Seguidores

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

BÍBLIA- PALAVRA DE DEUS



O que é a Bíblia

A palavra "Bíblia" vem do grego "biblos", que era o nome dado às folhas prensadas do papiro (três mil anos antes de Cristo os egípcios já escreviam no papiro, uma grande planta própria das margens alagadiças do rio Nilo, seu caniço comprido era aberto em tiras, as quais eram prensadas enquanto ainda estavam úmidas e assim formavam uma folha. Tais folhas eram escritas em um só lado e depois guardadas em rolos).
Biblos significa "livro" e o plural em grego é "biblia". Portanto, "Bíblia" quer dizer "livros" ou "coleção de livros". Segundo o Concílio Vaticano I:


"A Bíblia é a coleção de Livros Sagrados que escritos sob a inspiração do Espírito Santo, tem a Deus como Autor."


Quem escreveu a Bíblia

Deus quis se servir de homens que Ele foi escolhendo ao longo da história da salvação para escrever aquilo que Ele queria que fosse escrito. Estes homens chamam-se escritores sagrados ou hagiógrafos. Todos os livros da Bíblia são inspirados por Deus.
Os escritores sagrados foram muitos (mais de 50), às vezes com um intervalo de centenas de anos de um para o outro. Porém, em todos eles, era Deus quem os inspirava a escrever somente e exclusivamente o que Ele queria. Distinguimos na Sagrada Escritura dois autores: um primeiro e principal, autor da idéia, que é Deus e outro secundário, que põe por escrito a idéia inspirada por Deus.


Quanto tempo a Bíblia levou para ser escrita

Os primeiros escritos datam do século XII a.C. e só foram concluídos no final do século I d.C. Portanto, foram quatorze séculos o período em que foi escrita a Bíblia.


Onde foi escrita a Bíblia

O Antigo Testamento foi escrito na Palestina, na Babilônia e no Egito.
O Novo Testamento na Palestina, na Síria, na Ásia Menor, Grécia e Itália.


Em que línguas em que foi escrita a Bíblia

Todo o Antigo Testamento foi escrito em hebraico, menos o Livro da Sabedoria, os dois de Macabeus e trechos de Daniel e de Ester, que foram escritos em grego.
O Novo Testamento foi todo escrito em grego, menos o Evangelho de Mateus, que foi escrito em aramaico.

Divisão da Bíblia

A Bíblia se divide em 2 grandes partes ou dois grandes grupos de livros: os escritos antes do nascimento de Cristo e os escritos depois.

Os escritos antes, que são 46 livros, formam o Antigo Testamento, os escrito depois, 27 livros, constituem o Novo Testamento.

No Antigo encontramos a promessa de salvação e a Aliança de Deus com seu povo.
No Novo, a realização da promessa no Sacrifício e no Sangue de Jesus Cristo.

Os livros Sagrados, tanto no Antigo como no Novo Testamento, são agrupados segundo o assunto de que tratam em:


Pentateuco = 5 primeiros livros (de Gênesis a Deuteronômio)

Livros Históricos = 16 livros (de Josué a II Macabeus)

Livros Sapienciais = 7 livros (de Jó a Eclesiástico)

Livros Proféticos = 18 livros (de Isaías a Malaquias)

Evangelho e Atos dos Apóstolos = 5 livros (de Mateus a Atos dos Apóstolos)

Cartas Apostólicas e Apocalipse = 22 livros (de Romanos a Apocalipse)

Ainda mais, cada livro está dividido em capítulos e cada capítulo em versículos. Por volta do ano 1200 d.C. o cardeal Estevão Langton dividiu os livros da Bíblia em capítulos e o Frade Santo Pagnino em 1500 d.C. aproximadamente, fez a divisão dos capítulos em versículos.

É importante perceber que a Bíblia chegou até nós da maneira que a temos graças à Igreja Católica.

Ao todo a Bíblia reúne 73 livros, 1.333 cápítulos e 35.700 versículos.

 http://tiapaulalimeira.blogspot.com

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

A PRECIOSA BÊNÇÃO DOS PAIS



Quando eu era criança, estava acostumado a pedir a bênção aos meus pais – a qualquer hora que saísse ou chegasse em casa -, naquele apressado “Bença, pai!”, “Bença, mãe!”, tão apressado que quase não ouvia a resposta. Todos nós, quando crianças, estávamos tão acostumados a pedir a bênção dos pais que, quando saíamos sem ela, parecia-nos que faltava algo à nossa segurança ou ao sucesso de nossos planos… Ao menos quatro vezes por dia eu e meus oito irmãos pedíamos a bênção a nossos pais: ao acordar, ao irmos para a escola, ao voltar da escola, e ao se deitar.
Hoje, passados os anos, tenho profunda consciência da importância da bênção dos pais na vida dos filhos. É a Sagrada Escritura que nos alerta da necessidade dessa bênção. Toda a Bíblia está repleta de passagens indicando a importância que Deus dá aos pais na vida dos filhos. Os pais são os cooperadores de Deus na criação dos filhos e, dessa forma, são também um canal aberto para que a bênção divina chegue aos filhos.
O livro do Deuteronômio registra o quarto mandamento: “Honra teu pai e tua mãe, como te mandou o Senhor, para que se prolonguem teus dias e prosperes na terra que te deu o Senhor teu Deus” (Dt 5,16). Desta forma, Deus promete vida longa e prosperidade àqueles que honram os pais. São Paulo disse que esse é “o primeiro mandamento acompanhado de uma promessa de Deus” ( Ef 6,2).
Os livros dos Provérbios e do Eclesiástico estão cheios de versículos que trazem a marca da presença dos pais. Eis um deles: “A bênção paterna fortalece a casa de seus filhos, a maldição de uma mãe a arrasa até os alicerces” (Eclo 3,11). Esse versículo mostra que a bênção dos pais (e também a maldição!) não é simplesmente uma tradição do passado ou mera formalidade social. Muito mais do que isso, a Escritura nos assegura que a bênção dos pais é algo eficaz e real, isto é, um meio que Deus escolheu para agraciar os filhos. Deus quis outorgar aos pais o direito e o poder de fazer a Sua bênção chegar aos filhos. É a forma que Deus usou para deixar clara a importância dos pais. Analisemos estas passagens marcantes:
“Ouvi, meus filhos, os conselhos de vosso pai, segui-os de tal modo que sejais salvos. Pois Deus quis honrar os pais pelos filhos, e cuidadosamente fortaleceu a autoridade da mãe sobre eles.Quem honra sua mãe é semelhante àquele que acumula um tesouro. Quem honra seu pai achará alegria em seus filhos, será ouvido no dia da oração. Honra teu pai por teus atos, tuas palavras, tua paciência, a fim de que ele te dê sua bênção, e que esta permaneça em ti até o teu último dia. Pois um homem adquire glória com a honra de seu pai, e um pai sem honra é a vergonha do filho. Como é infame aquele que abandona seu pai, como é amaldiçoado por Deus aquele que irrita sua mãe!” (Eclo 3, 2-3.5-6.9-10.13.18).
Todos esses versículos do capítulo 3 do Eclesiástico mostram claramente a grande importância que Deus dá aos pais na vida dos filhos e, de modo especial, à bênção paterna e materna. Infelizmente, muitos pais parece que já não sentem a prerrogativa que Deus lhes deu para educar formar e abençoar os filhos. Muito já não acreditam no poder da bênção paterna e nem mesmo ensinam os filhos a pedi-la.
Os pais têm uma missão sagrada na terra, pois deles dependem a geração e a educação dos filhos de Deus. Eles são os primeiros mensageiros de Deus na vida dos filhos, sobre os quais têm o poder de atrair as dádivas de Deus. Não importa qual seja a idade do filho, ele sempre deve pedir a bênção de seus pais. E também não importa se o velho pai é um doutor ou um analfabeto, o filho não deve perder a oportunidade de ser abençoado por ele, se possível todos os dias, mesmo já adulto.
Se você ainda tem seus pais (ou apenas um deles) não perca a oportunidade que Deus lhe dá de beijar-lhes as mãos e pedir-lhes a bênção, para que Deus abençoe você, guiando seus passos e protegendo sua vida. Importa jamais nos esquecermos de que enquanto “a bênção paterna fortalece a casa de seus filhos, a maldição de uma mãe a arrasa até os alicerces” (Eclo 3,11).

Prof. Felipe Aquino – www.cleofas.com.br Do livro – Em Busca da Perfeição

EU AINDA COSTUMO PEDIR A BENÇÃO AOS MEUS PAIS, E PASSEI ESSA HERANÇA AO MEU FILHO, COM MUITO ORGULHO.
E NA BUSCA PELA NET ENCONTREI NO BLOG DA CLÁUDIA , CATEQUESE NA NET ESTA ATIVIDADE PARA AS NOSSAS CRIANÇAS , SENTIREM A PRECIOSA  BENÇÃO DE SEUS PAIS.



terça-feira, 28 de agosto de 2012

Conheça o calendário para o Ano da Fé



Divulgação/ Santa SéO Ano da Fé foi instituído pelo Papa Bento XVI e será realizado de 11 de outubro de 2012 a 24 de novembro de 2013
Falta pouco mais de 70 dias para o início do Ano da Fé, que será aberto com uma solene celebração presidida pelo Papa na manhã de quinta-feira, 11 de outubro, na Praça São Pedro. 

O calendário do Ano, que se concluirá em 24 de novembro de 2013, informa alguns eventos que vão ter a presença de Bento XVI, junto a uma série de encontros, conferências e iniciativas que aprofundarão os diversos temas religiosos e culturais relacionados com a celebração. 

2012

6 de outubro, Assis

Na cidade de São Francisco, o Pátio dos Gentios está organizando um encontro para o diálogo entre crentes e não crentes sobre o tema da fé.

7 a 28 de outubro, Cidade do Vaticano

13º Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos sobre o tema: Nova evangelização para a transmissão da fé cristã

11 de outubro, Cidade do Vaticano

Na Praça São Pedro, às 10h, Bento XVI preside a abertura solene do Ano da Fé com os padres sinodais e os presidentes das Conferências Episcopais.

A Ação Católica Italiana organiza, das 18h30 às 21h30, uma procissão de velas de Castelo de Santo Angelo à Praça São Pedro em memória do 50º aniversário de abertura do Concílio Vaticano II.

12 de outubro, Roma

Sobre o tema “A fé de Dante”, noite cultural e artística na Igreja de Jesus, em Roma, às 21h, organizada pelo Pontifício Conselho para a Cultura. Será proposto o canto XXIV do Paraíso, que contém a profissão de fé do poeta. 

20 de outubro, Roma

Peregrinação ao monte Gianicolo e vigília missionária, organizada pela Congregação para a Evangelização dos Povos.

21 de outubro, Cidade do Vaticano

Bento XVI preside a canonização dos seis mártires e confessores da fé: Jacques Barthieu, sacerdote jesuíta, mártir missionário em Madagascar (1896); Pietro Calungsod, leigo catequista, mártir nas Filipinas (1672); Giovani Battista Piamarta, sacerdote  testemunha da fé na colônia de leprosos de Molokai (1918); Maria del Monte Carmelo, religiosa na Espanha (1911); Caterina Tekakwitha, leiga indiana convertida à fé católica (1680); Anna Schäffer, leiga Baviera, testemunha do amor de Cristo  a partir do leito de sofrimento (1925).

26 a 30 de outubro, Roma

Congresso da União Mundial dos professores católicos sobre o papel do professor e da família na formação integral dos estudantes, com a participação da Congregação para a Educação Católica, e celebração pelo Ano da Fé.

15 a 17 de novembro, Cidade do Vaticano

27ª Conferência Internacional do Pontifício Conselho para Pastoral da Saúde sobre o tema: “Hospital, lugar de evangelização: missão humana e espiritualidade”

1° de dezembro

Celebração com o Santo Padre das Vésperas do primeiro Advento para as universidades pontifícias em Roma, os seminários eclesiásticos e faculdades e universidades, organizado pela Congregação para a Educação Católica.

20 de dezembro, Roma

Inauguração da mostra sobre o Ano da Fé em Castelo de Santo Angelo. A exposição será até 1º de maio de 2013. 

28 de dezembro, Roma

Abertura do encontro europeu de jovens, organizado pela comunidade de Taizé em colaboração com o Vicariato de Roma. O encontro será concluído em 2 de janeiro de 2013. 

2013 

25 de janeiro, Roma

Celebração ecumênica com a presença de Bento XVI na Basílica de São Paulo fora dos Muros.

A galeria de arte da basílica também será visitada, até 24 de novembro de 2013, a partir da exposição Sanctus Paolus extra moenia et Concilium Oecumenicum Vaticanum II.

2 de fevereiro, Cidade do Vaticano

Celebração presidida por Bento XVI na Basílica de São Pedro em ocasião da Jornada Mundial dos Religiosos e Religiosas 

25 a 26 de fevereiro,  Roma

Congresso internacional sobre o tema “Santos Cirilo e Metódio entre os povos eslavos: 1150 anos do início da Missão”. Os trabalhos terão lugar no dia 25 no Pontifício Instituto Oriental e no dia 26 na Pontifícia Universidade Gregoriana.

24 de março

Bento XVI celebra o Domingo de Ramos, dia tradicionalmente dedicado aos jovens em preparação à Jornada Mundial da Juventude

4 a 6 de abril, Roma

Reunião internacional da Associação Católica Internacional de Ciências da Educação, com a participação da Congregação para a Educação Católica, e celebração pelo Ano da Fé. 

13 de abril, Cidade do Vaticano

Concerto “Oh Meu Filho”, na sala Paolo VI.

15 a 17 de abril

Jornada dos seminários em ocasião do 450º aniversário de sua instituição.

Jornada de estudo, organizada pela Congregação para a Educação Católica, sobre a relevância dos documentos do Concílio Vaticano II e do Catecismo da Igreja Católica na formação dos candidatos ao sacerdócio e no âmbito da revisão em curso da relação fundamentalis institutionis sacerdotalis.

28 de abril, Cidade do Vaticano

Dia dedicado a todos os rapazes e moças que receberam o sacramento da Confirmação. O Santo Padre vai conferir a Crisma a um pequeno grupo de jovens. 

5 de maio, Cidade do Vaticano

Celebração com o Papa em ocasião do dia das irmandades e da piedade popular.

18 de maio, Cidade do Vaticano

Vigília de Pentecostes celebrada por Bento XVI e dedicada a todos os movimentos, com a peregrinação ao túmulo de São Pedro e invocação ao Espírito Santo.

2 de junho

Solene adoração eucarística presidida pelo Papa. A adoração será realizada simultaneamente em todo o mundo em ocasião da festa de Corpus Christi. 

16 de junho 

Dia da Evangelium vitae com a presença do Papa. O dia será dedicado ao testemunho do Evangelho da vida, em defesa da dignidade da pessoa humana desde o primeiro instante até seu último momento natural. 

22 de junho, Cidade do Vaticano

Grande concerto pelo Ano da Fé na Praça São Pedro.

7 de julho, Cidade do Vaticano

Com a presença do Papa, conclusão na Praça São Pedro da peregrinação dos seminaristas, noviças e noviços.

23 a 28 de julho, Rio de Janeiro

Jornada Mundial da Juventude com Bento XVI.

18 a 19 de setembro

Seminário de estudo, organizado pela Congregação para a Educação Católica, das universidades católicas sobre o valor do Catecismo da Igreja Católica no ensino da teologia nas universidades católicas.

29 de setembro, Cidade do Vaticano

Dia dos catequistas com a presença de Bento XVI. O dia será também a ocasião para recordar o 20º aniversário da publicação do Catecismo da Igreja Católica. 

13 de outubro, Cidade do Vaticano

Celebração de um dia mariano com a presença de Bento XVI e de todas as associações marianas. 

24 de novembro, Cidade do Vaticano

O Papa preside a celebração conclusiva do Ano da Fé. 

(FONTE)

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

VOCAÇÃO HUMANA X VOCAÇÃO DIVINA


É bom deixar bem claro, há a vocação humana e a vocação divina. A vocação humana é aquela em que a pessoa se sente feliz e realizada: em ser médico, advogado, professor, lavrador, mecânico... etc. Trabalha naquilo, por que gosta. Se a pessoa precisa trabalhar naquilo, mas não gosta, dizemos que ela não tem aquela vocação.

Mas mesmo assim, esta vocação é diferente da vocação divina, onde a pessoa, ao escolher ser padre, religioso, ou religiosa, escolhe aquilo porque gosta e se sente feliz. Então, qual é a diferença? A diferença é que na vocação humana, você faz aquilo e espera o salário, a recompensa merecedora por aquilo em que você se esforçou. Na vocação divina, você faz puramente por amor. Faz por um amor desinteressado, que sai de dentro do coração, da alma, e produz uma paz verdadeira, porque provêm do cumprimento da vontade de Deus. Podemos, então dizer que este é um amor-doação.

"Assim também vós, quando fizerdes tudo o que vos for mandado, dizei: Somos servos inúteis; fizemos somente o que devíamos fazer." (Lc 17, 10)

No Reino de Deus não se trabalha para alcançar prêmios na terra, mas no Céu. Santa Teresinha do Menino Jesus dizia: "A nós o trabalho, a Jesus o sucesso!"

Esse é o motivo pelo qual vocação divina não é profissão, onde, se você não gosta, reclama, não trabalha direito, ou até mesmo, se possível deixa o emprego.

Mas, na vocação divina se uma pessoa já assumiu perante Deus, aquele compromisso, ela deve ir até o fim, sem desanimar com o peso da Cruz, nem em querer ser elogiado pelo que fez. E isto não vale somente para a vida religiosa consagrada, mas também para o casamento.

É muito freqüente ouvir-se em Curso de noivos, que não se deve pensar em casar só para ser feliz, mas para fazer o outro feliz. Se você casou para ser feliz, você não compreendeu o sentido do casamento, você deve querer fazer a felicidade daquela pessoa que você ama, e assim você será feliz! Já pensou se todos os casados tivessem este pensamento, como não seriam diferentes os casamentos?

Depois das curas e milagres, Jesus não esperava os aplausos, Ele cumpria a Vontade do Pai saindo despercebido antes de ser aclamado:
"O que havia sido curado, porém, não sabia quem era, porque Jesus havia se retirado da multidão que estava naquele lugar."(Jo 5, 13)

"À vista desse milagre de Jesus, aquela gente dizia: 'Este é verdadeiramente o profeta que há de vir ao mundo. Jesus percebendo que queriam arrebatá-Lo e fazê-Lo rei, tornou a retirar-Se sozinho para o monte." (Jo 6, 14 - 15)

"Espalhava-se mais e mais a Sua fama e corriam grandes multidões para o ouvir e ser curadas das suas enfermidades, mas Ele costumava retirar-Se a lugares solitários para orar." (Lc 5, 15- 16)

A vocação divina é diferente da vocação humana, pois não se trata de uma profissão, mas de um estado de vida. Deve ser uma doação, livre, consciente, madura, por amor a Deus e ao próximo.

Se para toda decisão de nossa vida, devemos ser sensatos, quanto mais uma decisão que levará a um estado de vida definitivo.

Fonte: Catequisar

domingo, 26 de agosto de 2012

Mensagem ao Catequista




CATEQUISTA! você é você. Você é missão, responsabilidade,humanismo,solidariedade. Você é um caminhar constante,
irá sempre ao encontro.
O CATEQUISTA não espera, ele vai! Vai sem saber o que encontrar. Isto
não importa.O importante é você ser dotado de
paciência, de coragem e, sobretudo com a vontade de compreender.

O CATEQUISTA vai! Por que vai? Porque sempre tem e terá alguém esperando.

CATEQUIZAR é aproximar, ouvir e estar junto, participar é sofrer e
alegrar com alguém ou para alguém. Este alguém pode ser, a criança, o adulto, o
velho, o enfermo, o menor carente ou uma pessoa que necessita de nossa atenção.

CATEQUISTA é aquele que vê no próximo um ser com possibilidades de ser
transformado. Não é fazê-lo á nossa semelhança, mas sim avaliar suas potencialidades e deduzir até onde aproveita-las.

Ser CATEQUISTA é sentir-se responsável por uma igreja sinal de Deus Amor,
Pai e Mãe, esperança dos aflitos e sofredores.

Ser CATEQUISTA não significa você ser o sábio, mas requer coração
forte, vontade firme.

O CATEQUISTA não desiste! A derrota de hoje, pode estar na vitória do amanhã.
Acreditamos que na função missionária de catequizar, é ter também a
capacidade mental de experimentar, muitas vezes a derrota. Pelo fato, segundo nossa avaliação a sensação de nada ter conseguido! Então a resposta para si mesmo é: MISSAO CUMPRIDA.
Repetir com convicção : Vou continuar! É preciso fundamentar essa vocação
com a leitura da Palavra de Deus, aprendendo dos simples, ter olhos abertos, atentos á realidade; ter coração humano, fraterno, é ser continuador de Cristo entre os humilhados.
Vamos ser catequistas renovados, inculturados, sem medo, profetas.
Criem pistas de saída; procurem fontes abastecedoras; planejem caminhadas,
participem da comunidade. Valorizem-se!
Estimulem-se! Unam-se catequistas de nossa cidade.
Chegou a hora da catequese viva, eficaz, transformadora.

CATEQUISTA valorize a sua hora, é a hora dos profetas. não se cale.
não
deixe a palavra de Deus morrer afogada
no poço do medo. Seja profeta, porta-voz de Deus- Amor.

A igreja está com você!

Parabéns pelo seu dia!

CANÇÃO DO CATEQUISTA


DEPOIS DE NÓS AS FLORES,
DEPOIS DE NÓS OS FRUTOS:
NOSSO TRABALHO É SEMEAR, É SEMEAR!
DEPOIS DE NÓS A HISTÓRIA,
DEPOIS DE NÓS A GLÓRIA:
NOSSO TRABALHO É SEMEAR, É SEMEAR!

TANTA TERRA Á BEIRA DO CAMINHO,
ESPERANDO DAS MÃOS DO SEMEADOR,
A SEMENTE DA FÉ, DA ESPERANÇA.
A PALAVRA QUE OUVIMOS DO SENHOR!


DEPOIS DE NÓS AS FLORES,
DEPOIS DE NÓS OS FRUTOS:
NOSSO TRABALHO É SEMEAR, É SEMEAR!
DEPOIS DE NÓS A HISTÓRIA,
DEPOIS DE NÓS A GLÓRIA:
NOSSO TRABALHO É SEMEAR, É SEMEAR!



TENHO A GRAÇA DE PERTENCER A IGREJA,
QUE É CATÓLICA, POIS É UNIVERSAL,
CATEQUESE É CHAMADO VOCAÇÃO!
É USAR NOSSA LUZ E NOSSO SAL.


DEPOIS DE NÓS AS FLORES,
DEPOIS DE NÓS OS FRUTOS:
NOSSO TRABALHO É SEMEAR, É SEMEAR!
DEPOIS DE NÓS A HISTÓRIA,
DEPOIS DE NÓS A GLÓRIA:
NOSSO TRABALHO É SEMEAR, É SEMEAR!

sábado, 25 de agosto de 2012

SALMO DO CATEQUISTA



Senhor, eis-me aqui diante de Ti para te servir.
Tu me chamaste e, apesar da minha relutância em atender, inflamaste meu coração com o fogo do teu Amor. Tu me ungiste como aos profetas e imprimiste em mim o selo que identifica aqueles a quem escolheste.
Sei que não sou pessoa melhor do que outras, mas confio em Ti e me entrego para que faças em mim a obra de tuas mãos. Para que dessa forma eu possa dar testemunho de Ti e da tua presença entre nós.
Senhor, põe em meu coração a compaixão e a misericórdia, para que me aproxime dos meus irmãos com a alma aberta e livre de preconceitos de toda espécie.
Põe na minha mente sabedoria e entendimento para que eu possa perceber tua presença mesmo nos lugares e nos fatos mais improváveis.
Põe na minha boca palavras de paz e de esperança para que eu possa anunciar tua Boa Nova tocando o coração daqueles que me confiares.
Sou pessoa pequenina, Senhor, diante da grandeza do teu chamado.
Grande é o caminho da Catequese, dá-me forças para não desanimar na caminhada.
Grande é o desafio de educar meus irmãos e irmãs na fé, dá-me a coragem para superar todos os obstáculos.
Grande é a missão que a Igreja me confia, dá-me o discernimento necessário para que eu saiba que és Tu que realizas todas as obras e que sou apenas um instrumento em tuas mãos.
Abençoa-me, Senhor; abençoa meu ministério; e abençoa todos aqueles que me forem confiados, para que brote no meio de nós as sementes do teu Reino e floresça a justiça e a paz. Amém.


Parabéns a todos nós Catequistas!

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

OVELHA SEM PASTOR


Em nossas vidas somos conduzidos e ajudamos a conduzir.

Esta dinâmica visa ajudar a tomar consciência destas nossa vocação.

Vivemos nesta tensão que é salutar: evangelizamos e somos evangelizados.

Não existe atitude neutra: ou interferimos positiva ou negativamente.

Primeiro passo: Clarear os passos

1-     Convidar os participantes a formar duplas, ficando um ao lado do outro.

2-     A dupla define quem deles será a ovelha e quem ser’o pastor:

-         A ovelha fecha livremente os seus olhos e é conduzida pelo pastor.

-         O pastor – olhos abertos – toma a ovelha pelas mãos, ombro… e a conduz

-         Enquanto isso, estar atento aos sentimentos que xperimenta:

-         Como ovelha: enquanto é conduzida – o que sente? (medo, confiança…).

-         Como pastor: enquanto conduz- o que sente? (responsabilidade, medo…)

Segundo passo: Caminhando

3-     As duplas (pastor e ovelha) vão caminhando por diversos caminhos. Deixar um tempo.

4-     Depois, o assessor convida a mudar:

-         quem era a ovelha se torna agora pastor;

-         quem era pastor se torna agora ovelha.

5-     E a dinâmica continua. Deixar um tempo.

Terceiro passo: Partilha

6-     Dar um sinal de parada e as duplas voltam à sala, partilhando a experiência feita.

7-     Favorecer um pequeno plenário:

-         como foi a experiência? O que sentiram como ovelha e como pastor?

-         Na vida diária, quem nos conduz? Onde devemos nos deixar conduzir mais?

-         O que esta dinâmica tem haver com as nossa vida, em nossa missão?

-         Onde esta realidade aparece na Palavra de Deus (Bíblia)?

“Não podemos ser amigos de todos, mas podemos tratar a todos fraternalmente. E esta fraternidade fará surgir novas amizades. Sem fraternidade não há amizades autênticas.”

Fonte:Dinâmicas Catequisar

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

O Espelho de Gandhi



Perguntaram a Mahatma Gandhi quais são os fatores que destroem os seres humanos.

Ele respondeu:

“A Política, sem princípios;
o Prazer, sem compromisso;
a Riqueza, sem trabalho;
a Sabedoria, sem caráter;
os negócios, sem moral;
a Ciência, sem humanidade;
a Oração, sem caridade.”

E continuou:

“A vida me ensinou que as pessoas são amigáveis, se eu sou amável;
que as pessoas são tristes, se estou triste;
que todos me querem, se eu os quero;
que todos são ruins, se eu os odeio;
que há rostos sorridentes, se eu lhes sorrio;
que há faces amargas, se eu sou amargo;
que o mundo está feliz, se eu estou feliz;
que as pessoas ficam com raiva quando eu estou com raiva;
que as pessoas são gratas, se eu sou grato.
A vida é como um espelho: se você sorri para o espelho, ele sorri de volta.
A atitude que eu tome perante a vida é a mesma que a vida vai tomar perante mim.”

http://mensagensdiarias.com.br/o-espelho-de-gandhi/

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

NOSSA SENHORA RAINHA



Instituída pelo Papa Pio XII, celebramos hoje a Memória de Nossa Senhora Rainha, que visa louvar o Filho, pois já dizia o Cardeal Suenens: "Toda devoção a Maria termina em Jesus, tal como o rio que se lança ao mar".

Paralela ao reconhecimento do Cristo Rei encontramos a realeza da Virgem a qual foi Assunta ao Céu. Mãe da Cabeça, dos membros do Corpo místico e Mãe da Igreja; Nossa Senhora é aquela que do Céu reina sobre as almas cristãs, a fim de que haja a salvação: "É impossível que se perca quem se dirige com confiança a Maria e a quem Ela acolher" (Santo Anselmo). 

Nossa Senhora Rainha, desde a Encarnação do Filho de Deus, buscou participar dos Mistérios de sua vida como discípula, porém sem nunca renunciar sua maternidade divina, por isso o evangelista São Lucas a identifica entre os primeiros cristãos: "Maria, a mãe de Jesus" (Atos 1,14). Diante desta doce realidade de se ter uma Rainha no Céu que influencia a Terra, podemos com toda a Igreja saudá-la: "Salve Rainha" e repetir com o Papa Pio XII que instituiu e escreveu a Carta Encíclica Ad Caeli Reginam (à Rainha do Céu): "A Jesus por Maria. Não há outro caminho". 


Nossa Senhora Rainha, rogai por nós!


http://www.cancaonova.com/portal/canais/liturgia/santo/index.php?dia=22&mes=8



ORAÇÃO DAS CRIANÇAS PELAS VOCAÇÕES- IMAGEM


ORAÇÃO DAS CRIANÇAS PELAS VOCAÇÕES



Jesus, que foste pequenino como eu, 
sei que me ajudas a escutar o que 
meus pais e educadores me ensinam. 

Tu olhas com carinho as crianças do mundo inteiro 
e desperta em nós o desejo de sermos 
bons ajudantes do teu projeto de vida. 

Tenho confiança
e sei que proteges minha família, 
meus coleguinhas e amigos. 

Maria, tua mãe e minha também,
 acompanha meus passos.

 Jesus, quero colaborar contigo, 
para que haja muitas vocações, 
capazes de fazer de nós teus 
verdadeiros amigos.

Amém.



terça-feira, 21 de agosto de 2012

Pai Nosso do Catequista




PAI - NOSSO QUE ESTAIS NO CEU,
Pai de todos nós, vossos seguidores
Pai presente na missão de todos os catequistas
Pai que estais presente nos catequizandos que formamos
Pai, primeiro catequista da humanidade e mestre de sabedoria.

SANTIFICADO SEJA O VOSSO NOME;
Santificado seja o vosso nome nas palavras que pronunciamos
Santificado seja o vosso nome no tempo que dedicamos aos catequizandos
Santificado seja o vosso nome pelo catequista que somos.

VENHA A NÓS O VOSSO REINO,
Reino de paz e humanidade
Reino de fé e Constância
Reino de força e coragem
Reino de serviço e doação

SEJA FEITA A VOSSA VONTADE, ASSIM NA TERRA COMO NO CEU;
Seja feita a vossa vontade nas palavras que dizemos
Seja feita a vossa vontade em tudo que testemunhamos
Seja feita a vossa vontade no testemunho que damos
Seja feita a vossa vontade no coração de todos.

O PÃO NOSSO DE CADA DIA NOS DAI HOJE;
Dai-nos o pão da esperança e segurança
Dai-nos o pão da vossa Palavra, o Evangelho.
Dai-nos o pão para comer, pão que sacia a fome.
Dai-nos o pão da fé e do vosso Amor, a Eucaristia.

PERDOAI-NOS AS NOSSAS OFENSAS , ASSIM COMO NÓS 
PERDOAMOS A QUEM NOS TEM OFENDIDO;
Perdoai nossa fraqueza na fé
Perdoai nosso desanimo e descompromisso cristão
Perdoai nossa não correspondência ao vosso amor
Perdoem todos os que praticam o mal

E NAO NOS DEIXEI CAIR EM TENTACAO, MAS LIVRAI-NOS DO MAL
Livrai-nos da tentação, da ambição e do orgulho
Livrai-nos da tentação de não falar em nome da vossa igreja
Livrai-nos da tentação do comodismo
Livrai-nos da tentação de não professar, com atos, a fé que assumimos.

AMÉM !

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

CIBERCATEQUESE- UM SITE PARA TODOS NÓS CATEQUISTAS




Paulinas dedica a você, catequista este espaço on-line, para que a formação catequética esteja mais à sua mão e chegue mais facilmente à sua casa, facilitando o estudo e a interação com outros catequistas. Viver e anunciar o Evangelho é a alegria mais plena do coração humano.


E aqui você encontra um lugar para aprofundar sua vocação, adquirir conhecimentos sobre a fé e também, para se orientar sobre como atuar diretamente com os catequizandos.

LEIAS MAIS AQUI...

Os seis sentidos do catequista



Todos nós aprendemos na escola quando ainda éramos pequenos que o ser humano tem cinco sentidos: visão, audição, olfato, paladar e tato. Todos nós aprendemos um pouco mais grandinhos, pela cultura popular que existem pessoas que tem o sexto sentido, principalmente as mulheres. 

Pois bem, hoje vou apresentar os seis sentidos dos catequistas, o que não muda muito do que já conhecemos, mas digamos que será um novo olhar sobre aquilo que é importante para nós.

Visão: Comecemos com a visão, enxergar é um dom de Deus, conseguir ver o sorriso das pessoas que amamos, as cores das coisas que nos cercam, a felicidade do mundo é de grande valor pra quem enxerga e mais ainda para quem não enxerga.

A grande essência da visão que eu proponho está exatamente naquilo que quase ninguém consegue ver. Enxergar com os olhos de Deus é o grande segredo para nós catequistas, conseguir ver o seu catequizando com olhos divinos lhe dará a chance de ver o que ele esconde, de ver o que ele quer te dizer, mas não consegue. Muitas vezes encontrei vários catequizandos que tinham medo, vergonha, dúvida e que somente com um olhar específico neles, consegui enxergar essas coisas. Cabe ao catequista ter esse olho divino pra enxergar o escondido, o oculto, assim como Jesus.

Audição: Ouvir é sempre importante, diz o ditado popular que devemos falar menos e ouvir mais, por isso Deus nos deu dois ouvidos e uma boca. 

A verdade é que aprendemos muito mais ouvindo do que falando, ouvir é uma atitude humilde, inteligente e prudente. Muitas vezes poderíamos economizar uma discussão se ouvíssemos mais. Muitas vezes é muito mais valioso você parar para ouvir o seu catequizando do que ficar falando o que pra ele, muitas vezes, não serve. Ouvir também é catequizar, ouvir é estar a serviço daquele que precisa de alguém para desabafar, colocar pra fora aquilo que o aflige, que atormenta e que corrompe. Quantas vezes nós não queríamos somente uma pessoa para ouvir os nossos problemas?

Olfato: O cheiro é sempre indício de algo que aconteceu ou que está acontecendo. Quando você sente o cheiro de fumaça é porque há fogo, quando você sente cheiro de cigarro é porque alguém está fumando, quando você sente o cheiro da comida é porque é hora de comer. Dessa forma nós vamos identificando com o nosso olfato aquilo que é bom, aquilo que é ruim, enfim, o olfato sempre nos dá a percepção da realidade. 

Diz um provérbio chinês que fica sempre um pouco de perfume nas mãos de quem colhe flores! Pois bem, o perfume do evangelho deve exalar dos nossos poros, da nossa vida, das nossas experiências, da nossa boca, do suor do dia-dia que a cruz nos faz transpirar. As pessoas devem saber, pelo nosso cheiro, que somos jardineiros do céu!

Paladar: Ah, o paladar! Como é bom sentir o gosto das coisas, como é bom sentir o doce do chocolate, como é ruim o azedo do limão, enfim, como é bom sentir o gosto... Como é bom saber o gosto das pessoas, saber se elas são amargas, azedas, doces, ácidas ou sem gosto algum.

Qual o seu gosto? Você é aquele catequista sem graça, sem gosto, inçoso, sem importância, ou eu sou aquele catequista salgado demais, insuportável, que deixa a gente fazendo cara feia? Qual o gosto dos seus catequizandos, que gosto os agrada, que gosto ele querem provar? Você já conseguiu experimentar com seus catequizandos o gosto do Reino de Deus, o gosto do céu? 

Tato: O Tato está ligado ao maior órgão do corpo, a pele! E nunca conseguimos nos imaginar vivendo sem o tato. Talvez você conheça alguém que não enxergue, que não ouça, que não sinta cheiro, mas que não tenha tato é muito raro. 

Imagine você, não poder sentir o toque do beijo da sua amada, ou do seu amado. O carinho daquele que te ama, um abraço amigo, o arrepio do medo, a refrescância da água do chuveiro nos dias quentes, o calor do cobertor nos dias frios, tudo isso é muito gostoso e traz à tona a nossa sensibilidade.

E sensibilidade é algo que o catequista precisa ter. Muito além de formação, oração, perseverança, o catequista precisa ser sensível. Pois é a sensibilidade que faz com que você sinta no seu catequizando, a graça de Deus, o processo da conversão, a eficácia da oração, o medo de fazer uma pergunta, a dúvida de uma questão mal entendida, etc. O catequista precisa, pela sua sensibilidade, ter um olhar diferente, um toque diferente, um falar diferente, um sentir diferente. E mais, é pela sensibilidade que se entende os sacramentos, por que sacramento é sinal sensível da graça de Deus e é só por meio de uma sensibilidade, também humana, que se pode vivenciar os sacramentos.

O sexto sentido: Chegamos enfim, no último sentido dos catequistas. Esse não é um sentido humano, é espiritual. Ou melhor, é o sentido que nos leva ao espiritual. O sexto sentido é a TRANSCENDÊNCIA. É o poder de nos elevarmos, de chegarmos a Deus, é o que nos faz distinguir dos outros seres da terra. O poder de sermos divinos, como imagem e semelhança de Deus. É a capacidade que temos de nos encontrarmos com Deus e assim, VER, OUVIR, SENTIR, CHEIRAR e PROVAR DEUS. Só é permitido ter esses outros sentidos humanos já colocados aqui nessa reflexão se pudermos transcender até Deus. 
Quando o padre diz na missa: “Corações ao alto!”, nós respondemos: “O nosso coração está em Deus!”, ou seja, estamos dizendo que estamos elevando nosso coração até o céu, até o divino, onde se encontra Deus.

Transcender é preciso, o catequista que não transcende não consegue conjugar a inspiração do céu com a transpiração do dia-dia. E o grande motor, que nos faz transcender é a Fé! Dessa forma, somente pela fé é que conseguimos nos elevar, viver em graça, viver o céu aqui na terra e sermos sal, fermento e luz para os nossos catequizandos.


Por: FERNANDO LOPES

(FONTE)



sábado, 18 de agosto de 2012

PAI NOSSO DA FAMÍLIA



Pai nosso, que estais no céu
Pai nosso, que estais em nosso meio
Pai nosso, que une a nossa família
Pai nosso, que sois o exemplo da Trindade
Pai nosso, que nos abençoais sempre

Santificado seja o Vosso nome,
Santificado seja o vosso nome em nossos lábios
Santificados sejam as nossas ações
Santificados sejam as famílias do mundo inteiro
Santificado seja a nossa unidade

Venha a nós o Vosso reino,
Reino de paz e perdão
Reino de amor e gratidão
Reino de fé e fidelidade
Reino de esperança e compreensão

Seja feita a Vossa vontade, assim na terra como no céu.
Seja feita a Vossa vontade em nossas palavras
Seja feita a Vossa vontade em nossa missão
Seja feita a Vossa vontade em nossos corações
Seja feita a Vossa vontade na existência de nossa família

O pão nosso de cada dia nos dai hoje.
O pão da palavra que é o Vosso Evangelho
O pão da Eucaristia que é o Vosso Corpo
O pão material que é o Vosso amor
O pão da unidade que é o Vosso desejo

Perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoarmos a quem nos tem ofendido.
Perdoai a nossa falta de amor
Perdoai as nossas incompreensões
Perdoai as nossas inimizades
Perdoai a nossa falta de fé

E não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal,
Do mal da separação
Do mal da desunião
Do mal de não sermos capazes de amar o suficiente os nossos filhos
Do mal da morte e do pecado.

Amém.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

SELINHO-ORANDO POR VOCÊ

Para celebrar o aniversário de seu blog, a Késia do Jardim da Boa Nova está propondo uma corrente de oração. É bem simples! Basta oferecer uma oração a 5 blogs amigos, junto com este selinho. Atenção! Faça o possível para não dedicar o selinho a um blog que já recebeu, ok! O objetivo é oferecer nossas orações ao maior número de amigos possível. Então estarei rezando por estes amigos!


CATEQUESE CAMINHANDO
ELIANE CATEQUISTA 
CATEQUIZANDO COM AMOR
BLOG DA NENA 

PARABÉNS KÉSIA!


Sabes o que significa Família em inglês?



Tropecei em um estranho que passava e lhe pedi perdão. Ele respondeu: “desculpe-me por favor; não a vi.” Fomos muito educados, seguimos nosso caminho, nos despedimos.

Mais tarde, ao estar cozinhando, estava meu filho muito perto de mim. 
Ao me virar quase esbarro nele, imediatamente 
gritei com ele; 
ele se retirou sentido, 
sem que eu notasse 
quão duro que 
lhe falei.

Ao deitar-me, Deus me disse suavemente: Trataste a um estranho de forma cortês. Mas destrataste o filho que amas. 
Vá a cozinha e encontrarás umas flores 
no chão, perto da porta. São as flores que cortou e te trouxe, rosa, amarela e azul. 
Estava calado para te entregar a surpresa e não viste as lágrimas que chegaram a 
seus olhos…

Me senti miserável e comecei a chorar. Suavemente me aproximei de sua 
cama e lhe disse: 
“Desperta pequeno! Desperta! 
São estas as flores que cortaste
para mim?”
Ele sorriu e disse: As encontrei 
junto de uma árvore, e as cortei 
porque são bonitas como você, 
em especial a azul.

Filho, sinto muito pelo que disse hoje, não devia gritar com você. Ele respondeu: 
“está bem mamãe, te amo de todos os modos.”
Eu também te amo e adorei as flores, 
especialmente a azul….

Entenda que se morreres amanhã, em questão de dias a empresa onde trabalhas cobrirá seu posto. 
Mas a família que deixamos sentirá a perda pelo resto da vida. 
Pensa neles, porque geralmente nos entregamos mais ao trabalho que a nossa Família. 
Será que não é uma inversão
pouco inteligente?

Então, que há detrás desta história? 
Sabes o que significa 
Família em inglês?

F A M I L Y: 
“Father And Mother I Love You”
(Papai e Mamãe, eu os amo)

QUE DEUS BENDIGA 
A TODAS AS FAMÍLIAS!!!

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Oração pela Família



Deus, nosso Pai, Tu quiseste que o Teu Filho nascesse e crescesse no seio de uma família como as outras. Assim, ao longo de uma vida simples, Ele aprendeu pouco a pouco, de José e Maria, a tornar-se adulto e a descobrir a sua missão no mundo. / Nós vos louvamos pela nossa família e agradecemos a Vossa presença em nosso lar. / Iluminai-nos para que sejamos capazes de assumir o nosso compromisso de fé na Igreja e de participar da vida da nossa comunidade. 

Ensinai-nos a viver a Vossa Palavra e o novo mandamento do amor. / Concedei-nos a capacidade de reconhecer as nossas diferenças para nos ajudarmos mutuamente, para perdoarmos as fraquezas, compreendermos nossos erros e vivermos em harmonia. Dai-nos, Senhor, saúde, trabalho com salário justo e um lar onde possamos viver felizes. / Ensinai-nos a tratar bem os mais necessitados e pobres, e dai-nos a graça de aceitar com fé, a doença e a morte quando se aproximarem da nossa família. / Ajudai-nos a respeitar e incentivar a vocação de cada um e também daqueles que o Senhor chamar a seu serviço. / Que em nossa família reine a confiança, a fidelidade, o respeito mútuo e que o amor nos una cada vez mais. / Permanecei em nossa família, Senhor, e abençoai o nosso lar hoje e sempre. 

Amém.
Padre Reginaldo Manzotti