Seguidores

quinta-feira, 31 de março de 2011

ORAÇÃO DA ARMADURA DE DEUS


Pai celeste, eu agora, pela fé, clamo a proteção da Vossa armadura, para que eu possa permanecer firme contra satanás e todo o seu exército e, em nome do Senhor Jesus, vencê-lo.
Tomo a Vossa verdade contra as mentiras e os erros do inimigo astucioso.
Tomo a Vossa Justiça para vencer os maus pensamentos e as acusações de satanás.

Faça um exame de consciência e peça a libertação de todos os maus pensamentos, dos registros negativos, das frustrações, dos pensamentos de abandono
Tomo o equipamento do Evangelho da paz e deixo a segurança e os confortos da vida para combater o inimigo.
Diga quais são as ações do inimigo na sua vida, drogas, alcoolismo e peça a libertação acreditando no poder no sangue de Cristo.
E, acima de tudo, eu tomo a Vossa fé para barrar o caminho da minha alma às dúvidas e incredulidades.
Peça que Deus aumente a sua fé, coloque as suas incredulidades e peça que Deus aumente e dê fervor à sua fé.
Tomo a Vossa salvação e confio em Vós para proteger o meu corpo e a alma contra os ataques de satanás. 
Tomo a Vossa Palavra e peço para que o Espírito Santo me capacite a usá-la eficazmente contra o inimigo.
Corte toda escravidão e a liberte de todo cativeiro.
Pense agora em que você precisa ser libertado, o que te aprisiona, o que te faz escravo, peça que Deus quebre todos os grilhões e que te liberte.
Eu creio Senhor, no poderoso Nome de Jesus Cristo, meu Senhor.
Revisto-me desta armadura, vivendo e rezando em completa dependência de ti, Bendito Espírito Santo.
Revisto-me desta armadura, me aproprio desta armadura Senhor, eu sou teu Senhor!
Amém.

Padre Reginaldo Manzotti 

ORAÇÕES ILUSTRADAS II




quarta-feira, 30 de março de 2011

TESTAMENTO DE JESUS


Eu, Jesus de Nazaré, vendo que se aproxima a minha hora de deixar o mundo, estando na posse das minhas plenas faculdades para assinar este documento, desejo repartir os meus bens entre as pessoas mais chegadas a Mim.
Mas, como vou ser entregue como Cordeiro para a salvação da humanidade, penso que é conveniente deixar os meus bens a todos.
Deixo todas as coisas que, desde o meu nascimento, estiveram presentes na minha vida e a marcaram de um modo significativo.

Assim:
Deixo a Estrela que conduziu os Magos a Belém, aos desorientados e a todos os que precisam de ver claro, a todos os que desejam ser guiados ou servem de guias aos outros.

Deixo o Presépio aos que não têm nada, nem sequer um lugar para se abrigar, uma fogueira para aquecer-se, um amigo com quem falar.

Deixo as minhas Sandálias aos que desejam empreender um caminho de bem, aos que estão dispostos a seguir-Me até ao fim, mesmo pelos quatro cantos do mundo.

Deixo a Bacia onde lavei os pés aos meus discípulos, aos que querem servir os outros, a quem desejar ser pequeno diante do seu semelhante, pois esse será grande aos olhos de meu Pai.

Deixo o Prato onde parti o pão, aos que promovem a fraternidade, para que estejam sempre disposto a amar acima de tudo e a todos.

Deixo o Cálice aos sedentos de um mundo melhor, de uma sociedade mais justa e de uma Igreja mais fraterna.

Deixo a Cruz a todos aqueles que estiverem dispostos a carregar com ela a seguir-Me.

Deixo a Túnica a todo aquele que a dividir e repartir pelo necessitado.

Deixo a minha Palavra, que o Pai Me confiou, a todo aquele que a escuta e põe em pratica.

Deixo a Alegria a todos os que desejarem partilha-la sobretudo com o triste.

Deixo a Humildade a quem estiver disposto a trabalhar acima de tudo pela expansão do Reino de Deus.

Deixo o meu Ombro a todo aquele que precisar de um amigo a quem possa reclinar a cabeça, ao abatido pelo cansaço do caminho, para que possa descansar e recuperar forças para continuar a caminhar.

Mas, porque amo a Humanidade, por quem tanto sofri, deixo-Me a MIM MESMO na EUCARISTIA.
«Eu estarei sempre convosco até ao fim dos tempos».

Também quero deixar como legado, a toda a Humanidade, as atitudes que guiaram a minha Vida, atitudes que quero que guiem também as vossas vidas.
Jesus Cristo

ATIVIDADES PARA A PÁSCOA


























terça-feira, 29 de março de 2011

Carta do Chefe Seattle ao presidente dos Estados Unidos



Em 1854, o presidente dos Estados Unidos da América, Franklin Pierce, enviou uma carta ao cacique, Noah Sealth da tribo Duwamish, mais conhecido como Chefe Seattle, onde manifestava o interesse de adquirir a terra onde viviam aqueles índios.
Essa foi a resposta do Chefe Seattle:
"Como é que se pode comprar ou vender o céu, o calor da terra? Essa idéia nos parece estranha. Se não possuímos o frescor do ar e o brilho da água, como é possível comprá-los?

Cada pedaço desta terra é sagrado para meu povo. Cada ramo brilhante de um pinheiro, cada punhado de areia das praias, a penumbra na floresta densa, cada clareira e inseto a zumbir são sagrados na memória e experiência de meu povo. A seiva que percorre o corpo das árvores carrega consigo as lembranças do homem vermelho.
Os mortos do homem branco esquecem sua terra de origem quando vão caminhar entre as estrelas. Nossos mortos jamais esquecem esta bela terra, pois ela é a mãe do homem vermelho. Somos parte da terra e ela faz parte de nós. As flores perfumadas são nossas irmãs; o cervo, o cavalo, a grande águia, são nossos irmãos. Os picos rochosos, os sulcos úmidos nas campinas, o calor do corpo do potro, e o homem - todos pertencem à mesma família.

Portanto, quando o Grande Chefe em Washington manda dizer que deseja comprar nossa terra, pede muito de nós.O Grande Chefe diz que nos reservará um lugar onde possamos viver satisfeitos. Ele será nosso pai e nós seremos seus filhos. Portanto, nós vamos considerar sua oferta de comprar nossa terra. Mas isso não será fácil. Esta terra é sagrada para nós.Essa água brilhante que escorre nos riachos e rios não é apenas água, mas o sangue de nossos antepassados. Se lhes vendermos a terra, vocês devem lembrar-se de que ela é sagrada, e devem ensinar as suas crianças que ela é sagrada e que cada reflexo nas águas límpidas dos lagos fala de acontecimentos e lembranças da vida do meu povo. O murmúrio das águas é a voz de meus ancestrais.

Os rios são nossos irmãos, saciam nossa sede. Os rios carregam nossas canoas e alimentam nossas crianças. Se lhes vendermos nossa terra, vocês devem lembrar e ensinar a seus filhos que os rios são nossos irmãos e seus também. E, portanto, vocês devem dar aos rios a bondade que dedicariam a qualquer irmão.Sabemos que o homem branco não compreende nossos costumes. Uma porção da terra, para ele, tem o mesmo significado que qualquer outra, pois é um forasteiro que vem à noite e extrai da terra aquilo de que necessita. A terra não é sua irmã, mas sua inimiga, e quando ele a conquista, prossegue seu caminho. Deixa para trás os túmulos de seus antepassados e não se incomoda. Rapta da terra aquilo que seria de seus filhos e não se importa. A sepultura de seu pai e os direitos de seus filhos são esquecidos. Trata sua mãe, a terra, e seu irmão, o céu, como coisas que possam ser compradas, saqueadas, vendidas como carneiros ou enfeites coloridos. Seu apetite devorará a terra, deixando somente um deserto.

Eu não sei, nossos costumes são diferentes dos seus. A visão de suas cidades fere os olhos do homem vermelho. Talvez seja porque o homem vermelho é um selvagem e não compreenda.Não há um lugar quieto nas cidades do homem branco. Nenhum lugar onde se possa ouvir o desabrochar de folhas na primavera ou o bater das asas de um inseto. Mas talvez seja porque eu sou um selvagem e não compreendo. O ruído parece somente insultar os ouvidos.

E o que resta da vida se um homem não pode ouvir o choro solitário de uma ave ou o debate dos sapos ao redor de uma lagoa, à noite? Eu sou um homem vermelho e não compreendo. O índio prefere o suave murmúrio do vento encrespando a face do lago, e o próprio vento, limpo por uma chuva diurna ou perfumado pelos pinheiros.

O ar é precioso para o homem vermelho, pois todas as coisas compartilham o mesmo sopro - o animal, a árvore, o homem, todos compartilham o mesmo sopro. Parece que o homem branco não sente o ar que respira. Como um homem agonizante há vários dias, é insensível ao mau cheiro. Mas se vendermos nossa terra ao homem branco, ele deve lembrar que o ar é precioso para nós, que o ar compartilha seu espírito com toda a vida que mantém. O vento que deu a nosso avô seu primeiro inspirar também recebe seu último suspiro. Se lhes vendermos nossa terra, vocês devem mantê-la intacta e sagrada, como um lugar onde até mesmo o homem branco possa ir saborear o vento açucarado pelas flores dos prados.

Portanto, vamos meditar sobre sua oferta de comprar nossa terra. Se decidirmos aceitar, imporei uma condição: o homem branco deve tratar os animais desta terra como seus irmãos.Sou um selvagem e não compreendo qualquer outra forma de agir.Vi um milhar de búfalos apodrecendo na planície, abandonados pelo homem branco que os alvejou de um trem ao passar. Eu sou um selvagem e não compreendo como é que o fumegante cavalo de ferro pode ser mais importante que o búfalo, que sacrificamos somente para permanecer vivos.

O que é o homem sem os animais? Se todos os animais se fossem o homem morreria de uma grande solidão de espírito. Pois o que ocorre com os animais, breve acontece com o homem. Há uma ligação em tudo.Vocês devem ensinar às suas crianças que o solo a seus pés é a cinza de nossos avós. Para que respeitem a terra, digam a seus filhos que ela foi enriquecida com as vidas de nosso povo. Ensinem as suas crianças o que ensinamos as nossas que a terra é nossa mãe. Tudo o que acontecer à terra, acontecerá aos filhos da terra. Se os homens cospem no solo, estão cuspindo em si mesmos.Isto sabemos: a terra não pertence ao homem; o homem pertence à terra. Isto sabemos: todas as coisas estão ligadas como o sangue que une uma família. Há uma ligação em tudo.

O que ocorrer com a terra recairá sobre os filhos da terra. O homem não tramou o tecido da vida; ele é simplesmente um de seus fios. Tudo o que fizer ao tecido, fará a si mesmo.

Mesmo o homem branco, cujo Deus caminha e fala com ele de amigo para amigo, não pode estar isento do destino comum. É possível que sejamos irmãos, apesar de tudo. Veremos. De uma coisa estamos certos - e o homem branco poderá vir a descobrir um dia: nosso Deus é o mesmo Deus. Vocês podem pensar que O possuem, como desejam possuir nossa terra; mas não é possível. Ele é o Deus do homem, e Sua compaixão é igual para o homem vermelho e para o homem branco. A terra lhe é preciosa, e ferí-la é desprezar seu criador. Os brancos também passarão; talvez mais cedo que todas as outras tribos. Contaminem suas camas, e uma noite serão sufocados pelos próprios dejetos.

Mas quando de sua desaparição, vocês brilharão intensamente, iluminados pela força do Deus que os trouxe a esta terra e por alguma razão especial lhes deu o domínio sobre a terra e sobre o homem vermelho. Esse destino é um mistério para nós, pois não compreendemos que todos os búfalos sejam exterminados, os cavalos bravios sejam todos domados, os recantos secretos da floresta densa impregnadas do cheiro de muitos homens, e a visão dos morros obstruída por fios que falam.

Onde está o arvoredo? Desapareceu.
Onde está a águia? Desapareceu.
É o final da vida e o início da sobrevivência."

O nome da cidade de Seattle é em honra desse grande chefe, que acabou eternizado, como um exemplo de amor e respeito ao meio ambiente. Nada mais atual.

segunda-feira, 28 de março de 2011

O PREÇO DO AMOR....

Uma tarde, um menino aproximou-se de sua mãe, que preparava o jantar, e entregou-lhe uma folha de papel com algo escrito. Depois que ela secou as mãos e tirou o avental, ela leu:

- Cortar a grama do jardim: R$3,00

- Por limpar meu quarto esta semana R$1,00 - Por ir ao supermercado em seu lugar R$2,00

- Por cuidar de meu irmãozinho enquanto você ia àscompras R$2,00

- Por tirar o lixo toda semana R$1,00

- Por ter um boletim com boas notas R$5,00

- Por limpar e varrer o quintal R$2,00

- TOTAL DA DIVIDA R$16,00

A mãe olhou o menino, que aguardava cheio de expectativa.

Finalmente, ela pegou um lápis e no verso da mesma nota escreveu:


- Por levar-te nove meses em meu ventre e dar-te a vida - NADA

- Por tantas noites sem dormir, curar-te e orar por ti - NADA

- Pelos problemas e pelos prantos que me causastes - NADA

- Pelo medo e pelas preocupações que me esperam -NADA

- Por comidas, roupas e brinquedos - NADA

- Por limpar-te o nariz - NADA

- CUSTO TOTAL DE MEU AMOR - NADA

Quando o menino terminou de ler o que sua mãe havia escrito tinha os olhos cheios de lágrimas.

Olhou nos olhos da mãe e disse: "Eu te amo, mamãe!!!"

Logo após, pegou um lápis e escreveu com uma letra enorme:

"TOTALMENTE PAGO".
Assim somos nós adultos, como crianças, querendo recompensa por boas ações que fazemos.

É difícil entender que a melhor recompensa é o AMOR que vem de Deus.

E para nossa sorte é GRATIS. Basta querermos recebê-lo em nossas vidas!

Que DEUS, abençôe todos vocês no dia de hoje (e sempre), e não devemos esquecer do AMOR universal que nos é cedido pelo PAI !

domingo, 27 de março de 2011

CASA E LAR


Casa é uma construção de cimento e tijolos.
Lar é uma construção de valores e princípios.

Casa é o nosso abrigo das chuvas, do calor, do frio...
Lar é o abrigo do medo, da dor e da solidão.

Casa é o lugar onde as pessoas entram para dormir, usar o banheiro, comer. Onde temos pressa para sair e retardamos a hora de voltar.

O lar é o lugar onde os membros da família anseiam por estar nele, onde refazem suas energias, alimentam-se de afeto e encontram o conforto do acolhimento. É onde temos pressa de chegar e retardamos a hora de sair.

Numa casa criamos e alimentamos problemas.
O lar é o centro de resolução de problemas.

Numa casa moram pessoas que mal se cumprimentam e se suportam.
Num lar vivem companheiros que, mesmo na divergência, se apóiam e nas lutas se solidarizam.

Numa casa moram pessoas que mal se cumprimentam e se suportam.
Num lar vivem companheiros que, mesmo na divergência, se apóiam e nas lutas se solidarizam.

Numa casa desdenha-se dos nossos valores.
No lar sonhamos juntos.

Numa casa há azedume e destrato.
Num lar sempre há lugar para a alegria.

Numa casa nascem muitas lágrimas.
Num lar plantam-se sorrisos.

A casa é um nó que oprime, sufoca...
O lar é um ninho que aconchega.

Se você ainda mora em uma casa, nós o (a) convidamos a transformá-la, com urgência, em um lar e que Jesus seja sempre o seu convidado especial.

Texto de: Abigail Guimarães (inspirada numa reflexão de Alba Magalhães David)

sábado, 26 de março de 2011

Obstáculos da Vida!!! Tenha Fé!

Um rapaz pediu a Jesus um emprego, e uma mulher que o amasse muito.
No dia seguinte, abriu o jornal e tinha um anuncio de emprego.
Ele foi, viu a fila muito grande e disse:eles são melhores do que eu, e foi
embora.
No caminho, um garoto lhe deu uma rosa ....no ônibus ele chateado joga a
rosa fora .
E ao chegar em casa briga com Jesus
....É assim que me trátas?
...É assim que me amas ?
E vai dormir. Em sonho Jesus lhe diz: O emprego era seu, mas vc ñ confiou
e desistiu antes mesmo de lutar; aquela rosa foi eu que te dei ...inspirei
aquela criança a lhe dar!!! O amor da sua vida, estava sentada ao seu lado
em vez de vc dar a rosa a ela vc a jogou fora.
Vc entendeu como Jesus age na sua vida?
Ele abre as portas te mostra o caminho mas a tua fé é tão pouca que
desiste no primeiro obstáculo. Não desista confie que Jesus pode agir na
sua vida.
Os obstáculos existem para ver até onde vai a tua fé. Passe adiante, isso
já será um sinal que Jesus está agindo em sua vida!!!

sexta-feira, 25 de março de 2011

3º DOMINGO DA QUARESMA - A MULHER SAMARITANA



Historinha da semana:
O roubo do poço da vida
Era uma vez uma floresta. Lá existia um poço de onde todos os bichinhos vinham matar sua sede, menos a dona onça, pois era inimiga de todos os outros bichos da floresta.

Lá era o lugar onde todos viviam bem, brincavam ao redor do poço , cantavam , faziam festa, pois aquela água do poço dava  vida  e alegria a todos.


Quando a noite chegava e todos os bichos iam dormir, lá vinha dona onça beber da água escondidinha, pois aí dela... se os outros bichos a vissem ali perto do poço matariam a oncinha sem pena,  nem dó... 


E assim eram os dias naquela floresta, durante o dia, todos ficavam ao lado do poço, assistiam às aulas ali, liam as palavras bonitas do mestre jacarezão e, quando chegavam à noite, todos iam dormir. Mas naquela noite fria, onde o vento uivava, uma coisa diferente aconteceu?!


O que será? Mas vejam só, o que é aquilo?


Meu Deus, esse bicho horrível parecido com uma bruxa, quer roubar o poço da água viva? E agora?


Mas povo de Deus, a coisa ainda pode piorar, vejam só quem vem lá pé até pé pra água beber?! A dona onça oncinha.


Quando ela chega perto do poço, nossa que susto, ela dá de cara com o bicho furtador de poços da água da alegria. E foi nesse meio tempo que Lea lutou com o bandido furtador do poço...


Vamos lá, Dona Onça, toma o poço desse ladrão!Ao ataque, não tenha medo... Mas espera ai , ela puxou o rabo do bicho mau e ficou paralisada .... Gente... acho que ela congelou... Parece imóvel e lá vai o ladrão do poço embora... e agora?


(A onça solta um grande rugido)


-Virgem Maria, que barulho foi esse?


E foi aquela confusão, bicho acordando pra todo lado, dona onça só gritando, mestre jacarezão tentando acalmar os nervos da bicharada, foi quando deram pelo sumiço do poço.


Todos -
Quem roubou, furtou ou levou o poço da água viva?

Nesse momento todos os olhos se voltaram para a dona onça, que não falava nada, estava muda... E eles apontaram para ela. E foi aquela confusão de novo, queriam matar a pobrezinha, balançavam ela de um lado ao outro. Colocaram-na, então, num pau de arara para que ela confessasse ....só que nada, a baixinha não falava nada. Só apontava pra lá.


O mestre jacarezão tomou então uma decisão –


jacarezão – Vou instaurar um CPI dos bichos para saber quem roubou o poço


Pintinho
– Mas pra que CPI se a gente já sabe quem foi que roubou? Foi à dona onça e pronto. Vamos torturar para que ela confesse.

Jacarezão
– Deixe de ser bobo, seu pintinho! Se ela tivesse roubado o poço o que estaria fazendo aqui em estado de choque? É claro que foi outra pessoa e temos que achar quem foi que roubou o nosso poço, pois sem ele morremos logo, é ele quem nos dá vida .

Foca
– Mas tá na cara que foi essa ai, olha só as fuças dela, tá condenando-a.

Elefante
– Eu também acho que foi ela e pronto e acho que a gente deve matar essa nossa inimiga, passar a faca no pescoço dela... sem dó e vê-la sangrar.

Lobão
– Nó , gostei disso ,muito sangue .. eu sei como é!!!

Jacarezão
– Vamos parar com isso, se matamos a onça como saberemos onde está o poço? A menos que um de nós o tenha roubado.

Lobo
– Eu, heim, eu não, que isso: que absurdo.. isso cabe até dano moral .. baita de uma indenização , fica julgando a culpa nos outros que são inocente .. eu sou inocente .

Jacarezão
- Vamos fazer o seguinte. Vamos todos sair por ai procurando uma prova ...uma prova qualquer. Quem sabe não descobrimos o autor do crime?

Todos saem cada um para um lado. Fica dona onça e o senhor jacarezão


Onça
–Ô, senhor jacarezão, muito obrigada por ter salvo o meu pelo, mas eu prometo pro senhor que  não fui eu. Foi um bicho assim, mais ou menos do meu tamanho. Ele estava com uma capa preta e tinha um rabo comprido tanto que eu arranquei o rabo dele e joguei por ai. Se achar o rabo, vai achar quem é o culpado pelo furto  do poço.

Jacarezão.
Pois bem, dona onça samaritana, eu acredito na senhora e se estiver certa, eu darei da água viva do poço para que possa servir dela junto a nós. Agora eu vou procurar por esse rabo e descobrirei quem poderia ter feito essa maldade conosco.

O tempo passava e nada de encontrar o culpado. Os bichos estavam ficando doentes, porque sem a água da vida , eles começaram a  se definhar , a enfraquecer, ficando todos e tudo  muito triste naquele lugar ...... e nada de achar o rabo do bicho que fez essa grande  maldade com os outros.


Naquela noite, enquanto todos dormiam, dona onça pode ver o senhor lobão sair de fininho, depois ele retornou rapidinho bem mais feliz e forte...Também viu o senhor elefante se arrastando pelo grama e, mais tarde retornando com cara de assustado, e pode ver a foca, saindo de fininho sem fazer barulho e retornando só de madrugada... Ela então ficou desconfiada.  Qual bicho teria roubado o poço e por que faria isso com os outros?


Logo que amanheceu, ela pediu ao senhor jacarezão que a deixasse ficar livre naquela noite, ela tentaria achar o poço, pois depois de investigada à cena do crime e os suspeitos, ela achava que tinha agora um motivo forte pra descobrir quem furtou  o poço.       Naquela noite, fingindo dormir, todos os bichos suspeitos saíram novamente. Dona onça foi atrás. Achou então o rabo do suspeito, agora estava fácil ...era só encontrar o dono daquele rabo. Bem lentamente , devagar pé ante pé ela  viu que a moita não parava de balançar, foi quando ela deu um rugido e a moita caiu, lá trás da moita estavam à foca e o elefante, namorando... Assustado, fugiram pra  bem longe.


Então, só restava um, onde estaria o lobão? O que será que ele estaria aprontando? Mas à frente, achou uma casinha e dentro dela... vejam só???Que alegria!! Ela encontrou  o poço da água viva e, quando ela foi correndo entregar o achado pra comunidade dos bichos , vejam só quem apareceu? O ladrão do poço da água da vida! E agora?


Naquela confusão, pega o poço daqui, pega o poço de lá, a onçinha começou a gritar por socorro para os  bichos poderem ajudá-la...gritou, urrou ... feito louca, pois não estava dando conta de segurar, foi ai que todos chegaram, quase mortos pela falta da água da vida, mas vendo que o poço estava ali, e a vida poderia ser deles novamente, eles ficaram fortes e lutaram com o ladrão do poço.

 Assim, unidos, todos conseguiram salvar o poço da água viva, mas quem seria aquele ladrão que furtou o poço? Vamos desmascará-lo?

Gente, mas que coisa mais feia, se não é mesmo o lobão? !


Mas seu lobo, por que roubou o poço que dá vida a todos nós?

 E o lobo disse:

Lobão –
Não sabem que eu sou mau? Quem já viu ai lobo bonzinho? Eu queria é que todos vocês ficassem sem a água viva , é assim que o mal faz , mata a vida que existe na pessoa.
 Foi então nesse momento que todos os bichos da floresta expulsaram o mal da vida deles pra sempre e celebraram com alegria a vitória da dona onça que de inimiga do povo, virou grande amiga. Que hoje vive feliz da vida, junto aos outros bichos, bebendo da água da vida.

Moral –
Jesus é a água da vida , quando deixamos que o pecado entre na nossa vida ele nos rouba essa água e ficamos mergulhados no vazio .precisamos renovar nossos votos com Jesus todos os dias experimentando sempre de suas palavras que são água viva para nossa vida Amém


http://www.catequisar.com.br/texto/missa/layout.htm