Seguidores

quinta-feira, 25 de abril de 2013

SÃO MARCOS EVANGELISTA

http://dibujosparacatequesis.blogspot.com.br/

São Marcos, ou João Marcos hebreu de origem, da tribo de Levi, foi um dos primeiros discípulos de São Pedro, que na festa de Pentecostes receberam o santo Batismo das mãos do Apóstolo, razão talvez, de Pedro em sua primeira epístola o chamar “seu filho” (1Pe 5, 13). Os atos dos Apósto­los (12, 12) mencionam a mãe de Marcos, Maria, proprietária de uma casa em Jerusalém, onde os cris­tãos realizavam suas reuniões. Autores há, que em Marcos reconhecem o parente de Barnabé, e quem, bem moço ainda, com este a São Paulo se associou na primeira viagem apostólica e, terminada esta, por desinteligências que entre eles surgiram, para Jerusalém voltou. Na segunda viagem paulina não o vemos ao lado do apóstolo (At. 15, 3). 

Mais tarde, porém, foi companhei­ra de São Paulo na primeira pri­são do mesmo em Roma (Fm 4); pelo mesmo apóstolo foi mandado ias Colossenses (Cl 4, 10). Pela segunda vez preso em Roma, Paulo o chamou para junto de si. (2 Tm 4,11). Seu apostolado é intimamente ligado também ao de São Paulo, em Roma, onde desenvolveu um zelo e atividade apostólicos tais, que seu Chefe desejou tê-lo sempre em sua companhia. 

Em Roma teve Marcos o prazer de ver os belos frutos, que a prega­ção do príncipe dos Apóstolos produzira, crescendo dia por dia o nú­mero dos que pediam o santo Batismo. Durante sua ausência, São Pedro confiou a Marcos a vigilân­cia sobre a jovem Igreja. Atenden­do ao insistente pedido dos primei­ros cristãos de Roma, de deixar-lhes um documento escrito, que conti­vesse tudo que da sua e da boca de Pedro ouviram da vida, da dou­trina, dos milagres e da morte de Jesus Cristo. Marcos escreveu o Evangelho que lhe traz o nome, dos quatro Evangelhos o mais curto e por assim dizer, o mais incomple­to; não contém a história da In­fância de Cristo, nem o sermão da montanha. São Pedro leu-o, apro­vou-o e recomendou aos cristãos que dele fizessem a leitura. 

Depois de ter passado alguns anos em Roma, Marcos pregou o Evangelho na ilha, de Chipre, no Egito e nos países vizinhos. As con­versões produzidas por esta prega­ção contavam-se aos milhares. Mi­lhares de ídolos ruíram por terra, e nos lugares dos templos se ergue­ram igrejas cristãs. O Egito, antes um país entregue à mais crassa ido­latria, tornou-se teatro da mais alta perfeição cristã e refúgio de muitos eremitas. Marcos trabalhou 19 anos em Alexandria, onde a Igreja che­gou a um estado de extraordinário esplendor. Não satisfeitos com a ob­servância de tudo aquilo que o Evan­gelho apresentava como indispensá­vel, muitos cristãos observavam do modo mais perfeito os conse­lhos evangélicos, abstendo-se, a exemplo do mestre, do uso da carne e do vinho e distribuindo os bens entre os pobres. Inúme­ros eram aqueles que viviam em perfeita castidade. O número dos cristãos cresceu de tal ma­neira, que para todos terem ocasião de assistir ao santo sa­crifício da Missa e à pregação, foi necessário destacar um número de casas bem grande onde se pudessem reunir. 

Tão grande prosperidade da causa do Senhor não podia dei­xar de inquietar e irritar os sa­cerdotes pagãos contra o gran­de Apóstolo. Marcos, sabendo que os inimigos seus e de Cris­to estavam conspirando contra sua vida, e, rezando uma generalização da perseguição, na qual muitos cristãos poderiam não ter a força de perseverar na fé, deu à Igreja de Alexan­dria um novo bispo, na pessoa de Aniano, e ausentou-se da ci­dade. Dois anos durou essa au­sência. Ao voltar, havia uma grande festa, que os pagãos ce­lebravam em honra do deus Serapis. A maior homenagem que podiam render à divinda­de, havia de ser — assim opi­navam os idólatras — a ofer­ta da vida do Galileu: por este no­me era conhecido o grande evange­lista . 

Imediatamente se puseram a ca­minho em busca de Marcos. A eles se uniu o populacho. Descobrir-lhe o paradeiro e penetrar na casa que o hospedava, foi obra de minutos. Marcos estava celebrando os santos mistérios, quando a horda sequiosa do seu sangue, entrou. Prenderam-no e, com escolhida brutalidade, conduziram-no pelas ruas da cida­de. O trajeto todo ficou marcado pelo sangue do Mártir. Marcos nenhuma resistência fez; ao contrário, deu louvor a Deus por ter sido achado digno de sofrer pelo nome de Cristo. 

Na noite seguinte apareceu-lhe um anjo e disse-lhe: “Marcos, Ser­vo de Deus, teu nome está escrita no livro da vida, e tua memória ja­mais se apagará. Os Arcanjos rece­berão em paz teu espírito”. 

Além desta teve a aparição de Deus Nosso Senhor, da maneira por que muitas vezes o tinha visto du­rante a vida mortal e disse-lhe: “Marcos, a paz seja contigo”. Estas, como as palavras do Anjo, en­cheram a alma do Mártir de grande consolo e ânimo. 

O dia seguinte, 25 de abril, foi o dia do martírio. Os pagãos maltrataram-no de um modo tal que morreu no meio das crueldades. As últimas palavras que proferiu foram: “Em vossas mãos encomen­do o meu espírito”. 

Os pagãos quiseram incinerar-lhe o corpo. Uma fortíssima tempestade, que sobreveio, frustrou-lhes os planos e forneceu aos cris­tãos ocasião de tirar o corpo e dar lhe honesta sepultura, numa rocha em Bucoles. 

Em 815 foram as relíquias de São Marcos transportadas para Veneza, onde ainda se acham. O leão é o símbolo deste evangelista, que inicia seu Evangelho com estas palavras: “Voz daquele que clama no deserto: Preparai os caminhos do Senhor”. 

Fonte: Santo do Dia 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Que a estrada se abra à sua frente,
Que o vento sopre levemente em suas costas,
Que o sol brilhe morno e suave em sua face,
Que a chuva caia de mansinho em seus campos,
E, até que nos encontremos, de novo...
Que Deus lhe guarde nas palmas de suas mãos!"

OBRIGADA POR DEIXAR SEU COMENTÁRIO!