Seguidores

quinta-feira, 14 de julho de 2011

O EXEMPLO DE CLARA- TEATRINHO


Historinha da semana:
Técnica: Encenação
Podem-se trocar os nomes das personagens por alguns conhecidos das crianças. A encenação deverá frisar que no nosso meio convivemos com pessoas que são joios, assim como a personagem sofreu com o ataque dele, qualquer um de nós pode sofrer, o importante é que a personagem principal permaneceu sendo sempre bom trigo, vencendo ao final.

Personagens: Laura, Chispita, Clara, Darlene, pai de Clara, Príncipe

Clara era uma linda menina e que com muitos encantos vivia a cantar.

Seu pai era viúvo e encontrou nos braços de Chispita juras de amor eterno. Chispita era uma mulher muito má e tinha duas filhas horrorosas do antigo casamento e que agora passariam a morar todos juntos na casa do pai de Clara.

Uma das filhas se chamava Darlene e adorava aparecer. Falava ao seu padrasto que ela era uma estrela e que ele tinha porque tinha que pagar um book muito chique pra ela aparecer na telas de sucesso do palácio imperial.

Já a outra era a Laura, maldosa como ela só, vivia aprontando mil maldades pra cima de Clara que era tão boazinha.

Acontece que Clara por ser uma menina doce e meiga e não querendo fazer seu pai infeliz, vivia sofrendo horrores nas mãos das irmãs tortas. Era um tal de Clara pra cá, Clara pra lá só pra trabalhar. A pobre da menina não tinha tempo nem pra comer, só se sentia feliz quando seu pai chegava e para seu colo dele ela pulava. E ele sempre a perguntava:

_ Clara, você me ama?

E ela respondia:

_ Sim, papai, tu sabes que eu te amo.

_ Então, filha, cuida bem de tudo que aprendeu, de todas as coisas boas que eu com tanto amor lhe ensinei. Cuida bem do seu bondoso coração, continue amando as pessoas e querendo o bem de todos. Mostre sempre que o quê eu te ensinei é o melhor.

As outras meninas, como eram muito invejosas, vendo o amor que existia entre pai e filha odiavam mais e mais a Clara e continuavam fazendo-a de escrava. Ela, por amor ao seu pai, ficava calada e tudo fazia. Não queria ver seu pai triste.

A madrasta da Clara era malvada e impiedosa e tratava muito mal a pobrezinha e ainda ameaçava:

_ Se você contar para seu pai o que eu lhe faço, eu acabo com você e com a vida dele também.

Como a menina gostava muito de seu pai e vocês sabem,quando a gente gosta muito de alguém a gente não faz nada pra machucá-la, não é? Então, Clara se calava e tudo sozinha ela fazia. E, por isso, todas às vezes que seu pai chegava, ela se consolava em seu colo. Sabia que a vida era difícil, mas com seu pai por perto, tudo se fazia melhor, tudo valia a pena e a alegria do amor dos dois, contagiava a casa. E era sempre a mesma pergunta:

_Filha, você me ama?

_Sim, meu pai, eu te amo.

_ Então cuida bem de tudo que lhe ensinei. Seja sempre boa, generosa, reparta sempre o bem, porque a quem muito foi pedido, muito será dado também.

Realmente era um amor verdadeiro que tudo suporta, que tudo agüenta, que tudo anima. E em nome desse amor a jovem sofria, mas sabia que a recompensa um dia viria. E não é que nesse meio tempo, a sua família recebeu um convite para ir ao um baile no castelo, onde o príncipe escolheria uma jovem pra ser sua esposa?!

Gente, vocês não acreditam! Quando a Darlene ficou sabendo, ela ficou louca e dizia:

_ Finalmente! Meu dia de glória está por vir, eu serei famosa, aparecerei na capa da Fama do Palácio e ninguém vai poder me tirar o que é meu. Eu sou invencível.

Enquanto isso, sua irmã Laura, a maldosa, estava armando um esquema para tirar Darlene do páreo.
_ Já sei, vou esconder a PERUCA da Darlene e assim ela não poderá mais ir ao baile.

Enquanto as duas maquinavam como iam fazer para garantir a grana do príncipe, Clara sonhava com a possibilidade de encontrar um amor de fato, um amor eterno.

Quase na hora do baile, o desespero toma conta de Darlene:

_ Ohhhhhhhh! Onde está a minha peruca! Golpe, golpe. Não passa sem ser a perua da Clara, aquela apagada. Aquela pobre não sabe suporta a minha pessoa que é chique, aquela feia quem nem pode ir à festa. Mãeeeeeeeeeeee, a Clara roubou minha peruca.

Pobre da Clara foi trazida a tapas e pescoções pela madrasta que queria matar a coitada para dizer onde tinha escondido a peruca. Mas,como ela nada sabia, foi parar presa no seu quarto.

No mesmo momento, a maldosa da Laura saiu de fininho e foi para o baile.

O baile estava animado e o príncipe era um galã de primeira linha. Logo que Laura bateu o olhos nele, deu de cima do príncipe, que caiu na lábia da malvada.

Nisso chegaram à festa a madrasta trazendo Darlene. Quando Darlene percebeu que era a própria irmã que havia lhe dado um golpe ficou tão nervosa... Tão furiosa que feito louca partiu pra cima da sua irmã querendo matá-la.

_ Foi você, sua perua, que roubou minha peruca e ainda quer roubar o meu partidão!

E as duas agarram-se de unhas e dentes na festa dando um vexame danado.

Nesse meio tempo, chega em casa o pai de Clara que ouvindo o choro da menina veio correndo pra saber o que é q estava acontecendo. Clara contou tudo a ele que a pegando no colo disse:
_ Filhinha, por amor a mim você sofreu muito. Mas agora tudo acabou. Vou me separar dessas maldosas, esse joio que só serviu para ajuntar maldade à nossa família. Agora limpe as lágrimas e vista-se, pois iremos juntos à festa do príncipe.

E não deu outra. O pai de Clara entrou com a bela menina na festa e quando o príncipe a viu, foi amor à primeira vista.

Dançaram a noite toda e ele a pediu em casamento para seu pai. Que depois de ter dado a mão dela ao príncipe, pegou uma vassoura e expulsou pra sempre da vida dele todo mal daquelas três farsantes. Como diz o ditado “Cortou o mal pela raiz”
Viram só! Apesar de conviver com a madrasta e as irmãs tortas que eram tão más, Clara não se misturou ao Joio, quer dizer, aquelas sementes que não prestavam que dominavam o coração das maldosas. Continuou sendo o bom trigo, pois fora assim preparada pelo seu pai. É no exemplo de Clara é que devemos nos assemelhar, pois ela sobre separar o que era bom do que não prestava.

Um comentário:

  1. Oii Cris!!
    Quero agradecer pelo seu carinho e participação no Curso de Férias!

    Amo o seus comentário e nem sei como retribuir!

    Uma beijoca,
    Layse

    ResponderExcluir

"Que a estrada se abra à sua frente,
Que o vento sopre levemente em suas costas,
Que o sol brilhe morno e suave em sua face,
Que a chuva caia de mansinho em seus campos,
E, até que nos encontremos, de novo...
Que Deus lhe guarde nas palmas de suas mãos!"

OBRIGADA POR DEIXAR SEU COMENTÁRIO!