Seguidores

segunda-feira, 21 de março de 2011

UMA HISTÓRIA PARA A QUARESMA

Acredito que esta história pode nos ajudar a refletirmos sobre este tempo de quaresma.
Conta-se que um ermitão, uma destas pessoas que, por amor a Deus, se refugiava na solidão do deserto, para se dedicar somente à oração e à penitência, muitas vezes, reclamava que tinha muito que fazer. Perguntaram-lhe como era possível que, em sua solidão, tivesse tanto trabalho. Prontamente respondeu:
                - Tenho que domar dois falcões, treinar duas águias, manter quietos dois coelhos, vigiar uma serpente, carregar um asno e sujeitar um leão.
- Não vemos nenhum desses animais perto do local onde vives. Onde estão estes animais?
O ermitão então explicou:
- Estes animais todos os homens têm, vocês também. Vejam:


                Os dois falcões se lançam sobre tudo o que aparece, seja bom ou mau. Tenho que doma-los para que só se fixem sobre uma boa presa. São os meus olhos!
               

As duas águias ferem e destroçam com suas garras. Tenho que treina-las para que sejam úteis e ajudem sem ferir. São minhas mãos!
             
  Os dois coelhos querem ir aonde lhes agrada, fugindo dos demais e esquivando-se das dificuldades. Tenha que ensina-los a ficarem quietos, mesmo que seja penoso, problemático ou desagradável. São meus pés!
            
   O mais difícil é vigiar a serpente, apesar dela estar presa numa jaula de 32 barras. Está sempre pronta para morder e envenenar os que a rodeiam, mal se abre a janela. Se não a vigio de perto, causa danos. É a minha língua!
               
 O burro é muito obstinado, não quer cumprir com suas obrigações. Alega estar cansado e se recusa a transportar a carga de cada dia. É o meu corpo!
              
 Finalmente, preciso domar o leão. Quer ser o rei, o mais importante; é o vaidoso  o orgulhoso. É o meu coração!

            Aqui termina a história, mas ela aponta para atitudes concretas a serem trabalhadas, especialmente no tempo da Quaresma.
Preparemos para a festa maior que é a PÁSCOA, a Ressurreição da Vida em nós.

Um comentário:

  1. Puxa amiga, que estorinha linda e também didática, ilustrou muito bem que se faz necessário sempre vigiar para que o mal não prevaleça em nossas atitudes. Perfeito para esse tempo, parabéns.

    ResponderExcluir

"Que a estrada se abra à sua frente,
Que o vento sopre levemente em suas costas,
Que o sol brilhe morno e suave em sua face,
Que a chuva caia de mansinho em seus campos,
E, até que nos encontremos, de novo...
Que Deus lhe guarde nas palmas de suas mãos!"

OBRIGADA POR DEIXAR SEU COMENTÁRIO!