Seguidores

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

A FORÇA DA ACOLHIDA

Como faz bem quando damos espaço, em nossas vidas,
para acolher e integrar as pessoas no âmbito de nossa
convivência! Significa expressão concreta de hospitalidade e de
acolhida no contexto do diálogo e da partilha de dons próprios
de vida.

Valorizar e acolher são gestos significativos de
fraternidade e de nobreza humana dentro do contexto da dimensão
própria da vivência cristã. Significa reconhecer o outro,
levando em conta o valor da pessoa imbuída de dons comunitários.

Acolher é fruto de despojamento, de despir-se de
todo egoísmo e roupagem individualista. A sociabilidade acontece
no dialogo e no valor que damos aos que nos cercam, fazendo do
outro um “outro eu”. É como fazer uma boa obra para o irmão.

A fraternidade é acompanhada pala alegria e pela
bondade gratuita. Aí experimentamos a verdadeira generosidade
que vem do nosso coração. Não é gesto de teoria, de
princípios racionais, mas de sensibilidade do coração.

O bem que fazemos não deve vir de atitudes de
grandeza individualista, mas da simplicidade e do brilho da
verdade. É insensatez agir apenas com sensacionalismo e
organizações poderosas que estragam as pessoas.

A força da acolhida está em extirpar da vida
tudo que for inspirado e apoiado em vil egoísmo, vontade de
poder e opressão dos semelhantes. Dentro de um mundo
marcadamente egoísta não é fácil ter atitudes sinceras de
acolhida.

Na verdade, temos que aprender a usar a nossa
liberdade para viver bem em relação às demais pessoas. É
preciso saber reagir contra os conceitos que marcam a sociedade e
nos levam a ser insensíveis com os outros.

Não é fácil acolher as pessoas de pouca
importância social e usar de hospitalidade para com elas. Mas é
ato nobre na vida de quem o faz. Até os atos mais simples com
elas são extremamente valiosos.

Há o perigo do “ter brilho” na sociedade,
dando valor somente às pessoas graúdas e não levar em conta
uma criança e uma pessoa mais simples. Acontece que a verdade
sai da boca das pessoas mais pequeninas.

Dom Paulo Mendes Peixoto – Bispo de São José do
Rio Preto.

Um comentário:

  1. É verdade, temos que dar mais importância á acolhida...Um Bom Dia pra você Cristiane.

    ResponderExcluir

"Que a estrada se abra à sua frente,
Que o vento sopre levemente em suas costas,
Que o sol brilhe morno e suave em sua face,
Que a chuva caia de mansinho em seus campos,
E, até que nos encontremos, de novo...
Que Deus lhe guarde nas palmas de suas mãos!"

OBRIGADA POR DEIXAR SEU COMENTÁRIO!