Seguidores

segunda-feira, 30 de abril de 2012

RECEITA DE MÃE


INGREDIENTES BÁSICOS:
-APROXIMAÇÃO SEM CERIMÔNIA
-MUITO CALOR NOS SENTIMENTOS
-CONVERSA FIADA
-ATENÇÃO, MUITA ATENÇÃO.
-ABRAÇOS APERTADOS
-BEIJOS A VONTADE.

MODO DE SER:
SONHE O SONHO SEM DUVIDAR,
DEIXE O SORRISO ACONTECER,
OLHE BEM DENTRO DOS OLHOS,
NÃO POUPE ELOGIOS, APONTE.
APONTE UM DEFEITO, COM JEITO,
CONTE UMA HISTÓRIA,
ACHE GRAÇA DA PIADA,
AJUDE RESOLVER O PROBLEMA.
DIGA COM ABUNDÂNCIA:
-DESCULPE
-MUITO OBRIGADO
-EU AMO VOCÊ!

RECOMENDAÇÃO:
O TEMPO DE PREPARO É FUNDAMENTAL: UMA VIDA!
E NÃO SE ESPANTE COM O RESULTADO: A MÃE MAIS
FELIZ COM CERTEZA SERÁ VOCÊ!

sábado, 28 de abril de 2012

MEDITANDO A AVE MARIA

- Ave Maria,
Salve! Eu e toda a corte celeste nos curvamos diante de ti e te saudamos Maria, Pérola, Princesa, Senhora!

Cheia de Graça,
Sim, eu, o Mensageiro de Deus, curvo-me diante de ti porque te reconheço escolhida, inteiramente pura, límpido reflexo da glória de Deus!

O Senhor é contigo!
Sem dúvida, vejo-o refletido em ti. Teu rosto transparece o Seu, a Sua presença transborda de todo o teu ser.

Bendita és tu entre as mulheres!
Eu, Maria, tua prima, e mulher como tu, te reconheço e proclamo bendita entre todas as mulheres de todas as gerações. Ninguém como tu foi escolhida para ser Mãe de Deus! Ninguém é nem será tão plenamente feliz e agraciada como és!

Bendito é o Fruto do teu ventre, Jesus!
Jesus, o Filho do Deus Vivo é Também fruto do teu ventre. Tens na gestação de sua vida papel único e insubstituível. Ele é também fruto teu no ventre e na formação, na carne e no sangue, na docilidade irrestrita a Deus que Ele mesmo gerou em ti.

Santa Maria,
Sim, eu, Igreja reconheço tua santidade incomparável e em tudo superior ao mais santo dos filhos de Deus, por tua eleição e pelo teu sim.

Mãe de Deus,
Maria, Mãe do meu Senhor, Mãe do Deus feito carne, Mãe do Deus que adoro e sirvo, Mãe de
Deus e mãe minha.

Rogai por nós, pecadores,
Tu, intercessora a serviço da Igreja, pede a Deus por nós os pecadores que a formamos. Sustenta-nos nas provas, ensina-nos teu exemplo, coloca-te entre a nossa miséria e a Onipotência Perfeitíssima, sê em nosso favor, Virgem Soberana! Ouve o nosso clamor!

Agora
Ora por nós neste tempo que se chama hoje. Lembra-te de nós e não nos desampare enquanto seguimos, peregrinos, as pegadas do Caminho.

E na hora de nossa morte.
Na hora da derradeira e definitiva passagem, traz o teu Jesus para ser páscoa conosco, dá-nos o arrependimento perfeito. Como boa Mãe, livra-nos de estar longe do Pai para sempre. Acolhe-nos nos teus braços como acolheste, nesta hora, o teu José em sua hora.

Amém
Sim! Assim seja! Como Jesus, como tu. Seja feita a vontade de Deus. A ela dizemos amém, como Igreja, como servos do Senhor. Faça-se também em nós,também em nós seja cumprido o amém eterno de Jesus ao Pai
Também por nosso vida se cumpra este amém até que nada mais importe senão o cristo Crucificado, até que em nós se cumpra em favor do Seu Corpo o que nos cabe cumprir. Cumpra-se em nós, Igreja, o amém eterno que repetiste.
Repitam nossas almas este “sim” que jamais passará até que no céu, contigo, possamos arder em caridade e servir aos homens que tanto amas colocando-os contigo, diante de Deus.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

ATIVIDADES O BOM PASTOR PARA OS NOSSOS PEQUENOS







A gravidez da amizade


Toda amizade é uma história particular. É uma história de conquista.

Primeiro, descobre-se o outro. Todo mundo parece igual, mas não é. E é justamente essa coisinha diferente em cada um que torna cada pessoa única. E de repente ali está a sementinha da amizade fecundada. A gestação começa.

São pedacinhos de nós que vão ficando nas conversas e pedacinhos do coração do outro que vão caminhando pra dentro da gente. Há os risos e os sorrisos, a partilha de coisas simples ou de coisas importantes. As descobertas, cheias de surpresas muitas vezes. A voz calada que pensa, não diz nada... adivinha!...

Fazemos idéia imediata de uma pessoa ao primeiro contato. Julgamos? Talvez. E só os próximos dias, horas ou instantes vão nos dizer se julgamos certo. Acontece de nos termos enganado em certos pontos e quantas vezes não bendizemos isso! Claro que ninguém gosta de estar enganado. Mas quando descobrimos um palhacinho por detrás de uma pessoa séria e reservada é maravilhoso saber que pudemos nos enganar. Se todos os enganos fossem assim abençoados!...

A sensibilidade do outro nos toca. Dá até vontade de chorar. Não sabemos direito o porquê de nos sentirmos próximos de alguém assim tão longe, tão diferente e tão igual. Mas amizade, como o amor, não se questiona. Vive-se. Dela e pra ela.

É preciso dar tempo ao tempo para se saber cativar e ser cativado. Quando saímos às pressas sempre temos o risco de deixar alguma coisa esquecida. Mas se tomamos o tempo de olhar bem, refletir, conversar, conversar e conversar... e rir e brincar e ficar em silêncio!... Se deixamos que essa flor nasça cuidadosa e docemente... aos poucos ela vai vendo a luz do dia. Maravilhando-se. Contemplando o outro com novos olhos, ou nova maneira de olhar. Tudo vira encanto!

Que o outro ria de mim ou pra mim, mas que ria! Gargalhe, faça festa!... Que eu seja nem que seja por um pouco responsável por esse rosto iluminado, por essa vontade de viver e de ver o que virá depois.

Bendita seja essa gestação amiga! Sem prazo, sem tempo, sem hora marcada! Bendita seja essa amizade, prova de que Deus se faz conhecer através das pessoas que alcançam nosso coração.


 © Letícia Thompson

quinta-feira, 26 de abril de 2012

O BOM PASTOR

Senhor,

Tu és o Bom Pastor.

Eu sou a Tua ovelha.

Em alguns dias, estou sujo;

Em outros estou doente.

Em alguns dias, me escondo;

Em outros, me revelo.

Sou uma ovelha ora mansa, ora agitada.

Sou uma ovelha ora perdida, ora

reconhecida.

Eu sou Tua ovelha, Senhor.

Eu conheço a Tua voz.

É que às vezes a surdez toma conta de mim.

Eu sou Tua ovelha, Senhor.

Não permita que eu me perca,

que eu me desvie do Teu rebanho.

Mas se eu me perder, eu Te peço, Senhor,

Vem me encontrar.

Amém.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

TROCAS MALFEITAS

Há pessoas que não sabem o que é o sorriso.

E por isso o trocam por uma lágrima.

Não sabem o que é um canto.

E o trocam por um grito de agonia.

Não sabem o que é uma amizade.

E a trocam pela antipatia.

Não sabem o que é o amor.

E o trocam por um grande ódio.

Não sabem o que é a paz.

E a trocam pela intriga.

Não sabem o que é a verdade.

E a trocam por um mundo corrido de mentiras.

Não sabem o que é uma flor, uma árvore, uma paisagem.


E trocam-nas por uma poluição desenfreada.

Não sabem o que é o dialogo.

E se trancam dentro de si mesmas.

Não sabem o que é união.

E vivem isoladas.

Não sabem quem é Deus.

E o trocam por supertições vazias.

Não sabem o que é vida.

E vivem trocando-a pela morte.

Todas estas trocas são feitas porque o mais cômodo tem caminhos mais fáceis.

Mas a verdade é uma só: lutar, servir, perseverar.

As trocas pelo mais cômodo, pelo mais fácil, não levam a lugar nenhum.

Pelo contrário: atrapalham, esvaziam, machucam, destroem.

(Desconheço o Autor)

terça-feira, 24 de abril de 2012

SE EU NÃO PUDER SER...


SENHOR...
     
Se eu não puder ser o que eu desejo,
Que eu seja o que desejas de mim.

Se eu não puder ser a árvore que dá frutos,
Que eu seja o arbusto que dá sombra.

Se eu não puder ser o rio que inunda a terra,
Que eu seja a fonte que dá de beber.

Se eu não puder ser uma estrela no céu,
Que eu seja uma luz que anima as esperanças.

Se eu não puder ser o teto que abriga a todos,
Que eu seja a porta que se abre a quem bate.

Se eu não puder ser o mar que liga os continentes,
Que eu seja o porto que recebe a nave.

Se eu não puder ser o bosque que floresce,
Que eu seja o pássaro que nele canta.

Se eu não puder ser a roseira carregada,
Que eu seja o perfume de uma flor.

Se eu não puder ser a melodia que enleva,
Que eu seja a inspiração de cada verso.

Se eu não puder ser o vento que arrebata,
Que eu seja ao brisa que acaricia.

Se eu não puder ser o livro que ensina,
Que eu seja a palavra que comove.

Se eu não puder ser a messe que promete,
Que eu seja o trigo que vai ser o pão.

Se eu não puder ser o fogo que incendeia,
Que eu seja o óleo que mantém a chama.

Se eu não puder ser a estrada que conduz,
Que eu seja o sinal que marca a direção.

Se eu não puder ser o rico que tudo pode,
Que eu seja o pobre que não nega nada.

Se eu não puder ser a chuva que irriga o solo,
Que eu seja o orvalho que umedece a flor.

Se eu não puder ser o tapete no palácio dos reis,
Que eu seja o agasalho na casa dos pobres.

Se eu não puder ser o sorriso que encanta,
Que eu seja a impressão que ele deixa.

Se eu não puder ser a felicidade que todos buscam,
Que eu seja feliz em ser tudo para todos.

Se eu não puder ser toda a bondade do mundo,
Que eu seja bom como todo o mundo espera.

Se eu não puder ser a eternidade,
Que eu seja o tempo em que tu nos falas.

Se eu não puder ser o amor que tudo começa,
Que eu seja o amor que faz chegar ao fim!

(Padre Orlando Ganbi)

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Onde Você Vê...



Onde você vê um obstáculo,
alguém vê o término da viagem
E o outro vê uma chance de crescer.

Onde você vê um motivo pra se irritar,
Alguém vê a tragédia total
E o outro vê uma prova para sua paciência.

Onde você vê a morte,
Alguém vê o fim
E o outro vê o começo de uma nova etapa...

Onde você vê a fortuna,
Alguém vê a riqueza material
E o outro pode encontrar por trás de tudo, a dor e a miséria total.

Onde você vê a teimosia,
Alguém vê a ignorância,
Um outro compreende as limitações do companheiro,
percebendo que cada qual caminha em seu próprio passo.
E que é inútil querer apressar o passo do
outro, a não ser que ele deseje isso.

Cada qual vê o que quer, pode ou consegue enxergar.

"Porque eu sou do tamanho do que vejo.
E não do tamanho da minha altura."

(Fernando Pessoa)
     
   

sábado, 21 de abril de 2012

Dá-me Senhora Mãe de Deus


Um pouco da tua força...para a minha fraqueza
Um pouco da tua coragem...para o meu desalento
Um pouco da tua compreensão...para o meu problema
Um pouco da tua plenitude...para o meu vazio
Um pouco da tua rosa...para o meu espinho
Um pouco da tua certeza...para a minha dúvida
Um pouco do teu sol...para o meu inverno
Um pouco da tua disponibilidade...para o meu cansaço
Um pouco do teu rumo infinito...para o meu extravio
Um pouco da tua neve...para o meu barro
Um pouco da tua serenidade...para a minha inquietude
Um pouco da tua chama...para o meu gelo
Um pouco da tua luminosidade...para a minha noite
Um pouco da tua alegria...para a minha tristeza
Um pouco da tua sabedoria...para a minha ignorância
Um pouco do teu amor...para o meu rancor
Um pouco da tua pureza...para o meu pecado
Um pouco da tua vida...para a minha morte
Um pouco da tua transparência...para o meu escuro
Um pouco do teu filho Deus...para teu filho pecador
Com todos esses "poucos", Senhora
eu terei TUDO.

ORAÇÃO, BOM DIA QUERIDO JESUS

BOM DIA, MEU QUERIDO JESUS!
EU FICO MUITO CONTENTE QUANDO CONVERSO COM VOCÊ, JESUS.
MUITO OBRIGADO POR TUDO QUE VOCÊ ME DEU: A MINHA VIDA, OS MEUS PAIS, OS MEUS AVÓS E OS MEUS AMIGOS.
SEI QUE É VERDADE, QUE VOCÊ ESTÁ SEMPRE JUNTINHO DAS PESSOAS, DANDO AQUELA FORÇA PARA TODAS AQUELAS QUE ESTÃO SOFRENDO, NÃO É?
ENTÃO, AJUDE AS CRIANÇAS QUE ESTÃO COM FOME, AQUELAS QUE NÃO TEM CASA, NEM ROUPAS, NEM ESCOLA.
ABENÇOE A MINHA FAMÍLIA E TODAS AS FAMÍLIAS DO MUNDOINTEIRO.
ABENÇOE A NOSSA CATEQUESE E OS NOSSOS CATEQUISTAS PARA QUE TODOS SEJAM MUITOS FELIZES. AMÉM.

( RETIRADO DA CAPA DO LIVRO : PRIMEIRO LIVRO DO CATEQUIZANDO- EDITORA PAULUS)

sexta-feira, 20 de abril de 2012

DINÂMICA: ABRE O OLHO


Objetivo: Refletir sobre a sociedade atual..

Participantes: 2 pessoas.

Tempo estimado: 20 minutos.

Material: Dois panos para fechar os olhos e dois chinelos ou porretes feitos com jornais enrolados em forma de cassetete.

Descrição: Dois voluntários devem ter os rostos cobertos e devem receber um chinelo ou porrete. Depois devem iniciar uma briga de cegos, para ver quem acerta mais o outro no escuro. O restante do grupo apenas assiste. Assim que inicia a "briga", o coordenador faz sinal para o grupo não dizer nada e desamarra a venda dos olhos de um dos voluntários e deixa a briga continuar. Depois de tempo suficiente para que os resultados das duas situações sejam bem observados, o coordenador retira a venda do outro voluntário e encerra a experiência.

Conclusão: Abre-se um debate sobre o que se presenciou no contexto da sociedade atual. A reação dos participantes pode ser muito variada. Por isso, é conveniente refletir algumas posturas como: indiferença x indignação; aplaudir o agressor x posicionar-se para defender o indefeso; lavar as mãos x envolver-se e solidarizar-se com o oprimido, etc. Alguns questionamentos podem ajudar, primeiro perguntar aos voluntários como se sentiram e o por quê. Depois dar a palavra aos demais participantes. Qual foi a postura do grupo? Para quem torceram? O que isso tem a ver com nossa realidade? Quais as cegueiras que enfrentamos hoje? O que significa ter os olhos vendados? Quem estabelece as regras do jogo da vida social, política e econômica hoje? Como podemos contribuir para tirar as vendas dos olhos daqueles que não enxergam?

Palavra de Deus: Mc 10, 46-52 e Lc 24, 13-34.

AS BEM- AVENTURANÇAS DA AMIZADE


Bem-aventurado o amigo que leva o outro
a comungar o Cristo e teme ao Senhor.

Bem-aventurado o amigo que encaminha o outro
para o encontro com o Cristo.

Bem-aventurado o amigo que sabe elogiar,
que não vê apenas os defeitos, tampouco encobre os erros do outro.

Bem-aventurado o amigo adquirido na provação,
pois será como um irmão.

Bem-aventurado o amigo fiel, poderosa proteção,
tesouro descoberto, remédio de vida.

Bem-aventurado o amigo que sabe calar
e sabe falar no momento oportuno.

Bem-aventurado o amigo de palavras virtuosas,
pois os preceitos do Altíssimo são a sua conversa.

Bem-aventurado o amigo que abraça e chama a atenção do outro,
respeitando sua consciência e sua liberdade.

Bem-aventurado o amigo que age como luz para guiar,
mas que deixa o outro decidir.

Bem-aventurado ainda o amigo que sabe pedir perdão
e que não cala diante da calúnia ou da injustiça contra o outro.

Bem-aventurado sempre será o amigo que discretamente
sabe precisar do outro, sem se aproveitar dele.

Bem-aventurados eternamente os amigos
que doam sua vida pelos outros, por amor.
Cláudio Cássio
(Extraída do livro: Amizades são mananciais – A alegria de ser amigo em Jesus – Paulinas Editora, 2010)

FONTE:http://blogpaulinas.blogspot.com.br/2010/07/as-bem-aventurancas-da-amizade.html

quinta-feira, 19 de abril de 2012

A CAMINHO DE EMAÚS - EM QUADRINHOS

ROSÁRIO DE SANTO EXPEDITO

Na cruz:

Meu Santo Expedito, Vós que sois um Santo Guerreiro,

o santo dos aflitos, o santo dos desesperados, o santo

das causas justas e urgentes.

Nos Pais-Nossos:

Ajudai-me; protegei-me; dá-me força, coragem e

serenidade; devolva-me a paz e a tranqüilidade.

Nas Ave-Marias:

Ajudai-me nesta hora de aflição e desespero.

Agradecimento:

Meu Santo Expedito, em reconhecimento por atenderes

sempre aqueles que vos invocam para negócios justos

e urgentes, seremos gratos para todo o sempre e divul-

garemos o vosso nome a todos aqueles que têm fé.

Amém.

FONTE: http://www.cademeusanto.com.br/oracao_sao_expedito.htm

quarta-feira, 18 de abril de 2012

OBSERVE O SOL


Embora a maioria permaneça dormindo, ele proporciona a cada manhã um dos maiores espetáculos da terra...
É a vida que recomeça, dando a cada um a oportunidade de fazê-la melhor a cada instante.

OBSERVE AS FLORES

Amanhecem felizes, não têm nenhum tipo de ansiedade, porque não competem entre si.
Cada uma tem o seu papel e a sua importância na beleza da vida.

Vivem em harmonia e por isso constroem um cenário harmonioso e inesquecível.
Tudo à nossa volta festeja o novo dia que começa.
Tudo é benção!
Tudo é luz!
Tudo é vida!
Torne este momento inesquecível,
Repleto de silêncio e gratidão.
Gratidão à existência que lhe deu esta oportunidade, gratidão a todos os que o auxiliam nesta jornada.

Estar vivo é o grande milagre!
Você não precisa de mais nada para se sentir a pessoa mais feliz do mundo!

Coração agradecido fala diretamente com Deus.
Nada neste mundo faz sentido se não tocamos
o coração das pessoas.
Se a gente cresce com os
golpes duros da vida, também pode crescer com
os toques suaves na alma.
(Desconheço a Autoria)

terça-feira, 17 de abril de 2012

AS PALAVRAS MÁGICAS


Palavras mágicas são aquelas que abrem portas.
Nada complicado como abracadabra ou qualquer coisa do gênero.
São aquelas simples do dia-a-dia e que ficam tão corriqueiras que muitas vezes nos esquecemos.

É incontestável o poder das palavras nas nossas vidas.
As que dizemos e as que calamos; as que saem do olhar, as que são ditas com lágrimas, as que fluem de um sorriso, as que são gritadas em silêncios que machucam...

E aquelas tão simples que parecem banais demais, mas que nos tornam pessoas educadas, simpáticas, agradáveis e que nem precisam de estudo ou sermos adultos para que façam parte do nosso vocabulário.

Um obrigado substitui centenas de outras palavras; um bom dia pode ser o primeiro raio de sol na nossa janela, assim como um boa noite o último raio de luar da noite.

Com licença abre caminhos, perdão e desculpe derretem corações e podem trazer oportunidades que estavam perdidas para sempre.
O por favor faz hesitar o mais endurecido dos corações e pode até fazer com que mude de idéia.

“Você é importante para mim” eleva a auto-estima; “você vai vencer” nos dá coragem para prosseguir e, enfim, as mais poderosas de todas as palavras: “AMO VOCÊ!” Nessas palavras estão incluídos dicionários inteiros, até mesmo com as palavras que desconhecemos.

A gentileza é uma arte que não custa nada e que nos trás enormes benefícios.
O mundo não nos pertence e não vivemos isolados como ilhas no meio do oceano.

Fazer uso das palavrinhas mágicas no nosso dia-a-dia só vai nos tornar pessoas mais simpáticas, vai também construir pontes entre nós e aqueles que o Senhor escolheu para fazerem parte da história da nossa vida.

(Letícia Thompson)

segunda-feira, 16 de abril de 2012

SIMPLES ORAÇÃO PARA O INICÍO DO ENCONTRO


Ó bom Jesus, / estamos aqui / mais uma vez / porque
precisamos do Senhor, / de sua bênção, / de seu carinho / e
de sua proteção. / Venha, Senhor, / abençoar nosso
encontro. / Abençoa também / nossa vida, / nossos amigos /
e nossa família. / Amém!

domingo, 15 de abril de 2012

QUE DEUS ME REGUE...

Deus me abençoe e ilumine
E me dê força pra ajudar todo ser humano
Dê humildade, capacidade
Pra entender e seguir todos os seus planos

O universo é um jardim

E tudo nesse campo ele que plantou
E o nosso Pai cuida tão bem
Do mato quanto da mais linda flor

Que Deus me regue... de amor profundo
Que Deus me regue... de todo bem do mundo
Que Deus me regue... de boas atitudes
Que Deus me regue...

Que Deus me regue... de toda harmonia
Que Deus me regue... de paz a cada dia
Que Deus me regue... de luz, de saúde
Que Deus me regue...


sábado, 14 de abril de 2012

O AMOR DE DEUS É A FLOR - E A MISERICÓRDIA O FRUTO


Que a alma que desconfia leia estes louvores da misericórdia e torne-se confiante.
Misericórdia Divina, que brota do seio do Pai, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, atributo máximo de Deus, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, mistério inefável, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, fonte que brota do mistério da Santíssima Trindade, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, que nenhuma mente, nem humana nem angélica pode perscrutar,
eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, da qual provém toda a vida e felicidade, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, mais sublime do que os Céus, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, fonte de milagres e prodígios, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, que envolve o universo todo, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, que desce ao mundo na Pessoa do Verbo Encarnado, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, que brotou da chaga aberta do Coração de Jesus, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, encerrada no Coração de Jesus para nós e sobretudo para os pecadores,
eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, imperscrutável na instituição da Eucaristia, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, na instituição da Santa Igreja, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, no sacramento do Santo Batismo, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, na nossa justificação por Jesus Cristo, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, que nos acompanha por toda a vida, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, que nos envolve de modo particular na hora da morte, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, que nos concede a vida imortal, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, que nos acompanha em todos os momentos da vida, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, que nos defende do fogo do Inferno, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, na conversão dos pecadores endurecidos, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, enlevo para os anjos, inefável para os Santos, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, insondável em todos os mistérios divinos, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, que nos eleva de toda miséria, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, fonte de nossa felicidade e alegria, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, que do nada nos chama para a existência, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, que abrange todas as obras das Suas mãos, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, que coroa tudo que existe e que existirá, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, na qual todos somos imersos, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, doce consolo para os corações atormentados, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, única esperança dos desesperados, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, repouso dos corações, paz em meio ao terror, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, delícia e êxtase dos Santos, eu confio em Vós.
Misericórdia Divina, que desperta a confiança onde não há esperança, eu confio em Vós.

    Ó Deus eterno, em quem a misericórdia é insondável e o tesouro da compaixão
    é inesgotável, olhai propício para nós e multiplicai em nós a Vossa misericórdia,
    para que não desesperemos nos momentos difíceis, nem esmoreçamos, mas nos submetamos com grande confiança à Vossa santa vontade, que é Amor e a própria Misericórdia" (Diário, 949).

ESCREVER NA ROCHA


Dois grandes mercadores árabes, de nomes Amir e Farid, eram muito
amigos e sempre que faziam suas viagens para um mercado onde vendiam
suas mercadorias, iam juntos, cada qual com sua caravana e seus escravos
empregados.

Numa dessas viagens, ao passarem junto a um rio caudaloso, Farid
resolveu banhar-se, pois fazia muito calor.
Em dado momento, distraindo-se, foi arrastado pela correnteza.
Amir, vendo que seu grande amigo corria risco de vida, atirou-se às águas e,
com inaudito esforço, conseguiu salvá-lo.

Após esse episódio, Farid chamou um de seus escravos e mandou que ele
gravasse numa rocha ali existente, uma frase que lembrasse a todos do
acontecido.

Ao retornarem, passaram pelo mesmo lugar, onde pararam para rápido
repouso.
Enquanto conversavam, tiveram uma pequena discussão e Amir
alterando-se esbofeteou Farid.

Este aproximou-se das margens do rio e, com uma varinha, escreveu na
areia o fato.

O escravo que fora encarregado de escrever na pedra o agradecimento de
Farid, perguntou-lhe:

- Meu senhor, quando fostes salvo, mandaste gravar aquele feito numa
pedra e agora escreveis na areia o agravo recebido. Por que assim o fazeis?
Farid respondeu-lhe:

- Os atos de bondade, de amor e abnegação devem ser gravados na rocha
para que todos aqueles que tiverem oportunidade de tomar conhecimento
deles, procurem imitá-los. Ao contrário, porém, quando recebemos uma
ofensa, devemos escrevê-la na areia, próxima as águas para que
desapareça, levada pela maré, a fim de que ninguém tome conhecimento
dela e, acima de tudo para que qualquer mágoa desapareça prontamente
no nosso coração !

 (Desconheço o Autor)

sexta-feira, 13 de abril de 2012

A VIDA ESTÁ NOS OLHOS


É preciso a certeza de que tudo vai mudar;

É necessário abrir os olhos e perceber que as coisas boas estão dentro de nós:

onde os sentimentos não precisam de motivos nem os desejos de razão.

O importante é aproveitar o momento e aprender sua duração;

Pois a vida está nos olhos de quem sabe ver ...

Se não houve frutos,

valeu a beleza das flores.

Se não houve flores,

valeu a sombra das folhas.

Se não houve folhas,

valeu a intenção da semente.

(Henfil)

quinta-feira, 12 de abril de 2012

O QUE É AMOR?


Numa sala de aula havia várias crianças. Quando uma delas perguntou à professora:- Professora, o que é o amor?A professora sentiu que a criança merecia uma resposta à altura da pergunta inteligente que fizera. Como já estava na hora do recreio, pediu para que cada aluno desse uma volta pelo pátio da escola e que trouxesse o que mais despertasse nele o sentimento de amor.As crianças saíram apressadas e, ao voltarem, a professora disse:- Quero que cada um mostre o que trouxe consigo.A primeira criança disse:- Eu trouxe esta flor, não é linda?A segunda criança falou:- Eu trouxe esta borboleta. Veja o colorido de suas asas, vou colocá-la em minha coleção.A terceira criança completou:- Eu trouxe este filhote de passarinho. Ele havia caído do ninho junto com outro irmão. Não é uma gracinha?E assim as crianças foram se colocando.Terminada a exposição a professora notou que havia uma criança que tinha ficado quieta o tempo todo. Ela estava vermelha de vergonha, pois nada havia trazido... A professora se dirigiu a ela e perguntou:- Meu bem, porque você nada trouxe?E a criança, timidamente, respondeu:- Desculpe, professora. Vi a flor e senti o seu perfume, pensei em arrancá-la, mas preferi deixá-la para que seu perfume exalasse por mais tempo. Vi também a borboleta, leve, colorida! Ela parecia tão feliz que não tive coragem de aprisioná-la. Vi também o passarinho caído entre as folhas, mas ao subir na árvore notei o olhar triste de sua mãe e preferi devolvê-lo ao ninho. Portanto, professora, trago comigo o perfume da flor, a sensação de liberdade da borboleta e a gratidão que senti nos olhos da mãe do passarinho. Como posso mostrar o que trouxe?A professora agradeceu a criança e lhe deu nota máxima, pois ela fora a única que percebera que só podemos trazer o amor no coração... Dentro do nosso coração!

quarta-feira, 11 de abril de 2012

SÓ VENDO PARA CRER...


(FONTE) TV CRIANÇA CATÓLICA

CUMPRIMENTA JESUS DIREITO, MENINO!

O sujeito entra na casa de um amigo e, sem cumprimentá-lo, vai direto acomodar o seu traseiro no sofá. Sem noção, né? Agora imagine se esse amigo for, tipo assim… DEUS. Se é inaceitável abrir mão das normas básicas de civilidade debaixo do teto de um mero mortal, considere a gravidade de estar estar no templo do Senhor sem Lhe prestar a devida reverência!

Infelizmente, não é raro ver católicos entrarem nas igrejas ignorando a Presença do Dono da Casa. Também podemos observar que muitas pessoas que deveriam ser as primeiras a dar o exemplo – como catequistas, sacristãos, coroinhas – passam frequentemente diante do altar e do Santíssimo sem se curvarem ou se ajoelharem.

 Que fique bem claro: esta não é uma abordagem moralista sobre etiqueta religiosa. Falamos aqui sobre um problema de fé. Afinal, você reconhece ou não que a Hóstia Consagrada que está no interior do sacrário é o Corpo do Deus Vivo? Se a resposta for sim, note o quanto é absurdo passar diante do sacrário “habitado” como quem passa na frente de uma porta inanimada. Um fiel que realmente crê na Eucaristia jamais poderia ser capaz de um vacilo desses.

Além de desprezar o Santíssimo no sacrário, muitos fiéis ainda ignoram a dignidade do altar.  Poucos são aqueles que tomam o cuidado de se curvar todas as vezes que passam diante dele, e tem gente que acha que o santo altar é como o balcão da padaria da esquina: apóiam os cotovelos quando estão cansados e colocam sobre ele sacolas, bolsas e outros objetos nada litúrgicos.

Se você passar cem vezes diante do altar, deve se curvar levemente diante dele nessas cem vezes. Frescura? Exagero? De modo algum! Quando entendemos o que é o altar (que está looooonge de ser uma mesa qualquer), percebemos facilmente que não podemos agir de outro modo.

Sobre o santo altar, em cada missa, é renovado o sacrifício de Jesus, que aceitou sofrer e morrer para que nós pudéssemos ter uma vida boa, uma vida cheia de sentido e de esperança. É o altar que ampara o Corpo e o Sangue do Cordeiro Imolado, e por isso é comparável, em sacralidade, ao túmulo de Cristo. Tem que ser muito joselito pra apoiar a sua bolsa Louis Vuitton do Paraguai sobre o túmulo de Cristo, concorda?!

Então, basicamente, devemos ter as seguintes posturas nas igrejas:
    ao entrar na igreja, precisamos…
  •         nos curvar levemente para reverenciar o altar, caso o Santíssimo (o sacrário com as Hóstias Consagradas) esteja em uma capela lateral;
  •         dobrar um dos joelhos até o chão, caso o Santíssimo habitado esteja no altar (indicado pela luz vermelha acesa);
  •     ao passar diante do altar (para cruzar o templo de um lado para o outro, por exemplo), devemos nos curvar levemente;
  •     ao passar diante do Santíssimo no sacrário, devemos dobrar um dos joelhos até o chão;
  •     ao nos vermos diante da Hóstia Consagrada exposta em um ostensório, devemos nos ajoelhar para cumprimentar o Senhor. Depois, podemos nos sentar.

Há uma história bem conhecida de Padre Pio, que certa vez teve a visão da alma de uma alma do Purgatório. Tratava-se de um frade que havia morrido ali naquele convento e que, quando vivo, tinha a tarefa de limpar o altar. Porém, enquanto realizava o seu trabalho, o homem não reverenciava a Jesus Sacramentado em nenhuma das vezes em que passava em frente ao altar. No dia seguinte, Padre Pio, então, rezou uma missa para que aquela alma pudesse finalmente descansar.

Por isso, a não ser que você sofra de alguma doença nas juntas, seja um cristão educado e curve-se/ajoelhe-se com carinho diante do altar e do Santíssimo. Ou então correrá o risco de passar uma boa temporada ajoelhado no milho, lá no Purgatório!

terça-feira, 10 de abril de 2012

CNBB convoca para Vigília de Oração pela Vida

Na próxima quarta-feira, dia 11/04, o Supremo Tribunal Federal (STF) realiza o julgamento sobre a descriminalização do aborto de anencéfalos – casos em que o feto tem má formação no cérebro. A presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) enviou nesta Sexta-feira Santa, 06/04, uma carta a todos os bispos do país, convocando para uma Vigília de Oração pela Vida às vésperas do julgamento.

Em agosto de 2008, por ocasião do primeiro julgamento do caso, a CNBB publicou uma nota que explicita a sua posição. “A vida deve ser acolhida como dom e compromisso, mesmo que seu percurso natural seja, presumivelmente, breve. (...)Todos têm direito à vida. Nenhuma legislação jamais poderá tornar lícito um ato que é intrinsecamente ilícito. Portanto, diante da ética que proíbe a eliminação de um ser humano inocente, não se pode aceitar exceções. Os fetos anencefálicos não são descartáveis.  O aborto de feto com anencefalia é uma pena de morte decretada contra um ser humano frágil e indefeso. A Igreja, seguindo a lei natural e fiel aos ensinamentos de Jesus Cristo, que veio “para que todos tenham vida e vida em abundância” (Jo 10,10), insistentemente, pede,  que a vida seja respeitada e que se promovam políticas públicas voltadas para a eficaz prevenção dos males relativos à anencefalia e se dê o devido apoio às famílias que convivem com esta realidade”.

A seguir, a íntegra da carta da presidência da CNBB, bem como o texto completo da nota sobre o assunto.
Brasília, 06 de abril de 2012
P - Nº 0328/12

Exmos. e Revmos. Srs.
Cardeais, Arcebispos e Bispos
Em própria sede
ASSUNTO: Vigília de Oração pela Vida, às vésperas do dia 11/04/12, quarta feira.
DGAE/2011-2015: Igreja a serviço da vida plena para todos (nn. 65-72)
“Para que TODOS tenham vida” (Jo 10,10).
CF 2008: “Escolhe, pois, a vida” (Dt 30,19).
CF 2012: “Que a saúde se difunda sobre a terra” (Eclo 38,8).

Irmãos no Episcopado,

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil jamais deixou de se manifestar como voz autorizada do episcopado brasileiro sobre temas em discussão na sociedade, especialmente para iluminá-la com a luz da fé em Jesus Cristo Ressuscitado, “Caminho, Verdade e Vida”.
Reafirmando a NOTA DA CNBB (P – 0706/08, de 21 de agosto de 2008) SOBRE ABORTO DE FETO “ANENCEFÁLICO” REFERENTE À ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Nº 54 DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, a presidência solicita aos irmãos no episcopado:

    Promoverem, em suas arqui/dioceses, uma VIGÍLIA DE ORAÇÃO PELA VIDA, às vésperas do julgamento pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a possibilidade legal do “aborto de fetos com meroanencefalia (meros = parte), comumente denominados anencefálicos” (CNBB, nota P-0706/08).

Informa-se que a data do julgamento da ADPF Nº 54/2004 será DIA 11 DE ABRIL DE 2012, quarta feira da 1ª Semana da Páscoa, em sessão extraordinária, a partir das 09 horas.

Com renovada estima em Jesus Cristo, nosso Mestre Vencedor da morte, agradecemos aos irmãos de ministério em favor dos mais frágeis e indefesos,
Cardeal Raymundo Damasceno Assis
Arcebispo de Aparecida (SP)
Presidente da CNBB

Dom José Belisário da Silva
Arcebispo de São Luiz (MA)
Vice-presidente da CNBB

Dom Leonardo Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília (DF)
Secretário Geral da CNBB

Nota da CNBB sobre Aborto de Feto “Anencefálico” - Ano 2008

Referente à Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental n. 54 do Supremo Tribunal Federal

O Conselho Episcopal Pastoral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, em reunião ordinária, vem manifestar-se sobre a Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF n° 54/2004), em andamento no Supremo Tribunal Federal, que tem por objetivo legalizar o aborto de fetos com meroanencefalia (meros = parte), comumente denominados “anencefálicos”, que não têm em maior ou menor grau, as partes superiores do encéfalo e que erroneamente, têm sido interpretados como não possuindo todo o encéfalo, situação que seria totalmente incompatível com a vida, até mesmo pela incapacidade de respirar. Tais circunstâncias, todavia, não diminuem a dignidade da vida humana em gestação.

Recordamos que no dia 1° de agosto de 2008, no interior do Estado de São Paulo, faleceu, com um ano e oito meses, a menina Marcela de Jesus Galante Ferreira, diagnosticada com anencefalia. Quando Marcela ainda estava viva, sua pediatra afirmou: “a menina é muito ativa, distingue a sua mãe e chora quando não está em seus braços.” Marcela é um exemplo claro de que uma criança, mesmo com tão malformação, é um ser humano, e como tal, merecedor de atenção e respeito. Embora a Anencefalia esteja no rol das doenças congênitas letais, cursando com baixo tempo de vida, os fetos portadores destas afecções devem ter seus direitos respeitados.

Entendemos que os princípios da “inviolabilidade do direito à vida”, da “dignidade da pessoa humana” e da promoção do bem de todos, sem qualquer forma de discriminação, (cf. art. 5°, caput; 1°, III e 3°, IV, da Constituição Federal) referem-se também aos fetos anencefálicos. Quando a vida não é respeitada todos os outros direitos são menosprezados. Uma “sociedade livre, justa e solidária” (art. 3°, I, da Constituição Federal) não se constrói com violências contra doentes e indefesos. As pretensões de desqualificação da pessoa humana ferem sua dignidade intrínseca e inviolável.

A vida deve ser acolhida como dom e compromisso, mesmo que seu percurso natural seja, presumivelmente, breve. Há uma enorme diferença ética, moral e espiritual entre a morte natural e a morte provocada. Aplica-se aqui, o mandamento: “Não matarás” (Ex 20,13).

Todos têm direito à vida. Nenhuma legislação jamais poderá tornar lícito um ato que é intrinsecamente ilícito. Portanto, diante da ética que proíbe a eliminação de um ser humano inocente, não se pode aceitar exceções. Os fetos anencefálicos não são descartáveis.  O aborto de feto com anencefalia é uma pena de morte decretada contra um ser humano frágil e indefeso.

A Igreja, seguindo a lei natural e fiel aos ensinamentos de Jesus Cristo, que veio “para que todos tenham vida e vida em abundância” (Jo 10,10), insistentemente, pede,  que a vida seja respeitada e que se promovam políticas públicas voltadas para a eficaz prevenção dos males relativos à anencefalia e se dê o devido apoio às famílias que convivem com esta realidade.

Com toda convicção reafirmamos que a vida humana é sagrada e possui dignidade inviolável. Fazendo, ainda, ecoar a Palavra de Deus que serviu de lema para a Campanha da Fraternidade, deste ano, repetimos: “Escolhe, pois, a vida” (Dt 30,19).
Dom Geraldo Lyrio Rocha
Arcebispo de Mariana (MG)
Presidente da CNBB

Dom Luiz Soares Vieira
Arcebispo de Manaus (AM)
Vice Presidente da CNBB

Dom Dimas Lara Barbosa
Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro (RJ)
Secretário Geral da CNBB

segunda-feira, 9 de abril de 2012

VOCÊ SABE O QUE É A OITAVA DA PÁSCOA?

Os oito primeiros dias do tempo pascal formam a oitava da Páscoa. Poderíamos chamá-los também de “pequena oitava”, em confronto com a “grande oitava” das sete semanas, sem, contudo, querermos diminuir com isto, a sua importância. Seus primórdios, entendidos como um período celebrado com liturgia especial, remontam, no mínimo, ao começo do século IV, e mesmo até à segunda metade do século III, como é fácil de deduzir das homilias recém-descobertas de Astério Sofita sobre os salmos. Astério chama o dia da oitava de “segundo ‘oitavo dia’”.

A liturgia desta oitava era marcada não só pelo mistério pascal, como também pela consideração para com os neobatizados que durante as celebrações diárias da eucaristia eram introduzidos mais profundamente nos mistérios dos sacramentos da iniciação, recebidos na noite da Páscoa. As homilias pascais de Astério, já mencionadas, podem ser apontadas como o exemplo mais antigo de tais “catequeses mistagógicas” de que temos conhecimento. As mais famosas, entretanto, são as cinco catequeses de Cirilo (João?), bispo de Jerusalém, da segunda metade do século IV, e os escritos “De mysteriis” (Sobre os mistérios) e “De sacramentis” (Sobre os sacramentos), da autoria de Ambrósio. Segundo Agostinho, a oitava da Páscoa é uma “ecclesiae consensio”, um costume unânime da Igreja, tão antigo quanto a Quadragesis (a Quaresma). Os fiéis deviam suspender seus trabalhos nesses dias, e tomar parte nas cerimônias diárias.

Esta semana era chamada antigamente também “semana branca” ou “semana das vestes brancas”. No Oriente é conhecida também como semana da renovação. Inicialmente ela só terminava no domingo, o qual, por isso, tinha o nome de domingo das vestes brancas (domingo in albis). A partir do século VII, as vestes brancas dos neófitos eram depostas já no sábado, em conseqüência da antecipação da celebração da noite pascal para o Sábado Santo.

Os cânticos de entrada da oitava de Páscoa da liturgia romana, executados pelo coro à entrada dos neófitos em vestes brancas, eram enfaticamente sintonizados com a presença dos recém-batizados e proclamavam a salvação por eles recebida. Assim lemos (ainda hoje) na segunda-feira: “O Senhor vos introduziu na terra onde correm leite e mel: e sua lei esteja sempre em vossos lábios, aleluia!”; na terça-feira: “Deu-lhes a água da sabedoria, tornou-se a sua força...”; na quarta-feira: “Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do reino...”; na quinta-feira: “Senhor, todos louvaram, unânimes, a vossa mão vitoriosa...”; na sexta-feira: “O Senhor conduziu o seu povo na esperança e recobriu com o mar seus inimigos”; no sábado: “O Senhor fez seu povo sair com grande júbilo; com gritos de alegria, os seus eleitos, aleluia!”; e por fim, no domingo branco (domingo in albis): “Como crianças, recém-nascidas, desejai o puro leite espiritual para crescerdes na salvação, aleluia!

sábado, 7 de abril de 2012

O CÍRIO PASCAL

É o símbolo mais destacado do Tempo Pascal. A palavra "círio" vem do latim "cereus", de cera. O produto das abelhas. O círio mais importante é o que é aceso na vigília Pascual como símbolo de Cristo – Luz, e que fica sobre uma elegante coluna ou candelabro enfeitado.

O Círio Pascal é já desde os primeiros séculos um dos símbolos mais expressivos da vigília. Em meio à escuridão (toda a celebração é feita de noite e começa com as luzes apagadas), de uma fogueira previamente preparada se acende o Círio, que tem uma inscrição em forma de cruz, acompanhada da data do ano e das letras Alfa e Omega, a primeira e a última do alfabeto grego, para indicar que a Páscoa do Senhor Jesus, princípio e fim do tempo e da eternidade, nos alcança com força sempre nova no ano concreto em que vivemos. O Círio Pascal tem em sua cera incrustado cinco cravos de incenso simbolizando as cinco chagas santas e gloriosas do Senhor da Cruz.

Na procissão de entrada da Vigília se canta por três vezes a aclamação ao Cristo: "Luz de Cristo. Demos graças a Deus", enquanto progressivamente vão se acendendo as velas do presentes e as luzes da Igreja. Depois o círio é colocado na coluna ou candelabro que vai ser seu suporte, e se proclama em torno à ele, depois de incensá-lo, o solene Pregão Pascal.

Além do simbolismo da luz, o Círio Pascal tem também o da oferenda, como cera que se consome em honra a Deus, espalhando sua Luz: "aceita, Pai Santo, o sacrifício vespertino desta chama, que a santa Igreja te oferece na solene oferenda deste círio, trabalho das abelhas. Sabemos já o que anuncia esta coluna de fogo, ardendo em chama viva para glória de Deus... Rogamos-te que este Círio, consagrado a teu nome, para destruir a escuridão desta noite".

O Círio Pascal ficará aceso em todas as celebrações durante as sete semanas do tempo pascal, ao lado do ambão da Palavra, ate´a tarde do domingo de Pentecostes. Uma vez concluído o tempo Pascal, convém que o Círio seja dignamente conservado no batistério. O Círio Pascal também é usado durante os batismos e as exéquias, quer dizer no princípio e o término da vida temporal, para simbolizar que um cristão participa da luz de Cristo ao longo de todo seu caminho terreno, como garantia de sua incorporação definitiva à Luz da vida eterna.

FONTE: CATEQUISAR

sexta-feira, 6 de abril de 2012

“A Graça do Amor Fraterno”


Senhor Jesus,
Tu quisestes que nos amássemos uns aos outros como Tu nos havias amado;
E Tu nos amaste como o Pai te havia amado.
Esse foi teu Grande Mandamento e Testamento final.
Derruba em nós as altas muralhas levantadas pelo egoísmo, orgulho e vaidade.
Afasta de nossas portas as invejas que destroem a unidade.
Livra-nos das inibições. Acalma os impulsos agressivos.
Purifica as intenções e que cheguemos a sentir como Tu sentias e amar como Tu amavas.
Faze, Senhor Jesus,
Que uma corrente sensível, ardente e profunda corra em nossas relações;
Que nos compreendamos e nos perdoemos;
Que não haja entre nós obstáculos, reticências nem bloqueios;
Que sejamos abertos e leais, sinceros e verdadeiros.
E assim demonstremos ao mundo que Tu, Senhor Jesus, és o Enviado do Pai
E estás vivo entre nós. Amém.




quinta-feira, 5 de abril de 2012

VIVER E NÃO TER A VERGONHA DE SER FELIZ...

Não podia deixar de compartilhar esse dia tão especial... Quero agradecer a Deus pelo dom da minha vida, agradecer pela minha missão de ser catequista, por meus aprendizados e conquistas e principalmente por todas as pessoas que Deus colocou ao meu lado e por aquelas que levo em meu coração!

Hoje é o meu aniversário!!! Modestia parte não me importo por envelhecer, porque dentro de mim, me sinto uma eterna criança.

Agradeço também o imenso carinho que sempre recebo de todos que passam por este Jardim, os comentários, e-mails, ... agradeço também  em especial ao nosso grupo de Catequistas Unidos onde conheci amigos virtuais maravilhosos que espero um dia conhecê-los pessoalmente, enfim é isso aí pessoal.
 Quero deixar aqui este vídeo para compartilhar a minha alegria de viver. 

Beijão no coração de todos.



quarta-feira, 4 de abril de 2012

ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO COM AS CRIANÇAS NA SEXTA-FEIRA SANTA


FOI POR MIM, FOI POR TI, FOI POR NÓS...


Passos pesados o ar carregado
no olhar o amor espelho para a humanidade
coroa de espinhos, pecados do povo
que O não reconheceu (reconhece)
suor de sangue, gota a gota
no esplendor do rosto em sofrimento.

Por mim
por ti
por nos...
Em amor
obediência ao Pai do céu.

Passos pesados
cruz nas costas marcas vincadas
feridas abertas pela cegueira humana
não o reconheceram (reconhecem)
foi humilhado xingado
castigado na sua pureza.

Por mim
por ti
por nos...
Em amor
obediência ao Pai do céu.

A multidão O observava
mas poucos O viram...
No calvário
os pregos fundos tocaram
Seu sangue verteu
Sua boca não se abriu
perdoo e rogou ao Pai.

Por mim
por ti
por nos...
Em amor
obediência ao Pai do céu.

O véu se rompeu
para que a humanidade o sentisse
mas ainda hoje muitos não o reconhecem...

Ressucitou e vive
no coração que O recebe...

(Ana Coelho Antunes)

terça-feira, 3 de abril de 2012

VAMOS MONTAR O CENÁRIO DA SANTA CEIA?


Material necessário

- caixa de ovos;
- figuras para colorir;
- tinta ou lápis de cor;
- cola

Primeiro imprima as figuras de Jesus, dos Apóstolos e a mesa encontradas no final desta página e pinte com o material que preferir.
Corte e monte a caixa de ovos de acordo com as fotos abaixo.







FONTE : A IGREJA DOMÉSTICA

segunda-feira, 2 de abril de 2012

UM CONTO DE PÁSCOA

     Vinte anos se passaram... Estou velho e cansado. Sinto que logo não estarei no meio de vós, por isso quero contar como me tornei o coelho da Páscoa.
     O sol timidamente surgia por entre as colinas do horto que ficava logo depois do Gólgota. O céu se tingia de vermelho púrpuro, num matiz que é difícil descrever. Toda natureza começara a despertar. Coloquei a cabeça fora da minha toca, espreitando se o caminho estava livre para mais um dia de legumes frescos e capim verdinho. Aqui, normalmente, era um lugar calmo, quase não víamos humanos por perto. Poucas vezes o dono do local, um homem chamado José de Arimatéia, vinha ver como estava sua propriedade.
     Todavia, nos últimos três dias houve uma grande movimentação no local; pessoas entrando e saindo, mulheres chorando. O corpo de um homem foi trazido para ser enterrado no sepulcro cavado em uma rocha. Nesse dia, quando José de Arimatéia chegou em companhia de seu amigo Nicodemos, trouxeram o corpo e levaram para dentro do sepulcro. Fui, sem me deixar perceber, até a entrada da gruta. Lá pude ver que se tratava de um homem forte, com estatura alta, cabelos longos. Porém o que mais me impressionou foi seu rosto. Ele tinha uma expressão de amor que nunca antes havia visto, nem mesmo quando me apaixonei pela coelhinha que passou por aqui. José de Arimatéia e Nicodemos o envolveram num lençol de puro linho e limparam seus ferimentos com ungüentos, depois fizeram uma oração e, com a ajuda de outros homens que esperavam do lado de fora, fecharam a entrada do sepulcro com uma enorme pedra. Todos foram embora... Olhei para o céu... Ele parecia cinzento. As árvores estavam paradas. Os pássaros emudeceram. Senti um frio e voltei para minha toca.
     Dois dias se passaram... Ao terceiro dia, um domingo radiante, como anteriormente estava descrevendo, saí saltitante... Cabeça baixa fui me deliciando com o capim fresquinho, que naquela manhã parecia especialmente mais verde. De repente me vi diante do sepulcro. Para meu espanto, a enorme pedra que fechava a entrada, estava fora do lugar. Que estranho, pois não vi nenhuma movimentação no sítio. Ninguém havia estado lá durante a noite e nem muito menos naquela manhã. Resolvi dar uma espiadela. Queria ver de novo aquele rosto que transmitia tanto amor.
     Fui entrando bem devagar... Meio sorrateiro, afinal, naquele escuro minha cor era um ponto negativo para me descobrirem. Quando cheguei ao centro, onde ficava a pedra sobre a qual haviam colocado o corpo, quase morri de susto. Aquele homem do amor não estava mais lá. Senti um nó na garganta. Quem teria levado ele? Mas como, se nada vi? Nenhum barulhinho? E tenho sono leve...
     Tratei de sair rápido dali... Estava ofegante ao chegar ao solar da gruta. O sol atingiu em cheio meus olhos. Parei um instante para me refazer do choque. Saí procurando alguma pegada ou algo que denunciasse a presença de alguém. Nada. Ao aproximar-me de uma árvore, acho que era uma oliveira, pois com o passar dos anos os detalhes vão sumindo de nossa memória, vi uma intensa luz. Assustado, já tentava fugir quando ouvi uma voz... Uma voz, como posso descrever?... Forte, mas ao mesmo tempo doce. De uma ternura que nunca antes havia chegado aos meus ouvidos.
     - Ei, coelhinho, venha cá! Aproxime-se, não tenha medo.
     Medo, eu? Como poderia ter medo de uma voz daquelas? Mesmo assim, levantei minhas orelhas em estado de alerta. Fui me aproximando pulo ante pulo. Uau! Meus olhos não estavam vendo aquilo. Não! Não era possível. Pensei ter comido algum capim envenenado. Estava delirando, logo iria agonizar. Esfreguei minhas patas contra meu rosto, na esperança de ser apenas uma miragem provocada pelo sol forte. Tudo em vão! Era ele! O homem do amor. Mas como? Eu o tinha visto ser sepultado há dois dias! Não era possível.
- Venha, coelhinho, chegue mais perto, não precisa ficar assustado. Você dentre todas as criaturas de meu Pai, é o primeiro a estar comigo depois que se cumpriu a promessa de que eu ressuscitaria ao terceiro dia. Não posso ainda lhe tocar, porque estou em meu corpo Glorioso, mas quero que leves uma mensagem.
     Dei um pulo meio desequilibrado em sua direção, minhas patas tremiam tanto, que quase não conseguia ficar parado. O homem do amor possuía um magnestismo tão forte, que não conseguia nem desviar meu olhar. Uma paz enorme foi tomando conta de mim. É como se de repente eu me encontrasse numa imensa plantação de cenouras. Fui me chegando. Minhas orelhas nunca ficaram tão grandes.
- Coelhinho, hoje é Domingo de Páscoa. Festa em que os judeus comemoram a saída do Egito para a liberdade na Terra Prometida por meu Pai. Eu nasci para selar essa “passagem” do sofrimento de seu povo para uma vida na glória do Seu Amor. Coelhinho, eu sou o Cordeiro de Deus, que foi dado em sacrifício para a liberdade de todos os homens. A minha ressurreição é para mostrar que todos podem renascer, pelo amor de meu Pai, para uma nova vida. Doravante, tu vais te tornar símbolo dessa festa e no mundo inteiro serás aclamado como o coelho da Páscoa.
     Estava petrificado. Eu, um simples coelho, fora escolhido para uma missão tão importante. E logo por quem, pelo homem do amor, que nada mais é do que o filho do Criador. Puxa! Era demais. Não me contive e dei dois pulinhos de alegria. Ele sorriu... Tinha uma bondade tão grande naquele sorriso que toda natureza sorriu com Ele. Naquele instante ouvi passos. Por entre as árvores surgiu um vulto de mulher. Ela foi em direção ao sepulcro. Ao ver que este se encontrava vazio, começou a chorar e falou:
- O corpo do Mestre foi roubado. Levaram o corpo de Jesus.
     Ah! Agora eu sabia o nome do homem do amor. Ele se chamava Jesus. Olhei uma vez para aquele Ser de Luz. Quanto orgulho senti em ser seu amigo. A mulher virou-se em nossa direção, o meu amigo Jesus foi ao seu encontro. Voltei para minha toca, ia flutuando. Não cabia em mim de tanta alegria. E assim, termino de lhes contar a verdadeira história de como um simples coelho, se tornou o COELHO DA PÁSCOA!


FONTE: RECANTO DAS LETRAS

domingo, 1 de abril de 2012

Domingo de Ramos em minha vida


Existe um defeito que diminui a eficácia das meditações que fazemos. Este defeito consiste em meditar os fatos da vida de Nosso Senhor e não aplicá-los ao que sucede em nós ou em torno de nós.

Assim, por exemplo, a nós espanta a versatilidade e ingratidão dos judeus que assistiram a entrada de Jesus em Jerusalém. Nós os censuramos porque proclamaram com a mais solene recepção o reconhecimento da honra que se deveria ter ao Divino Salvador e, pouco depois, O crucificaram com um ódio tal que a muitos chega a parecer inexplicável.

Essa ingratidão, essa versatilidade para mudanças de opinião e atitudes não existiram apenadomingo de ramos.jpgs nos homens dos tempos de Nosso Senhor! A atitude das pessoas contemporâneas de Jesus, festejando sua entrada em Jerusalém e depois abandonando-O à mercê de seus algozes, assemelha-se a muitas atitudes que tomamos.

Muitas vezes louvamos a Cristo e nos enchemos de boas intenções para seguir os seus ensinamentos, porém, ao primeiro obstáculo, nos deixamos levar pelo desânimo, ou pelo egoísmo, ou pela falta de solidariedade e, mais uma vez, por esse desamor, alimentamos o sofrimento de Jesus.

Ainda hoje, no coração de quantos fiéis, tem Nosso Senhor que suportar essas alternativas, essas mudanças que balançam entre adorações e vitupérios, entre virtude e pecado? E estas atitudes contraditórias e defectivas não se passam apenas no interior de alma de cada homem, de modo discreto, no fundo das consciências: Em quantos países essas alternações se passam e Nosso Senhor tem sido sucessivamente glorificado e ultrajado, em curtos intervalos espaços de tempo?


FONTE: ARAUTOS.ORG