Seguidores

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

CREIO NA VIDA ETERNA


Sozinho ou em comunidade, ao rezar o “Credo” você proclama solenemente: Creio na vida eterna. O que quer dizer essa afirmação? Em que você realmente acredita?

A morte, para o cristão, longe de ser o fim de tudo, é a possibilidade de um encontro com Jesus Cristo; é a entrada na vida eterna. Com ela, termina o tempo aberto ao acolhimento ou à recusa da graça divina.

O Novo Testamento fala da retribuição que cada um receberá, após sua morte, em função de sua fé e das obras que realizou. Vemos isso na parábola do pobre Lázaro (Lc 16, 19-31), nas palavras de Cristo ao Bom Ladrão (Lc 23, 39-43) e em expressões como a do apóstolo Paulo: “Porque teremos de comparecer diante do tribunal de Cristo. Ali cada um receberá o que mereceu, conforme o bem ou o mal que tiver feito enquanto estava no corpo” (2Cor 5,10).

O autor da Carta aos Hebreus apresenta uma afirmação na mesma linha: “Está determinado que os homens morram uma só vez e logo em seguida vem o juízo” (Hb 9,27). Portanto, cada pessoa, depois da morte, receberá a retribuição eterna, num juízo que colocará sua vida em relação à de Cristo e aos apelos que nos deixou no Evangelho. São João da Cruz dizia: “Seremos julgados quanto ao amor!”

Os que morrerem na graça e na amizade de Deus, e que estiverem totalmente purificados, viverão para sempre em Cristo. Passarão a ver Deus “tal como ele é” (1Jo 3,2), face a face. O céu não é um “lugar” (na eternidade não há tempo nem espaço), mas um “estado de vida”.

Estar no céu é viver com a Santíssima Trindade, em comunhão de vida e de amor; com a Virgem Maria, os anjos e todos os que também morreram na graça de Deus. O céu é o fim último e a realização de todas as aspirações do ser humano; é o estado de felicidade suprema e definitiva.

Os que morrerem na graça e na amizade de Deus, mas que não estiverem completamente purificados, embora tenham garantida sua salvação eterna, passarão, após a morte, por uma purificação, a fim de obter a santidade necessária para entrar na alegria do céu (cf. Catecismo da Igreja Católica, n. 1030).

A Igreja denomina “Purgatório” essa purificação final dos eleitos, que é completamente distinta do castigo dos condenados (Cf. 1Cor 3,15; 2Mc 12,43-45). Mais do que um castigo, o Purgatório é uma preparação para o encontro com aquele que é santo por natureza, e diante do qual não pode haver imperfeições.

Já os que morrerem em pecado mortal, serão excluídos definitivamente da comunhão com Deus. As afirmações da Bíblia e os ensinamentos da Igreja a esse respeito nos asseguram que Deus não predestina ninguém para viver eternamente longe dele. É a própria pessoa que livremente o rejeita. É necessário, pois, usar a liberdade com responsabilidade, pois um dia cada qual responderá por seus atos, palavras e omissões. “Entrai pela porta estreita, porque largo e espaçoso é o caminho que conduz à perdição. E muitos são os que entram por ele. Estreita, porém, é a porta e apertado o caminho que conduz à vida. E poucos são os que o encontram”, disse Jesus (Mt 7,13-14).

A ressurreição dos mortos, “dos justos e dos injustos” (At 24,15), antecederá o Juízo Final. Esse revelará o que cada um fez de bem ou deixou de fazer durante sua vida terrestre. Como não nos lembrar, aqui, da grandiosa descrição de Cristo? “Quando o Filho do homem voltar na sua glória e todos os anjos com ele, sentar-se-á no seu trono glorioso. Todas as nações se reunirão diante dele e ele separará uns dos outros... Então o Rei dirá aos que estão à direita: “Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do Reino que vos está preparado desde a criação do mundo, porque tive fome e me destes de comer...”(Mt 25,31-46).

O Reino de Deus chegará, então, à plenitude. Os justos reinarão com Cristo para sempre, glorificados em corpo e alma. Então, Deus será “tudo em todos” (1Cor 15,28).

Creio na vida eterna! Justamente porque acredita nessa verdade de fé, você é chamado a viver, mais intensa e santamente, cada dia e cada acontecimento. Afinal, é aqui e agora que você prepara sua eternidade.

Dom Murilo S.R. Krieger, sc

Um comentário:

"Que a estrada se abra à sua frente,
Que o vento sopre levemente em suas costas,
Que o sol brilhe morno e suave em sua face,
Que a chuva caia de mansinho em seus campos,
E, até que nos encontremos, de novo...
Que Deus lhe guarde nas palmas de suas mãos!"

OBRIGADA POR DEIXAR SEU COMENTÁRIO!