu nos desertos até o dia em que se apresentou diante de Israel.

Com palavras firmes, pregava a conversão e a necessidade do batismo de penitência. Anunciava a vinda do messias prometido e esperado, enquanto de si mesmo deu este testemunho: "Eu sou a voz do que clama no deserto: Endireitarei o caminho do Senhor..." Aos que o confundiam com Jesus, afirmava com humildade: "Eu não sou o Cristo". e "Não sou digno de desatar a correia de sua sandália". Sua originalidade era o convite a receber a ablução com água no rio Jordão, prática chamada batismo. Por isso o seu apelido de Batista.
João Batista teve a grande missão de batizar o próprio Cristo. Ele apresentou oficialmente Cristo ao povo como Messias com estas palavras: "Eis o Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo... Ele vos batizará com o Espírito Santo e com o fogo".

Jesus, falando de João Batista, tece-lhe o maior elogio registrado na Bíblia: "Jamais surgiu entre os nascidos de mulher alguém maior do que João Batista. Contudo o menor no Reino de Deus é maior do que ele".

Ele morreu degolado no governo do rei Herodes Antipas, por defender a moralidade e os bons costumes. O seu martírio é celebrado em 29 de agosto, com outra veneração litúrgica.

São João Batista é um dos santos mais populares em todo o mundo cristão. A sua festa é muito alegre e até folclórica. Com muita música e danças, o ponto central é a fogueira, lembrando aquela primeira feita por seus pais para comunicar o seu nascimento: anel de ligação entre a antiga e a nova aliança.

(Fonte)

sábado, 22 de junho de 2013

QUANDO ME AMEI DE VERDADE


Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato. E então, pude relaxar. Hoje sei que isso tem nome: autoestima.

Quando me amei de verdade, pude perceber que a minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra as minhas verdades. Hoje sei que isso é autenticidade.

Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento. Hoje chamo isso de amadurecimento.

Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo. Hoje sei que o nome disso é respeito.

Quando me amei de verdade, comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável: pessoas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início, minha razão chamou essa atitude de egoísmo. Hoje sei que é amor próprio.

Quando me amei de verdade, deixei de temer meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro. Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo. Hoje sei que isso é simplicidade.

Quando me amei de verdade, desisti de querer ter sempre razão e, com isso, errei muito menos. Hoje descobri a humildade.

Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece. Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é plenitude.

Quando me amei de verdade, percebi que a minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando eu a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada. Tudo isso é saber viver!!!

“Não devemos ter medo dos confrontos, até os planetas se chocam e do caos nascem às estrelas.”

Charles Chaplin

sexta-feira, 21 de junho de 2013

PRECE DE UM CATEQUISTA


Quero ecoar vossa Palavra Senhor
Com a coragem daqueles que amam
Com a sabedoria necessária para fazer crescer
Com a fé sincera que fecunda a vida;
Sou tua testemunha Senhor
Em um mundo que parece te esquecer
Preciso fazer de minha vida um serviço
Que cative e entusiasme os outros a segui-lo.
Sou teu Profeta Senhor
Em uma realidade que não quer te escutar
Tenho que gritar, proclamar tua vontade
Que é Caminho, Verdade, Vida, Amor e Fé.
Sou teu amigo Senhor
Que procura na singeleza do que sou
Trazer outros amigos para junto de Ti
E amadurecer na fé e para a vida.
Amém!

Pe. Elison Silva
Da Arquidiocese de Maceió
Articulador de Catequese da Província Eclesiástica de Maceió

(Fonte)

ATITUDES POSITIVAS


· São as suas atitudes e não as suas habilidades que
determinam a sua altitude.

· Você se torna bem sucedido ao ajudar outras pessoas
a serem bem-sucedidas.

· Oportunidades nunca são perdidas: elas simplesmente
são achadas por outras pessoas.

· Ter idéias é uma coisa, porém aquilo que você faz com as
suas idéias é uma coisa totalmente diferente.

· Busque a paz interior.

· Perdão substitui a amargura.

· Camadas de ressentimento sepultam a alegria.

· Não se renda à auto-piedade.

· Substitua negativos com positivos.

· Deixe que a verdade tome o seu lugar.

· Faça de uma maneira eficiente aquilo que tem que ser feito.

· Oração permite você falar com Deus.
Meditação permite que Deus fale com você.

· A sua mente trabalha muito melhor quando está aberta.

· Alvos sem uma data limite são apenas boas intenções.

· Enfrente os seus problemas e lide com eles.

· Sempre busque o melhor.

· Não continue a fazer as coisas da mesma maneira se você
não está gostando dos resultados que tem obtido.

· Reconheça os seus erros.

· Aceitar o fato de que você perdeu é um sinal seguro
de um grande vencedor.

· Ataque o problema e não a pessoa.

· Novas experiências criam novas realidades.

· Não permita que os seus amigos se tornem seus inimigos.

· Aquilo que funciona para uma pessoa pode não funcionar
para você.

· Torne-se 100% comprometido a adquirir aquilo que você deseja.

· Você é a única pessoa que pode lhe parar permanentemente.

· Não crie desculpas para não fazer ou não ter.

· Não se prepare para a velhice cedo demais.

· Você não pode resolver os seus problemas simplesmente
fugindo deles.

· Fumar com moderação é impossível.

· Não exagere, isso lhe enfraquece.

· Glória compartilhada cria unidade.

· Não assumir riscos é um risco.

· Tempos difíceis criam sofrimento. Sofrimento cria mudanças.

· Benção é acordar mais uma vez.

· Seja você mesmo.

· Encontre tempo para fazer aquilo que você gosta.

· Nunca pare de educar a si mesmo.

· Trate as pessoas da maneira que você gostaria de ser tratado.

· Esteja aberto a renunciar o seu passado.

· Não seja cruel com ninguém.

· Mude para melhor.

· Cresça continuamente.

· Ame com paixão.

· Seja pontual.

· Planeje antecipadamente.

· Creia nos seus sonhos.

· Dê tempo ao seu cônjuge.

· Liberte-se de relacionamentos abusivos.

· Compartilhe os seus pensamentos.

· É tempo de curar-se interiormente.

· Paciência. Seja sempre paciente. Nunca desista.

· As pessoas que não podem encarar a realidade
se voltam para a mentira.

· Seja profissional.

· Assuma responsabilidade pelos seus erros.

· Coloque crescimento espiritual no topo da sua lista de prioridades.

· Liderança é a sua influência sobre a vida de outras pessoas.

· Jamais peça nada em retorno ao dar presentes.

· Vá muito além do seu dever.

· Lembre-se que todas as pessoas tem um passado.

· Fale menos de si mesmo.

· Ouça música que lhe motive.

· Evite palavrões e xingamentos.

· Pense positivamente.

· Você pode conseguir, se você tentar.

· Mantenha o seu cérebro ativo, motivado e alerta.

· Não fira deliberadamente as outras pessoas.

· Mude de dentro para fora.

· Separe um tempo diariamente para agradecer a Deus

· Seja um edificador.

· Não culpe os outros.

· Não torça a verdade.

· O amor não tem substituto.

· Seja prático. Pense praticamente.

· Seja você mesmo. Dura muito mais.

· Nunca pare de explorar novas maneiras e
novos métodos de se aprimorar.

· Não ponha as pessoas para baixo.

· Comporte-se profissionalmente.

· Esteja aberto à crítica. Você poderá identificar
os problemas muito melhor.

· Não abuse do álcool.

· Seja responsável.

· Seja confiável.

· Mantenha-se motivado.

· Não confie na sua memória. Tome notas.

· Faça mais do que lhe é esperado.

· Dê mais do que recebe.

· Faça perguntas.

· Busque por excelência em você e nos outros.

· Não desperdice energia.

· Seja capaz de fazer claras distinções.
Isso lhe ajudará a ser mais tolerante.

· Não viva no passado.

· Leia bons livros. Aprenda com eles.

· Seja justo.

· Seja agradável

· Não permita que obstáculos o coloquem para baixo.

· Seja humilde.

· Não seja um murmurador.

· Evite o mau humor.

· Controle o seu peso.

· Busque motivação diariamente.

· Aprenda diariamente.

· Não seja arrogante.

· Ao lidar consigo use a sua mente.
Ao lidar com as outras pessoas use o coração.

· Trabalhe constantemente em aprimorar as suas atitudes.

· Preste atenção nos detalhes.

· Não manipule as pessoas.

· Péssimas atitudes anulam brilhantes habilidades.

· Não tenha vergonha de chorar.

· Esteja aberto a mudanças.

· Sonhe.

· Pense bons pensamentos, puros e positivos.

· Sorria.

· Tenha fé em Deus.

· Seja honesto consigo mesmo .

· Cerque-se de amigos que pensem positivamente.

· Compartilhe com outros o que você tem recebido.

· Não abandone o seu sonho.

· Cumpra aquilo que você prometeu.

· Crie o hábito de admitir quando estiver errado.

· Todas as pessoas trazem consigo algum tipo de preconceito.
Não permita que o seu venha a controlar-lhe.

· Todas as coisas são difíceis antes de se tornarem fáceis. Portanto, não desista!

· Mantenha consigo os segredos que lhe foram confiados.

· Sorria freqüentemente.

· Leia diariamente.

· Ore diariamente.

· Pense antes de falar.

· Encoraje outras pessoas.

· Escreva os seus alvos.

· Creia em si mesmo.

· Ouça os fatos.

· Aprenda a conviver com as diferenças.

· Recupere-se de um fracasso.

· Transforme o seu medo em fé.

· Seja pontual.

· Responda imediatamente as suas correspondências.

· Fracassar não significa evitar de cair. Você fracassa quando não se levanta.

· Não gaste tempo e energia se preocupando com coisas que você não tem nenhum controle.

· Você é uma linda história esperando ainda para
ser contada a alguém.

· Afirmação e apreciação produz maravilhas.
Afirme e aprecie pelo menos uma pessoa por dia.

· Confissão traz saúde para a alma.

· Pague as suas dívidas.

· Simplifique a sua vida.

· Existem 86.400 segundos em cada novo dia.
Tente usá-los com sabedoria.

· Pedir ajuda é o primeiro sinal de coragem.

· Nunca prometa algo que você não possa cumprir.

· Você fará da sua vida um inferno se você desistir.

· Trate as outras pessoas como se você fosse as outras pessoas.

· Mantenha-se entusiasmado com as incríveis possibilidades
que a vida lhe oferece.

· A única coisa impossível é aquilo que ainda não foi tentado realizar.

· Para se livrar de maus hábitos, confesse as suas faltas a alguém de sua inteira confiança.

· Se você crê que alguma coisa é possível, ela será.

(Mensagens Diárias)

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Qual a função das parábolas na catequese?


As parábolas sempre ocuparam um lugar privilegiado na catequese, porém, muitas vezes, mais por motivos de ética, de psicologia e de pedagogia religiosa que por explícito reconhecimento do primado da palavra.

Consideradas fáceis de ser explicadas e de ser aprendidas, além de capazes de despertar o interesse dos ouvintes, as parábolas foram, às vezes, empregadas na catequese como suporte para uma verdade dogmática ou moral. Este papel de apoio afasta as parábolas de seu natural contexto bíblico, as empobrecendo e selecionando de ambíguo. Neste caso, o resultado é não deixar de falar o texto sagrado, mas fazê-lo dizer o que ele não pretende afirmar ou que propõe como secundário, deixando de lado seu conteúdo original.

O Concílio Vaticano II declarou que não podemos limitar o citar a Bíblia apenas e sobretudo para ilustrar ou motivar uma verdade da doutrina cristã. É, sem dúvida, um sinal dos tempos a redescoberta do primado da Escritura e a convicção de que ela, ainda hoje – como acontecia na Igreja primitiva – deve ser o centro de ensinamento da catequese. A constituição Dei Verbum afirma que “a Igreja sempre venerou as divinas Escrituras... É necessário, portanto, que toda pregação eclesiástica, como a própria religião cristã, seja alimentada pela Sagrada Escritura” (n21).

Nos 20 anos sucessivos ao Vaticano II, já se fez uma notável caminhada na relação Bíblia-catequese, embora ainda reste muito a fazer na aquisição prática desse novo estilo catequético.

A Catechesi Tradendae (n27) nota que a “catequese alcançará sempre seu conteúdo na fonte viva da Palavra de Deus”. 
O doc. 26 da CNBB, Catequese Renovada, diz que “todo roteiro catequético deverá incluir estímulos e orientações com vista a uma leitura da Bíblia, segundo um plano adequado à idade e às condições culturais do leitor. O plano deve favorecer uma leitura interessante, viva, com acesso direto aos textos, ajudando a compreensão da mensagem, assim como o Magistério da Igreja à interpreta” (n.88).

A acentuação do valor da Escritura e o esforço para a renovação da catequese fizeram com que também as parábolas não fossem mais usadas de modo paralelo ou apenas integradas no texto de catequese. Foi gradualmente amadurecendo a convicção de que as parábolas já são uma forma de catequese e não simplesmente uma exemplificação de catequese enquanto revelam o projeto de Deus em Cristo em favor do homem.

Colaboração: Maria Helena L. de Carvalho - Novo Hamburgo
Fonte: Luiz Guglielmoni – Revista Catechesi, Itália (1983/15, pp.11-19)
Orientações gerais e indicações práticas para uso das parábolas na catequese.
R. M. O. traduziu

(Fonte)