Seguidores

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

AO FALAR DE TI...


Senhor,
Eu quero ouvir a Tua voz
Fazer florescer e frutificar a Tua Palavra,
Reconhecer-te, descobrir-te,
Em cada gesto,
Em cada palavra,
Em cada momento,
Em cada esquina da minha vida…
Perdoa o meu silêncio,
A minha falta de resposta…
Eu sei, Senhor,
Que tu conheces como ninguém
O meu coração fraco, débil,
Que a cada passo
Se deixa tentar pelo mal
Para depois se afogar em lágrimas de dor e desespero,
Eu sei também que a Tua mão
Está sempre estendida,
Pronta para me resgatar…
Vens ao meu encontro.
Perdoa, Senhor a minha cegueira,
Apura os meus sentidos e o meu coração
Para que sinta fome e sede de Ti
E Te possa sentir em tudo e todos…
Não permitas que o meu coração endureça,
Atrofie, se torne árido e seco,
Tendo a fonte tão perto de mim.
Não deixes que eu perca o brilho do olhar,
Ao falar de Ti.
Amém

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

CARTÕEZINHOS DE BOAS VINDAS





DOIS REMOS


"Um viajante ia caminhando às margens de um grande rio. Seu objetivo era chegar à outra margem. Suspirou profundamente enquanto tentava fixar o olhar no horizonte. A voz de um homem de idade, um barqueiro, quebrou o silêncio, oferecendo-se para transportá-lo.

O pequeno barco envelhecido era provido de dois remos de carvalho. Logo os seus olhos perceberam o que pareciam ser letras em cada remo. Ao colocar os pés dentro do barco o viajante observou que eram duas palavras. Num dos remos estava escrito Acreditar e no outro Agir.

Curioso, o viajante perguntou a razão daquelas palavras nos remos. O barqueiro então pegou o remo chamado Acreditar e começou a remar. O barco começou a dar voltas sem sair do lugar em que estava. Em seguida, pegou o remo chamado Agir e começou a remar. Novamente o barco girou em sentido oposto, sem ir adiante.

Finalmente o velho barqueiro, segurando os dois remos, remou com eles simultaneamente, e o barco, então, impulsionado por ambos os lados, navegou através das águas, chegando ao outro lado do rio.

Então, o barqueiro disse ao viajante:
— Este porto se chama autoconfiança. É preciso Acreditar e também Agir para que possamos alcançá-lo".

(Desconheço o Autor)

sábado, 28 de janeiro de 2012

POR TODOS NÓS CATEQUISTAS...


Pai santo e misericordioso, nas tuas mãos colocamos a nossa vida, o grande presente que recebemos de ti. Guia a nossa vida com teus dons e permanece sempre junto de nós, como grande amigo amoroso e fiel. Perdoa-nos quando por acomodação, medo ou insegurança não defendemos a tua verdade e o teu amor. E quando nos esquecemos de ti, faze que não demoremos a voltar para o teu terno amor. Pai, nós, catequistas unidos nesta oração, professamos a nossa fé em ti, desejando ser luz e pão partilhado para os nossos catequizandos. Agradecemos, ó Pai, pelo nosso chamado para revelar, nesta grande missão, o Mistério de Cristo, sua presença amorosa no meio de nós, pela ação do Espírito Santo. Concede-nos a graça de viver a tua palavra e anunciar teu amor paterno e materno em nossa catequese. Maria, filha predileta do Pai, guia nosso caminho na descoberta da vontade de Deus e, como tu, dizer nosso SIM. Amém.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

SINTONIZE JESUS...

   
Você é bom de escuta?
... então vamos ao teste:

Você já escutou o som de uma plantinha quando cresce?
Já ouviu o som de uma flor que se abre à luz do sol?
Escutou o som da sombra da noite quando envolve a terra na sua escuridão?
Já sentiu a leveza da aurora quando, ao amanhecer, pousa sobre o mundo a sua luz?

Se você ainda não se deu o tempo para escutar a natureza... ao menos, captou as vibrações de sua mente quando se abre à compreensão de uma palavra?

Já percebeu a beleza de uma expressão carinhosa, quando desliza da mente até o coração?

É possível que toda essa realidade já esteja envolvendo sua vida.
Pode ser também que você ainda não tenha desenvolvido tal sensibilidade... para perceber sem ver.

Assim acontece no plano da Fé.
É a Fé que nos faz ver o invisível e experimentar a sua realidade:
Deus ama você. Ele enviou seu Filho Jesus para indicar-lhe o caminho da salvação.
Jesus deu sua vida para que ninguém permanecesse na morte.
Com sua ressurreição revelou e nos trouxe aquela Vida Nova que, no profundo de seu coração, você deseja viver.

Nesta Páscoa do novo milênio, sintonize o que Jesus fez por você!

Descubra a beleza da Fé;
Agarre a força da esperança e do amor;
Sintonize o sentido profundo desta vida nova;
E corra... pra testemunhar a outros esta maravilha!
Feliz Páscoa! Você está vivendo-a.


Tarcila Tommasi

Referência: Mensagens para o ano todo - Vol 02

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

A FORÇA DA ACOLHIDA

Como faz bem quando damos espaço, em nossas vidas,
para acolher e integrar as pessoas no âmbito de nossa
convivência! Significa expressão concreta de hospitalidade e de
acolhida no contexto do diálogo e da partilha de dons próprios
de vida.

Valorizar e acolher são gestos significativos de
fraternidade e de nobreza humana dentro do contexto da dimensão
própria da vivência cristã. Significa reconhecer o outro,
levando em conta o valor da pessoa imbuída de dons comunitários.

Acolher é fruto de despojamento, de despir-se de
todo egoísmo e roupagem individualista. A sociabilidade acontece
no dialogo e no valor que damos aos que nos cercam, fazendo do
outro um “outro eu”. É como fazer uma boa obra para o irmão.

A fraternidade é acompanhada pala alegria e pela
bondade gratuita. Aí experimentamos a verdadeira generosidade
que vem do nosso coração. Não é gesto de teoria, de
princípios racionais, mas de sensibilidade do coração.

O bem que fazemos não deve vir de atitudes de
grandeza individualista, mas da simplicidade e do brilho da
verdade. É insensatez agir apenas com sensacionalismo e
organizações poderosas que estragam as pessoas.

A força da acolhida está em extirpar da vida
tudo que for inspirado e apoiado em vil egoísmo, vontade de
poder e opressão dos semelhantes. Dentro de um mundo
marcadamente egoísta não é fácil ter atitudes sinceras de
acolhida.

Na verdade, temos que aprender a usar a nossa
liberdade para viver bem em relação às demais pessoas. É
preciso saber reagir contra os conceitos que marcam a sociedade e
nos levam a ser insensíveis com os outros.

Não é fácil acolher as pessoas de pouca
importância social e usar de hospitalidade para com elas. Mas é
ato nobre na vida de quem o faz. Até os atos mais simples com
elas são extremamente valiosos.

Há o perigo do “ter brilho” na sociedade,
dando valor somente às pessoas graúdas e não levar em conta
uma criança e uma pessoa mais simples. Acontece que a verdade
sai da boca das pessoas mais pequeninas.

Dom Paulo Mendes Peixoto – Bispo de São José do
Rio Preto.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

ORAÇÃO DO CATEQUIZANDO

Querido e amado Deus,
Nós vos louvamos pelo nosso Batismo;
Concedei que possamos vivê-lo cada dia mais intensamente.
Sede a luz que ilumina nossos caminhos,
para que possamos compreender a cada dia os ensinamentos de tua palavra.
Firmai nossos pés na realidade do mundo em que vivemos.
Dai-nos olhos bem abertos para enxergar teu rosto em cada irmão e irmã;
Ouvidos atentos, em alerta, para ouvir-te quando de nós necessitares.
Assim como falaste pelos profetas;
Dá-nos boca para anunciarmos a Boa Nova;  
Joelhos para nos prostrarmos humildemente em oração diante de tua grandiosidade;  


  E um coração bondoso, sereno, sempre palpitante e emocionado;
Para experimentar ardentemente e sentir sempre o forte calor do teu amor.
AMÉM!


A ACOLHIDA NA CATEQUESE

     Vivemos uma “época em mudança”, onde a sociedade vai-se movendo em várias direções, em todos os âmbitos. Há um aparente esvaziamento espiritual e uma certa condição para a aceitação das realidades. Esta época é marcada pelas muitas opções oferecidas pelo mundo, que são caminhos diversos trazendo inúmeros desafios: maneira de pensar, de agir, inversão de valores, incluindo a religiosidade.
   Nós, enquanto Igreja, movimentos, pastorais, podemos ajudar a reverter essa situação tão preocupante em nossos dias, através de uma boa acolhida. As pessoas, de uma maneira geral, carecem de atenção, afeto, de serem ouvidas, de se sentirem elas mesmas. E o meio mais eficaz para exercer este acolhimento é a catequese. Acolher bem para catequizar melhor. Acolher bem na catequese é uma forma de se viver a própria fé e realizar com eficácia a missão que Jesus nos confiou.
   Na atualidade percebemos a grande necessidade de uma boa acolhida para com as crianças, adolescentes e jovens. Isso deve acontecer no seio da catequese, onde todos buscam conhecer um pouco mais sobre o Reino de Deus.  É através de um abraço, um sorriso, uma conversa amiga que se torna possível o encontro entre irmãos.
    Nosso mundo está carente de carinho e amor, pois está havendo um distanciamento entre as pessoas em vista do grande crescimento tecnológico, onde o ser humano muitas vezes é substituído por máquinas. Portanto, devemos investir no pequeno tempo que temos com os catequizandos, acolhendo-os bem, fazendo com que sintam o valor de serem amados, de serem irmãos como Jesus ensinou. Que nossa vida seja uma verdadeira acolhida uns dos outros.
          Ser acolhedor (a) é o primeiro sinal da presença de Cristo em cada momento e encontro de catequese. Através da acolhida carinhosa seremos capazes de levar as crianças, adolescentes e jovens a descobrirem o verdadeiro sentido do encontro amoroso com Deus. O próprio Jesus nos ensinou como sermos acolhedores. No Evangelho de Marcos (10,15-16), temos: “Eu garanto a vocês: quem não receber como criança o Reino de Deus, nunca entrará nele”. Então abraçou as crianças e abençoou-as, pondo a mão sobre elas. Jesus mostra como Ele acolhia e cativava a todos com um simples gesto de amor e carinho.
     Os gestos de acolhida devem expressar a forma de ser generoso e sincero, de modo que, ao abrirmos nossos braços, manifestemos nosso afeto para que o outro se sinta de fato acolhido. A acolhida se dá através do ouvir e escutar com interesse o que o outro diz. A acolhida é importantíssima em todo processo catequético. A mensagem da Boa Nova só produzirá frutos se o terreno a que se predestina for verdadeiramente humano. O encontro catequético marcado pelo acolhimento é uma expressão de fé cristã.  A relação da ternura amorosa com Deus, que a catequese quer provocar, passa pela experiência do acolhimento do catequista.  É evidente que a acolhida não se reduz apenas nos encontros catequéticos ou nas celebrações da comunidade, mas deve ser algo constante na vida do catequista.
Gestos de acolhida
·         Organizar bem o ambiente que se torne agradável e que possa motivar o catequizando para um encontro amoroso com Deus.
·  Começar os encontros com cumprimentos, saudações, sorrisos, abraços, apertos de mão.
·  Antes e depois dos encontros catequéticos, permanecer entre os participantes, interessando-se por eles, ouvindo seus problemas.
· Visitar as famílias dos catequizandos em ocasiões especiais, como aniversários, perdas.
· Servir-se da internet ou telefone para manifestar atenção e carinho.
Os atos de acolhida sinalizam a ação do Reino que purifica, redime e transforma o ser humano dando-lhe novo sentido de viver.

Irmã Dalva Aparecida Narciso, MNSG
Membro da Equipe Diocesana da Pastoral Bíblico-Catequética da Diocese de Caratinga

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

RELIGIÃO FAZ BEM À SAÚDE


Esse livro é fruto desses últimos anos de pesquisa na área de saúde pública. Religião e espiritualidade têm um papel na saúde. Estudos indicam que práticas religiosas podem alterar a química cerebral, como os níveis de serotonina e dopamina, que regulam o humor, a memória e o funcionamento geral do corpo.
 Mas o que acontece no cérebro e no organismo de uma pessoa quando está em oração ou meditação?
 Um grande número de estudos aponta  que /espiritualidade resulta em benefícios para a saúde.
 Neuroimagens permitem identificar, na estrutura do cérebro, as áreas que são envolvidas durante práticas religiosas e pesquisas evidenciam mudanças hormonais nos sistemas imunológico e nervoso autônomo.
 Pelo método científico, pode-se afirmar a religião como provedora de menor incidência de doenças coronarianas, diminuição dos batimentos cardíacos, redução de tensão muscular, da ansiedade, da depressão, da irritabilidade e do estresse, da pressão sanguínea, do aprimoramento da capacidade de aprendizagem da memória, da estabilidade emocional, maior e mais rápida recuperação de cirurgias. Pessoas religiosas tendem a viver mais e com melhor qualidade de vida.


 A religião parece ser um fator psicológico/social de extrema importância à saúde mental e a influencia religiosa, pelo discurso de castidade e fidelidade, pode ser meio de prevenção de DST´s, como HIV/AIDS, além de favorecer a abstenção de comportamentos não saudáveis, como álcool, tabaco e drogas.
 Dos laços sociais de pertença a uma Igreja ou a um grupo, resulta benefícios psicológicos, que podem ser outro fator para uma melhor saúde.
 O estimulo à esperança e ao pensamento positivo, também faz da religião, provedora de ganhos para a saúde.
 Evidenciando diferenças  estatisticamente  significativas, estudo indicou que as pessoas que foram criadas e permaneceram na mesma religião são mais propensas a relatar que estão em melhor saúde.

Espero que esse nosso trabalho possa contribuir, para além da produção científica, como um instrumento de evangelização.

 Pe Milton José Perretti


O livro "Religião faz bem à saúde", de autoria do padre Milton José Perretti, da paróquia São Pedro Apóstolo, de Avaré, foi lançado dia 16/12. Com 216 páginas o material é resultado da tese de mestrado em saúde pública defendida pelo religioso e de estudos científicos com base em autores especializados em medicina alternativa.

O novo título que será distribuído pelas livrarias Saraiva, Paulinas, Submarino e Lojas Americanas, faz uma abordagem a respeito dos benefícios que as práticas religiosas podem proporcionar, aumentando a qualidade de vida das pessoas.

O prefácio foi escrito pelo médico e governador de São Paulo, Geraldo Alckmin que, além de recomendar a leitura da obra, afirma que "quando o nosso sentimento é tomado por valores nobres, a vida automaticamente ganha força nova. É o caminho do equilíbrio e da saúde que passa a comandar a relação com o próximo e com nós mesmos".

EU E DEUS

Sou um ser muito especial,
Nasci do amor e para amar,
Igual a mim não há ninguém,
Sou obra divina e singular.

Sou o próprio amor,
Sou imagem e semelhança de DEUS,
Por isso, DEUS me confiou uma missão neste lugar,
Ser luz na vida das pessoas que necessitar.

Virtudes e valores são essenciais á natureza humana,
Fé, esperança e caridade tenho comigo,
Meu caminho vou seguir com retidão,
E a acreditar sempre na luz divina que brilha também na escuridão.

Acredito sempre em nosso DEUS maior, onipresente e onipotente,
ELE jamais desampara seus filhos amados,
Carrega-os em seus ombros nos momentos de aflição,
E se alegra quando O chama pelo nome.


É só chamar por ELE, Cante! Grite! Louve! Ame!
No pensamento, nas ações ou no lamento,
ELE está sempre pronto a nos atender,
É só ter fé, calma e esperança porque ELE nunca nos abandona.

ELE está em todos os lugares e em todas as pessoas,
Como em uma criança desamparada, em uma mulher grávida,
No homem angustiado pelo desemprego, na aflição das pessoas doentes,
E até mesmo no olhar de uma velha senhora abandonada pela família.

Sua obra é maravilhosa e divina, é só contemplá-la,
Em uma casa de João-de-barro ou em um ninho de beija-flor,
Nos cipós abraçando as árvores, nos lírios no meio das folhas secas,
Ou nos ipês enfeitando o cerrado em dias de seca.    

Autora: Maria Aparecida Carvalho Costa     

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

JESUS É ASSIM...

SE EU O BUSCO, SINTO SUA FORÇA
SE EU O CONHEÇO, SINTO SUA ATRAÇÃO
SE EU O AMO, SINTO O SEU ENCANTO
SE EU O SIGO, NUNCA VACILO
SE EU O ESCUTO, ENCONTRO A VERDADE
SE LHE QUERO BEM, ME SINTO FELIZ
SE O ACEITO, COMPREENDO O QUE É AMAR
SE ANDO COM ELE, ANDO EM PAZ
SE TRABALHO COM ELE, EU VIVO ANUNCIANDO-O
SE EU O TRATO MAL, ELE TRATA BEM
SE VIVO POR ELE, NUNCA MORREREI
ENTÃO, VALE A PENA VIVER
"POR CRISTO, COM CRISTO E EM CRISTO"
PORQUE NUNCA ESTAREI MAL
E JAMAIS MORREREI

Pe. Anacleto Ortigara, MS

sábado, 21 de janeiro de 2012

Uma reflexão no Dia Mundial da Religião


O Dia Mundial da Religião é uma oportunidade para todos nós refletirmos sobre os nosss valores espirituais e sagrados. Toda religião tem no seu embrião esta busca do ser humano de encontrar com o sagrado, com o Ente superior. Dentro de nós existe uma sede pelo sagrado e a humanidade desde suas origens na época das cavernas vive um busca incessante pelo Ser superior.

Deus se dá a conhecer a toda pessoa humana que o busca de coração sincero e Ele mesmo toma a iniciativa de se revelar e se manifestar aos homens, como é a crença das religiões monoteístas que domina a maior parte do universo religioso.

A religião alimenta e preenche o coração humano tão sedento de alimento para a alma e para o espírito. Ela coloca o homem no seu lugar e despoja as vestes do orgulho e das ambições materiais mostrando-nos que o homem não é o fim de tudo e que acima dele existem realidades superiores.

O homem sem religião é mais vazio de si mesmo e de valores. Não é menos importante ou menor do que ninguém, porém, a religião o torna mais digno da sua própria natureza humana e lhe dá certeza que ele não anda sozinho na complexa realidade da existência. O ser humano sem religião é mais pobre e mais pobre ainda é a religião que não respeita e valoriza o ser humano com seus valores existenciais sagrados.

A mais dura realidade do universo religioso são as guerras de fé e a intolerância religiosa quando uma crença não consegue conviver com outra crença diferente. As consequências são as mais desastrosas possíveis e a sociedade humana se torna mais insegura e perplexa diante de tamanhos absurdos. O valor e as crenças de qualquer religião são comprensíveis e respeitáveis. O que não se compreende e fica difícil de tolerar são as perseguições e lutas que nascem e que instalam-se em nome destas crenças.

A paz universal só será possível com a paz religiosa. Aliás, o fim de toda e qualquer religião deveria ser promover a paz e a harmonia. A humanidade evolui e as religiões não podem regredir. Quanto mais nos aproximamos de Deus, mais nos tornamos semelhantes a Ele. E o mundo está sedento da paz de Deus, do amor de Deus e da harmonia que vem do coração d'Ele.

Entre nós não fica bem falarmos do amor de Deus e promovermos discórdias e disputas religiosas. O Nosso único dever na promoção religiosa é promovermos a paz e o respeito entre todos os seres humanos.

Inclusive respeitar quem não cre como a gente ou ainda que não cre em nada. A verdadeira religião convence pelo testemunho do amor e não pela força. A verdadeira religião transforma o coração para Deus e para o amor e respeito ao próximo.

Pe. Roger Araújo
Jornalista, Comunidade Canção Nova

DECIDI TRIUNFAR...

E assim, depois de muito esperar, num dia como outro qualquer, decidi triunfar...
Decidi não esperar as oportunidades e sim, eu mesmo buscá-las.
Decidi ver cada problema como uma oportunidade de encontrar uma solução.
Decidi ver cada deserto como uma possibilidade de encontrar um oásis.
Decidi ver cada noite como um mistério a resolver.
Decidi ver cada dia como uma nova oportunidade de ser feliz.
Naquele dia descobri que meu único rival não era mais que minhas próprias limitações e que enfrentá-las era a única e melhor forma de as superar.
Naquele dia, descobri que eu não era o melhor e que talvez eu nunca tivesse sido.
Deixei de me importar com quem ganha ou perde.
Agora me importa simplesmente saber melhor o que fazer.
Aprendi que o difícil não é chegar lá em cima, e sim deixar de subir.
Aprendi que o melhor triunfo é poder chamar alguém de"amigo".
Descobri que o amor é mais que um simples estado de enamoramento, "o amor é uma filosofia de vida".
Naquele dia, deixei de ser um reflexo dos meus escassos triunfos passados e passei a ser uma tênue luz no presente.
Aprendi que de nada serve ser luz se não iluminar o caminho dos demais.
Naquele dia, decidi trocar tantas coisas...
Naquele dia, aprendi que os sonhos existem para tornar-se realidade.
E desde aquele dia já não durmo para descansar... simplesmente durmo para sonhar.

Walt Disney

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Se Deus for contigo

Se Deus for a tua Inspiração, os problemas, por maiores que sejam,
serão apenas barreiras que você poderá vencer.

Se Deus for o teu Orientador, na hora da dúvida, ficará bem claro,
o caminho que deverás seguir, após uma singela oração.

Se Deus for o teu Médico, saberás distinguir entre a doença carnal,
que precisa de médico, e a doença espiritual, que só Ele pode curar.

Se Deus for o teu melhor Amigo, você sabe que poderá contar com Ele
a qualquer hora, na alegria ou na tristeza, com ou sem dinheiro,
com coragem ou morrendo de medo, ele será teu ombro e te consolará.

Se Deus for o teu Confessor, você terá com quem desabafar,
falar dos seus erros, dos deslizes que todos cometemos,
e Ele te perdoará e aliviará a tua alma.

Se Deus for a tua Bandeira, e se por Ele lutares,
se não negares o Seu nome, o Seu amor e a importância Dele na tua vida,
então, Ele também não te negará, não te deixará desamparado.

Se Deus for contigo, nada te abalará, nem pedra que caia do céu,
nem terremoto que estremeça o chão, nem inimigos invisíveis da noite,
e você terá o maior tesouro que um homem pode alcançar na Terra,
terá a paz interior, essa paz te conduzirá a certeza,
e essa certeza será transformada em fé, e essa fé produzirá frutos,
e seus frutos se espalharão, e o mundo será melhor, e assim,
Deus será na sua vida, o que é, foi e sempre será: Tudo!

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

O ANO DA FÉ


                     Não podemos aceitar que o sal se torne insípido

No dia 11 de outubro de 2011, pela Carta Apostólica “Porta fidei”, o Papa Bento XVI proclamou um novo Ano da Fé, que será de 11 de outubro de 2012 a 24 de novembro de 2013, Solenidade de nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo, no cinquentenário da abertura do Concílio Vaticano II.

O último Ano da Fé proclamado por um papa foi em 1967 quando, após o Concílio Vaticano II, o Pontífice Paulo VI o proclamou e o encerrou com a sua "Profissão de Fé", o “Credo do Povo de Deus”. O objetivo era dissipar os erros de doutrina que se propagavam após o Concílio Vaticano II. Também para que houvesse, em toda a Igreja, “uma autêntica e sincera profissão da mesma fé”. Certamente, Bento XVI quer hoje também coibir os erros de doutrina que se espalham na Igreja.

O Papa Bento XVI começa dizendo que "não podemos aceitar que o sal se torne insípido e a luz fique escondida" (cf.Mt 5,13-16). "Trabalhai, não pelo alimento que desaparece, mas pelo alimento que perdura e dá a vida eterna" (Jo 6,27). O Santo Padre lembra que, na data de 11 de outubro de 2012, completam-se vinte anos da publicação do "Catecismo da Igreja Católica". Ele ressalta que convocou um Sínodo dos Bispos para o mês de outubro de 2012 tendo por tema "a nova evangelização para a transmissão da fé cristã".

O Pontífice fala efusivamente da importância do Concílio Vaticano II: "Sinto hoje ainda mais intensamente o dever de indicar o Concílio como a grande graça que beneficiou a Igreja no século XX. Nele se encontra uma bússola segura para nos orientar no caminho do século que começa”. Quero aqui repetir com veemência as palavras que disse a propósito do Concílio poucos meses depois da minha eleição para Sucessor de Pedro: "Se o lermos e recebermos, guiados por uma justa hermenêutica, o Concílio pode ser e tornar-se cada vez mais uma grande força para a renovação sempre necessária da Igreja”. Essas palavras do Papa fazem calar aqueles que se opõem ao Concílio.

O Ano da Fé, diz o Papa, é um “convite para uma autêntica e renovada conversão ao Senhor, único Salvador do mundo” (cf. At4,12). Teremos oportunidade de confessar a fé no Senhor Ressuscitado nas nossas catedrais e nas igrejas do mundo inteiro, nas nossas casas e no meio das nossas famílias”. O Papa quer que, neste Ano da Fé, tanto as comunidades religiosas como as paroquiais e todas as realidades eclesiais, antigas e novas, “façam publicamente profissão do Credo”. Ele quer que cada crente “confesse a fé plenamente e com renovada convicção, com confiança e esperança”.

O Papa lembra que a profissão de fé não pode ser apenas algo privado, no silêncio dos lares e da Igreja, mas pública: "Por sua vez, o professar com a boca indica que a fé implica um testemunho e um compromisso público. O cristão não pode jamais pensar que o crer seja um fato privado. A fé, precisamente por que é um ato da liberdade, exige também assumir a responsabilidade social daquilo que se acredita. No dia de Pentecostes, a Igreja manifesta, com toda a clareza, esta dimensão pública do crer e do anuncia a própria fé a toda gente”. Assim, o Papa pede uma ação clara contra o laicismo anticatólico agressivo que quer confinar a fé nas casas e nas igrejas.

Fortemente, o Papa Bento XVI chama a atenção para o uso do "Catecismo da Igreja" no Ano da Fé. "Para chegar a um conhecimento sistemático da fé, todos podem encontrar um subsídio precioso e indispensável no Catecismo da Igreja Católica. o Beato João Paulo II escrevia: “Este Catecismo dará um contributo muito importante à obra de renovação de toda a vida eclesial (...). Declaro-o norma segura para o ensino da fé e, por isso, instrumento válido e legítimo ao serviço da comunhão eclesial”. “O Ano da Fé deverá exprimir um esforço generalizado em prol da redescoberta e do estudo dos conteúdos fundamentais da fé, que têm no Catecismo da Igreja Católica a sua síntese sistemática e orgânica. Nele, de fato, sobressai a riqueza de doutrina que a Igreja acolheu, guardou e ofereceu durante os seus dois mil anos de história.

Desde a Sagrada Escritura aos padres da Igreja, desde os mestres de teologia aos santos que atravessaram os séculos, o Catecismo oferece uma memória permanente dos inúmeros modos em que a Igreja meditou sobre a fé e progrediu na doutrina para dar certeza aos crentes na sua vida de fé. O Catecismo da Igreja Católica apresenta o desenvolvimento da fé até chegar aos grandes temas da vida diária. Repassando as páginas, descobre-se que o que ali se apresenta não é uma teoria, mas o encontro com uma Pessoa que vive na Igreja. Na mesma linha, a doutrina do Catecismo sobre a vida moral adquire todo o seu significado se for colocada em relação com a fé, a liturgia e a oração”.
E continua o Papa: “No ano em questão, o Catecismo da Igreja Católica poderá ser um verdadeiro instrumento de apoio da fé, sobretudo para quantos têm a peito a formação dos cristãos, tão determinante no nosso contexto cultural”.

Por fim, o Papa pede que, ao longo deste ano, mantenhamos o olhar fixo sobre Jesus Cristo, “autor e consumador da fé” (Heb 12,2); pois “o justo vive pela fé” (Hab 2,3; Rm 1, 17; Gal 3. 11; Hb 10,38) e “sem fé é impossível agradar a Deus” (Hb 11,6).


Felipe Aquino
felipeaquino@cancaonova.com

UMA ESTRADA SÓ SUA


Há uma estrada cujo único dono e
senhor é Você:

É a Estrada do Seu Pensamento.

Nela você também é o único
vigilante rodoviário.

Você tem se aplicado algumas merecidas multas?

Note que a Estrada do Seu Pensamento pode ser percorrida do jeito que
você quiser escolher.

Nela, as placas de sinalização é você quem faz e elas sempre o levarão para onde você deixar.

Perceba que lombadas e valetas também são colocadas por você, portanto você é o único responsável pelo conforto ou desconforto de suas “viagens.”

Você pode escolher as paisagens:
Árvores verdes e viçosas ou troncos secos e cheios de cupins.

Poderá, ainda, entrar por túneis ricamente iluminados ou pelos escuros e sombrios, pondo-se à mercê de atropelamentos, trombadas e graves acidentes.

Nela há também os passantes que é
você quem escolhe, e eles poderão acompanhá-lo em suaves e repousantes passeios ou encher seu caminho das mais variadas pontiagudas
e perigosas pedras.

Observe as retas, as curvas, os atalhos, as bifurcações e os bloqueios que é você mesmo quem coloca.

A Estrada do seu Pensamento não é de mão única e você pode retornar
sempre que decidir.

Lembre-se que há pontos onde pode começar a insanidade ou a verdadeira saúde mental, a tristeza ou a alegria.

A bênção ou a maldição, um recomeço,
uma Nova Vida ou a queda para
um amargo fim.

AONDE VOCÊ QUER CHEGAR?

Há todo tipo de operário nessa estrada, mas você é o Chefe!

Autora: Silvia Schmidt

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

EXPLICAÇÃO DO CARTAZ DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2012


Atualiza o encontro do Bom Samaritano com o doente que necessita de cuidado Lc 10,29-37
A mão do profissional da saúde segurando as mãos do doente afasta cultura da morte e viabiliza a acolhida entre irmãos (o próximo). 
A Igreja como mãe, na sua samaritanidade, aproxima e cuida dos doentes, de todos que se encontram à margem do caminho.

O profissional de pé, o enfermo sentado, olhos nos olhos, lembra a acolhida e o compromisso do profissional de saúde, gera relação de confiança.
A cruz que sustenta e ilumina o sentido do cartaz recorda a salvação que Jesus Cristo nos conquistou
A alegria do encontro recorda aos profissionais da saúde que foram escolhidos para atualizar em a atitude do Bom Samaritano em relação aos enfermos.


Oceanos são feitos de gotas d’água


Para ser ouvido, fale.

Para ser compreendido,

exponha claramente as suas idéias

sem jamais abrir mão

daquelas que julga fundamentais

apenas para que os outros o aceitem.

Acima de tudo,

busque o prazer antes do sucesso,

a auto-realização antes do dinheiro,

fazer bem feito  antes de pensar

em obter qualquer recompensa.

Nenhum reconhecimento externo

vai substituir a alegria

de poder ser você mesmo:

“status” é comprar coisas que você não quer

com o dinheiro que você não tem

a fim de mostrar para gente

que você não gosta

uma pessoa que você não é.

Nada tem graça  se não for

bom para o seu corpo,

leve para o seu espírito e agradável

para o seu coração.

Para conseguir, tente sem pensar

que o êxito virá logo da primeira vez.

Cuide de ter saúde, energia,

paciência  e determinação

para continuar tentando

quantas vezes forem necessárias.

Mas ao perceber que

já fez  tudo o que pôde

ou até mesmo um pouco além

mude de alvo para não se tornar,

em vez de um vitorioso,

apenas mais um teimoso.

Para poder recomeçar sempre,

perdoe-se pelos fracassos

e erros que cometer,

aprenda com eles e, a partir deles,

programe suas próximas ações.

Nunca se deixe iludir

que será possível  fazer tudo

num dia só ou quando tiver

todos os recursos:

tal dia nunca virá.

Para manter-se motivado, sonhe.

Para realizar, planeje,

pensando grande e fazendo pequeno,

um pouco a cada dia

e todos os dias um pouco,

porque são pequenas gotas d’água que

fazem todo grande oceano.

Pe. Zezinho, scj

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

ATITUDES BENDITAS

Acordar

Decida ter um bom dia. Então, ao abrir os olhos e espreguiçar o corpo, agradeça a Deus pela noite de sono, pela cama, pelo teto, pela coberta, pelo travesseiro, por ter acordado para um novo dia.

 “Este dia foi especialmente preparado pelo Senhor; vamos nos alegrar, vamos festejar por causa dele.” (Sl 118.24)

Vestir

Vista-te, em primeiro lugar, de bom humor, de um sorriso agradável, de uma esperança renovada; senão, não vai adiantar escolher uma bela e elegante roupa se a face não estiver condizente.

 “O Senhor não vê como o homem: o homem vê a exterior, o Senhor vê o coração.”  (I Sm 16.7)

 Lavar as mãos e o rosto

Lavar as mãos e o rosto não é somente uma atitude de higiene corporal, mas de higiene espiritual. Este ato contribui para lavar os olhos que choraram de tristeza, das marcas de dor, fisionomia de derrota… Ao lavar o rosto jogue todos esses sentimentos que trazem angústia pelo ralo.

 “Lavai-vos, purificai-vos, tirai a maldade de vossos atos… Lava-me completamente da minha iniqüidade e purifica-me do meu pecado.” (Is, 1;16 e Sl 51,2)

Falar

Quando falar, pronuncie apenas palavras que abençoe a vida de alguém; se vai repreender alguém, faça-o com amor e sabedoria; proclame a sua opinião apenas quando foi solicitada; fale o necessário e somente e quando tiver algo de bom a acrescentar.

 Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem toma cuidado com o que diz está protegendo a sua própria vida…

O mexeriqueiro espalha os segredos; por isso fique longe de quem fala demais.” (Tg. 4,11; Pv 13,3 e 20,19)

Calar

Saber falar é sábio; mas saber calar é divino. Neste dia, cala-te para não contender; cala-te para não ferir; cala-te para não julgar; cala-te para não pecar. O Senhor Deus nos deu dois ouvidos e uma boca, com o propósito de ouvirmos mais e falarmos menos.

“tempo de estar calado e tempo de falar. Põe guarda, Senhor, à minha boca; vigia a porta dos meus lábios”. (Ec. 3,7 e Sl. 141,3)

Erguer a cabeça

Estar triste é normal, mas viver triste não é atitude daquele que crê em Jesus. Ergue, agora, a tua cabeça e contemple o céu. Veja, sinta e alegra-te com esta maravilha que Deus, hoje, te proporcionou. Muitos não podem ter este privilégio – são cegos ou já se foram. Não esqueça, Jesus venceu o mundo para te dar vitória.

“Tudo posso n’Aquele que me fortalece”. (Fp. 4,13)

 Esforçar

As pessoas têm sonhos a alcançar, planos a realizar e projetos a concretizar, mas poucos estão dispostos a esforçar-se para consumá-los. Tenha bom ânimo e esforça-te em tua caminhada.

 “No mundo tereis aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo. Confia no Senhor de todo o teu coração e não estribes no teu próprio entendimento. Reconheça-o em todos os teus caminhos e ele endireitará as tuas veredas.”

(João 16,33 e Pv 3,5-6)

 Posicionar

Tomar uma posição na vida é buscar aquilo que dá sentido a ela. Posiciona o teu caminho n’Aquele que pode endireitar teus maus caminhos; posiciona o teu querer n’Aquele que quer o melhor para a tua vida; posiciona o teu sonho ou projeto em direção Aquele que pode realizá-lo; posiciona a tua fé n’Aquele que te ama mais do que imaginas; posiciona-te perante Aquele que te fez, para receberes as bênçãos prometidas. Posiciona-te aos pés de Jesus Cristo e espera n’Ele que, tudo o mais, Ele fará.

 “E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos. Portanto, enquanto temos oportunidade, façamos o bem (…) prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” .

(Gl 6,9-10; Fp. 3,14)

 Orar

Gostas de conversar? Pois saiba que orar é conversar com Jesus. Da mesma maneira que conversas com alguém, fale com Ele que está com os ouvidos atentos, os olhos abertos e as mãos estendida à oração que fizeres. Ele é o melhor Amigo, que não cansa de te ouvir; Ele é o Pai mais amoroso, que faz o impossível para te abençoar; Ele é o Companheiro mais fiel, que está do teu lado em todos os momento; Ele é o Senhor dos céus e da terra, que criou tudo para te fazer feliz; Ele é o Deus Todo-Poderoso, que tudo pode, tudo vê, tudo sabe e nunca te abandonará.

 “Não andeis ansiosos por coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica”. (Fl 4,6)

Crer

Creia que terás um dia abençoado, e terás. Creia que serás um bom amigo neste dia, e serás. Creia que irás consolar um coração aflito, e consolarás. Creia que dar é melhor que receber, e receberás muito mais do que tens pedido ou imaginado. Creia que Jesus é o Filho de Deus, que derramou Seu precioso sangue na cruz do calvário pelos teus pecados;, e serás chamado, também, de Filho de Deus; creia nas Escrituras Sagradas e nas palavras pregadas por Jesus e será salvo, tu e a tua casa.

 “Não temas, crê somente. Tudo é possível ao que crê. (…) quando em oração pedirdes, crede que recebestes, e será assim convosco. Todo aquele que nele crê receberá remissão dos pecados.”

(Mc. 5,36; 9,23; 1,.24; At. 10,43)

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

PALAVRAS...

Para escrever é preciso saber:
o valor de cada palavra e a essência que ela carrega.
É preciso saber de onde ela vem, as transformações porque passou no decorrer do tempo e o que ela carrega em si.
Que marcas o tempo lhe deixou.
A palavra é extremamente sensorial:
tem som, cheiro, cor, textura, sabor, sentimento, emoção.

Uma palavra pode ter muitos sentidos, por isso, ela não pode andar solta por aí.
A palavra tem até espaço, duvida?
Às vezes ela cabe direitinho no que queremos dizer, outras vezes, não. Fica estranha, parece um peixe fora d'água. Aí, precisamos procurar outra palavra. E quando ela confunde a gente? Aposto que já aconteceu com você. Eu já perdi até a conta das vezes que aconteceu comigo. Mas não vamos pros números agora. Que aí é outra história e seria outra crônica.
Eu já ouvi tanta palavra por aí.
Palavra que liberta.
Palavra que magoa.
Palavra doce.
Palavra amarga.
Palavra de amor.
Palavra de paz.
Há palavra que escapa, e acaba se perdendo pelo mundo afora.
Mas há palavra que fica martelando em nossa cabeça.
Umas ficam bem perto do coração, pois entram nele, sem cerimônia alguma.
E ficam anos e anos.
Espero que sejam boas as palavras que você carrega em seu coração.


Maria Goretti de Oliveira, fsp

sábado, 14 de janeiro de 2012

PROMOÇÃO CATEQUESE E PARTILHA E SELINHO BOM D+


TEM PROMOÇÃO ROLANDO  LÁ NO BLOG CATEQUESE E PARTILHA, APROVEITE FAÇA UMA VISITINHA E PARTICIPE.




SER CATEQUISTA DE CRIANÇAS É BOM DEMAIS

OBRIGADA JONATHAN POR MAIS ESTE SELINHO

VISITEM SEU NOVO CANTINHO DE CATEQUESE

CREDO DOS CATEQUISTAS

Creio em Ti, Senhor,
Luz da minha vida.
Creio em Ti, Senhor
Que me dás a Tua mão
E me ajudas a levantar
Quando caio nas pedras dos caminhos estreitos
À Tua procura. 
Creio em Ti, Senhor,
Que me dás força para recomeçar,
Quando penso que tudo está
Perdido!
Creio em Ti, Senhor,
Mas abre ainda mais o meu coração
Para eu poder aumentar a minha fé
E poder transmiti-la aos outros. 
Senhor,
Enche de fé e esperança
O meu coração
E não permitas
Que a dúvida ou o desespero
Dele se apodere. 
Clara
(Senhora do Calvário)

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

A CASINHA E O AMOR

“Imagine quantas casas existem na região onde moramos? E nos campos espalhados no mundo inteiro? À beira-mar? Nas pequenas cidades e nas grandes então? São milhares de casas, não só de casas... mas de prédios com vários apartamentos. Não podemos esquecer que existem casas também debaixo das pontes, dos viadutos, nas ruas e calçadas.
Existem casas onde mora uma só pessoa... Em outras moram pequenas famílias e em algumas não mora ninguém: estão abandonadas...mas existem casas que estão cheiinhas, repletas de pessoas!
E em minha casa? Quantas pessoas moram nela?  sabemos também que dentro de cada uma das pessoas que moram nos milhares de casas espalhadas no mundo inteiro, portanto  também dentro de mim, existe uma casinha, uma morada!  Você já sabe que casinha é esta? O Coração!
Muitas vezes esta casinha encontra-se: sonolenta, doente, suja, impressionante... aparentemente parece estar feliz!
Outras vezes, esta casinha, encontra-se cheia de mágoas, raiva, ressentimentos, até ódio, insatisfação, angústia... enfim... toda chagada. E tristemente esta chaga se expande e contamina (envolve) outras pessoas que estão perto da gente: o esposo, a esposa, os filhos, os parentes, vai se estendendo até chegar o vizinho e quando menos se pensa já contaminou a Cidade... o País... o mundo!
Mas nem tudo está perdido... estas chagas da nossa casinha têm cura... só é preciso muito exercitar... é preciso ter força de vontade; ou seja; querer curar as chagas desta morada... sabe porque depende só de mim???
Porque Alguém maravilhoso que se chama JESUS, um dia, tomou sobre si os nossos pecados, as nossas chagas. Jesus carregou paciente e amorosamente a Cruz dos nossos pecados, as nossas aversões a Deus. Nas Suas Santas Chagas nós fomos curados. De tal maneira que podemos voltar-nos a DEUS N’ELE e por causa D’ELE, de Sua Cruz...
Através da minha conversão diária, através da minha obediência às Suas Leis e aos Seus ensinamentos... através da aceitação das pequenas cruzinhas diárias, paciente e amorosamente como Ele aceitou a pesada Cruz  dos meus pecados... assim, vou me exercitando...
Seguindo o Exemplo, a Vida e os Ensinamentos de Jesus... sabemos que Ele  nos deixou os Sacramentos e... através do arrependimento contrito e sincero, através da Confissão dos meus pecados, com um Sacerdote da Igreja Católica, a quem Deus deu poder “autoridade” para absolver os pecados em Nome D ’Ele : “-Eu te absolvo”, diz o Sacerdote em Nome de Jesus, no lugar de Jesus, estarei assim  me esforçando para curar as chagas da minha morada: do meu coração...e contribuindo para a cura das chagas do mundo, especialmente daqueles que estão mais próximos de mim...e Deus espera isto de cada um de nós.
Assim nosso coração ficará forte, sadio, alegre, limpinho, saudável para o céu... contagiando outros corações, com seu brilho, seu amor, sua luz.
Jamais poderemos nos esquecer que estando Jesus na Cruz, Ele nos entregou Maria como nossa Mãe. E a Maternidade de Maria, não conhece limites de raças, tempo ou lugar, ela se expande em horizontes universais... e neste universalismo descobrimos outro básico especial para nossa conduta e relações sociais: Todos somos irmãos. Devemos ajudar uns aos outros, levando-os todos à Deus.
Aceitando Maria como nossa Mãe e nos entregando à Ela : Maria cuidará de cada um de nós como cuidou do Seu pequeno Jesus: carinhosa e amorosamente, ornando nossos corações com Suas Virtudes: oração, obediência, humildade, pureza, silêncio, pequenez, perfeito abandono e confiança... e, com as flores da Sua Graça. Maria triunfará desde já nele e o preparará , transformando-o numa morada tão bela, que o Pequeno Jesus, escondido na pequenina Hóstia branca, se regozijará em habitar nele.
E Jesus, ao estabelecer Sua morada em nosso coração... já triunfará Eucaristicamente nele. Assim o Reino Eucarístico de Jesus já começa a acontecer... em cada coração... até que chegue o dia então que não mais existirão corações chagados, mas corações cheios de muito amor... onde reinarão  para sempre: JESUS e MARIA !
O Mundo estará então ornamentado com as flores de amor, de Paz e de Justiça, terá então se instaurado o Reino de Maria e de Jesus no mundo... e todos estarão reunidos (Um só Rebanho) em uma Comunidade de Amor ( pessoas de todas as raças) ao redor de um único Pastor (Pedro), cujo centro desta Comunidade de Amor será: JESUS EUCARÍSTICO! ”.
     

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Ei, você!!! Sorria...

atrás desse sorriso...
Mostre aquilo que você é,sem medo...
Existem pessoas que sonham com o seu sorriso,
assim como eu...
Viva! Tente!
A vida não passa de uma tentativa.
Ei, ame e acima de tudo, ame a tudo e a todos.
Não feche os olhos para a sujeira do mundo...
Não ignore a fome!
Procure o que há de bom em tudo e em todos.
Não faça dos defeitos uma distância e sim,
uma aproximação.
Aceite a vida, as pessoas...
Faça delas a sua razão de viver...
Entenda!
Entenda as pessoas que pensam diferente de você.
Não as reprove!
Ei, olhe...
Olhe a sua volta quantos amigos...
Você já tornou alguém feliz hoje?
Ou fez alguém sofrer com o seu egoísmo?
Ei, não corra.
Para que tanta pressa?
Corra apenas para dentro de você...
Sonhe!
Mas não prejudique ninguém
e não transforme seu sonho em fuga.
Acredite!
Espere!
Sempre haverá uma saída,
Sempre brilhará uma estrela.
Chore, lute!!!
Faça aquilo que gosta, sinta o que há dentro de você.
Ei, ouça...
Escute o que as outras pessoas têm a dizer... É importante!!!
Suba...
Faça dos obstáculos, degraus para aquilo
que você acha supremo.
Mas não esqueça daqueles
que não conseguem subir a escada da vida.
Ei, descubra!!!
Descubra aquilo que há de bom dentro de você.
Procure acima de tudo ser gente...
Eu também vou tentar.
Ei, você...
Não vá embora.
Eu preciso dizer-lhe que...
Te adoro...
Simplesmente...
Porque...
Você existe!!!

CHARLES CHAPLIN

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Oração do Anoitecer


Boa noite, Pai.
Termina o dia, e a ti entrego o meu cansaço.
Obrigado por tudo e... perdão.
Obrigado pela esperança que hoje animou meus passos,
pela alegria que vi no rosto das crianças.
Obrigado pelo exemplo que recebi dos outros.
Obrigado, também, pelo que me fez sofrer...
Obrigado, porque naquele momento de desânimo
me lembrei que tu és meu Pai.
Obrigado pela luz, pela noite, pela brisa, pela comida,
pelo meu desejo de superação.
Obrigado, Pai, porque me deste uma Mãe,
compreensiva e carinhosa.
Perdão, também Senhor.
Perdão por meu rosto carrancudo.
Perdão porque me esqueci de que não sou filho (a) único (a),
mas irmão (ã) de muitos.
Perdão, Pai, pela falta de colaboração,
pela ausência do espírito de servir.
Perdão porque não evitei aquela lágrima,
aquele desgosto.
Perdão por ter aprisionado em mim
tua mensagem de amor.
perdão porque não estive disposto
a dizer "sim", como Maria.
Perdão por aquele que deveriam pedir-te perdão
e não se decidem a fazê-lo.
Perdoa-me, Pai, e abençoa meus propósitos
para o dia de amanhã.
Que ao despertar me domine um novo entusiasmo.
Que o dia de amanhã seja um contínuo "sim",
numa vida consciente.
Boa noite, Pai. Até amanhã!

ORAÇÃO DOS QUE QUEREM CRER


    Senhor, olha bem para mim!/ Paira teu olhar sobre a minha vida. / Sei que tu me olhas, que tu me vês, que tu me amas! / Minha vida é toda ela banhada na fé que tu vives! / Creio na vida, Senhor Jesus, na vida que tu me dás, que tu me concedes, que tu me ofereces. / Creio que tua vitória sobre a morte, / sobre a morte dos desânimos, / sobre a morte das falsidades, / sobre a morte das desuniões, / sobre a morte do não-sentido da vida é o que / existe de mais verdadeiro. / Creio solenemente que saído do mundo / da morte tu vives solenemente. / Creio e jubilosamente te afirmo agora: / tu és o vivo que dás vida, / É, Senhor, mas hoje, teu amigo tomé me fez pensar. / Muitas vezes tenho vontade de colocar meus dedos nas tuas chagas, vontade de colocar / minha mão no teu lado aberto para ter certeza... É Senhor, ás vezes eu quero ter certeza... / A fé me parece um risco, parece que eu estou me embrenhando numa noite escura... / Os outros, os outros dizem que é mentira minha fé, os outros dizem que estou enganado e eu fico perplexo, confuso, perdido. / O que parece importante é certos momentos / é responder mal com mal, a desesperança / com maior desespero, falsidade com a falsidade. / Parece que não creio que tu és vivo / e que continuas a me dar forças para viver o teu sonho dourado de fazer do mundo / uma imensa casa de irmãos. / É por isso que nesta hora solene em que estou contigo eu grito com Tomé: Meu Senhor e Meu Deus. / Meu Senhor e meu Deus. / Eu quero loucamente, desesperadamente, intensamente gritar: Meu Senhor e meu Deus.

Livro do Catequista: EUCARISTIA Sacramento da Comunhão. CNBB - Regional NE 3.

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

SEU NOME É JESUS

Deus veio até sua casa, desdizendo-se de sua glória.
Pediu licença ao ventre de uma menina sacudido por um decreto de César e se tornou um de nós: um palestino entre tantos, em sua rua, em número, semi-artesão de toscas tarefas, que vê passar os romanos e as andorinhas, que morre depois, de morte ruim, matada, fora da cidade.

Já sei que faz muito que o sabeis, que vo-lo dizem, que o sabeis friamente porque vo-lo disseram com palavras frias... eu quero que o saibais de repente, hoje, quiça, pela primeira vez, absortos, desconcertados, livres de todo mito, livres de tantas mesquinhas liberdades.

Quero que vo-lo diga o Espírito, qual machadada em tronco vivo!
Quero que sintais como um esto de sangue no coração da rotina, em meio a esta carreira de rodas entrechocadas.

Quero que tropeceis com ele como se tropeça com a porta de casa, retornados da guerra, sob o olhar e o beijo impaciente do Pai.

Quero que o griteis como um alarido de vitórias pela guerra perdida, ou como o parto sangrante da esperança no leito de vosso tédio, noite adentro, apagada toda ciência.

Quero que o encontreis, em um total abraço, companheiro, amor, resposta.
Podereis duvidar de que haja vindo para casa, se esperais que vos mostre a patente dos prodígios, se quereis que vos sancione a desídia da vida.

Mas não podeis negar que seu nome é Jesus, com patente de pobre.
E não podeis negar-me que o estais esperando com a louca carência de vossa vida rejeitada como se espera o sopro para sair da asfixia quando a morte já se enroscava ao pescoço, como uma serpente de perguntas.

Seu nome é Jesus.
Seu nome é como seria nosso nome se fôssemos de verdade, nós mesmos.


Pedro Casaldáliga

Mensagens para o ano todo - Vol 02

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

CRESCENDO NA FRICÇÃO

Ouvi uma antiga parábola.
Deve ser muito velha mesmo,
pois naquela época Deus costumava morar na Terra:

"Um dia, um velho fazendeiro veio a Deus e disse-lhe:
- Olha, você pode ter criado o mundo, mas preciso lhe dizer uma coisa.
Você não é fazendeiro. Não sabe nem o bê-a-bá da agricultura.
Você tem muito o que aprender.

Ao que Deus respondeu:
- O que você sugere?
- Dê-me um ano e permita que as coisas sejam de acordo com a minha vontade. E veja o que acontecerá: não haverá mais pobreza!

Deus concordou e um ano foi dado ao fazendeiro. Naturalmente, ele pedia e pensava somente no melhor.
Nada de trovões, de ventos fortes, nenhum perigo para a safra.
Tudo confortável, aconchegante.
O fazendeiro estava muito feliz.

O trigo crescia tanto!
Quando queria sol, havia sol.
Quando queria chuva, havia chuva,
o tanto que quisesse.
Nesse ano, tudo estava certo.
Matematicamente preciso.

O trigo estava crescendo muito.
O fazendeiro procurava Deus e dizia:
- Olhe! Desta vez a safra será tão grande que, por 10 anos, mesmo que as pessoas não trabalhem, haverá comida suficiente!

Mas quando fizeram a colheita, não havia grãos. O fazendeiro ficou surpreso e perguntou a Deus:
- o que aconteceu! O que saiu errado?

E Deus respondeu-lhe:
- Por não existir desafio, conflito, fricção, já que você evitou tudo de ruim, o trigo permaneceu impotente.
Uma pequena fricção é uma necessidade. As tempestades, os trovões e os raios são necessários.
Eles agitam a alma dentro do trigo". (Osho)

É, nada fácil! Há momentos em que daríamos tudo por uma chance de pedir a Deus para não corrermos riscos. Mas o risco é necessário.
É importante poder enfrentar as dificuldades, o desconhecido e o incerto. Percebemos que algumas pessoas fazem opção pelo porto seguro das certezas, mas outros acolhem a alma agitada e constróem o novo.

Mas como enfrentar essas turbulências? O auto conhecimento, a vontade de crescer, evoluir e progredir são decisivos.
A sensibilidade, a criatividade e a ética são nossos maiores aliados.
É preciso também termos paciência, pois uma boa colheita necessita de tempo e espera. Necessita também de tempestades, trovões e raios.
Afinal, "eles agitam a alma dentro do trigo!".


Ana Paula Carvalho Pereira

sábado, 7 de janeiro de 2012

SENTE-SE...


Sente-se à beira do amanhecer,
o sol nascerá para você.

Sente-se à beira da noite,
as estrelas brilharão para você.

Sente-se à beira do riacho,
o rouxinol cantará para você.

Sente-se à beira do silêncio,
Deus falará com você.


L. Vahira

Epifania do Senhor, onde a estrela parou


Que tenhamos atitudes benditas de humildade

Com a festa de Epifania, a Igreja celebra a manifestação de Jesus ao mundo. Epifania, palavra de origem grega, significa "manifestação externa, aparecimento". No mundo helenista, a palavra era usada para exprimir a chegada de um imperador em visita aos territórios de seu domínio. O uso tradicional desta palavra, para indicar esta narrativa do nascimento de Jesus, em Mateus, induz a uma interpretação gloriosa deste nascimento.

Mateus apresenta Jesus como a luz e a glória de Deus para o povo de Israel, sendo a Ele que os povos vêm em adoração, em uma perspectiva universalista, a qual está presente também no pensamento de São Paulo, na segunda leitura do domingo da Epifania do Senhor.

A menção da estrela que guia os Reis Magos é uma alusão à estrela de Jacó, que, depois, se transformou na estrela de Davi, com seis pontas e doze lados, associando Jesus ao messianismo davídico. Assim também se dá com o nascimento em Belém, que era tida como a terra de origem de Davi. Todos estes acentos messiânicos o evangelista os fazia para convencer sua comunidade de cristãos originários do judaísmo que, em Jesus, se realizavam as suas expectativas messiânicas, conforme a tradição do Antigo Testamento.

A estrela que guiou os Reis Magos parou num humilde presépio, onde nascera o Menino Jesus e onde Maria e José permaneceram por algum tempo, cuidando, contemplando e adorando o Menino-Deus. A estrela leva a Jesus. O ambiente é rústico, simples e pobre, mas a estrela indica a grandeza do Filho de Deus, que se tornou humano para que nós pudéssemos nos tornar divinos.

Na nossa vida, o Espírito Santo também se faz estrela, conduzindo-nos a Jesus. Que cada um de nós, como os Reis Magos, aprenda a seguir, com admiração, interesse e amor essa estrela que sempre quer brilhar para nós.

Neste nosso primeiro artigo do ano da graça de 2012, quero expressar meu agradecimento a todos os que me acompanham, partilhando a Palavra de Deus, conforme nos exortou o Papa Bento XVI para que usássemos de todos os aeropágos para pregar o Evangelho de Jesus Cristo.

Que tenhamos, nesta solenidade, as atitudes benditas de humildade, solidariedade, alegria, serviço fraterno. Eis a lição que o Cristo do presépio, o Cristo da Epifania, vem trazer para nós. Somente colocando em prática a Sua mensagem é que saberemos construir e merecer a felicidade eterna, que pode ser vivida ainda aqui neste mundo. A estrela para em Jesus. Vamos, como os simples pastores ou como os Reis Magos, seguir essa estrela, que nos faz construir a paz e o amor.

Que no ano de 2012, sejamos mais fraternos, solidários vivendo sempre à luz de Cristo, o Redentor, que se manifesta ao mundo para que, no Seu seguimento, sejamos homens e mulheres mais gente.

Dom Eurico S. Veloso
Arcebispo Emérito de Juiz de Fora (MG)


sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

A VISITA DOS REIS MAGOS


Mal viram a estrela no oriente, eles deixaram seus reinos, seus bens, seus povos, e partiram. E tinham um único objetivo: homenagear e adorar um menino que seria rei de um reino sem fim.


Eram eles mesmos reis e entendiam quão fugaz podia ser o poder, quão breve era a vida dos soberanos e quão incerta era a sorte dos reinos. Diante, pois da certeza confirmada pela estrela, prevista pelas profecias pelos homens, eles se puseram a caminho.Iam como peregrinos, despojados das glórias da coroas, livres como as aves que atravessavam céleres o deserto em busca de água e vida. Não evitavam o dia, não temiam a noite; não confundiam as estradas, não pediam guias. Nutria-os um desejo imenso, como que o desejo do mundo, o desejo do encontro, da revelação da verdade, do porto definitivo onde atracar a própria existência. Mais do que guiados pela estrela do oriente, iam orientados pela convergência de toda a história, pela reunião de todos os astros que se ofuscavam diante da noticia da chegada de Deus entre os homens.

E não hesitaram em se ajoelhar e se curvar diante de um menino pobre, pois a majestade não está no trono, nem nos palácios, nem nos tesouros. E não ousaram questionar os pais, guardiões do segredo, e não tardaram em oferecer seus presentes, dons de sua consumada e fervorosa submissão. Ali adorando um menino, eram senhores de si, mais soberanos do que jamais foram.

Voltaram para sua região por outro caminho, não só para evitar Herodes, mas por que os caminhos agora eram novos. Não sabemos exatamente como foi aquela visita, apenas que eles se prostaram e adoram. Não sabemos exatamente como será o desenrolar de nossos dias, bastaria apenas que, diante do Menino, nos prostrássemos em adoração. Com certeza, nossos caminhos seriam sempre novos.