Seguidores

sábado, 12 de março de 2011

CARA DE RESSUSCITADO


Conta-se que um dos mais radicais críticos da religião um dia quis fazer uma experiência para medir a fé dos cristãos. Num sábado de Aleluia, se colocou em frente a uma Igreja e começou observar aqueles que saíam da Missa. Pensava: "Esta cerimônia é a mais importante para os cristãos, aí se comemora o evento da Ressurreição de Cristo sobre o qual se apoia todo o edifício das suas crenças como a salvação eterna, a vitória sobre o pecado e a morte, a adoção como filhos de Deus... Se a sua fé é verdadeira, será impossível que esta não se manifeste".

Depois de alguns minutos de observação, este pensador foi embora dizendo: “Estes não têm cara de ressuscitados...” São palavras duras e injustas, porque julgam universalmente uma realidade, a Igreja constituída pelos seus fieis, a partir de um grupo reduzido que não reflete a sua totalidade. Uma realidade que durante o curso da história tem mostrado tantas “caras de ressuscitado” nos seus santos e nas suas obras de serviço ao próximo. Sobra mencionar personagens como o Papa João Paulo II ou a Madre Teresa de Calcutá. Porém é uma crítica de certo modo válida, porque nos convida a analisar e ver se a ressurreição de Cristo tem alguma influência efetiva na nossa vida.

Um bom termômetro para saber isto é o que a Igreja mesmo nos propõe neste tempo de Páscoa. Na liturgia destes dias se faz um constante apelo ao livro dos Atos dos Apóstolos onde a temática constante é a vivência da caridade e amor fraterno com que viviam os nossos primeiros irmãos na fé. Caridade culminada com a vinda do Espírito Santo prometido por Jesus.

A caridade para os que então seguiam Jesus Cristo era a manifestação da sua fé no Ressuscitado e na doutrina anunciada por Ele. Porque Cristo ressuscitou, estamos certos da verdade de tudo o que ele fez e pregou especialmente o sacramento da Eucaristia que Ele instituiu na última ceia e o SEU novo mandamento: o mandamento do amor. Um mandamento que seria o distintivo daqueles que abraçariam a fé. De fato, que outra motivação poderemos ter para amar e perdoar os nossos inimigos, para fazer-nos servos de todos, para respondermos o mal com o bem, se não for a fé em Jesus Cristo e na sua Palavra?

Mas a caridade não é só o que nos distingue como seguidores de Jesus Cristo, esta é também a melhor “estratégia” para conquistar o mundo para Cristo. As primeiras conversões não foram causadas pela genialidade e perfeição lógica dos argumentos e da doutrina pregada pelos apóstolos, mas pelo exemplo de amor dos discípulos de Cristo. “Olhai como se amam!”, era a exclamação dos pagãos quando contemplavam os nossos primeiros irmãos durante o tempo das perseguições romanas. Como os mesmos romanos costumavam dizer: “verba movent, exempla trahunt!” (as palavras movem, mas o exemplo arrasta!).

 
 Paulo Afonso dos Santos Tavares é acadêmico de Jornalismo na PUC – GO, e Coordenador da Pastoral da Juventude de Trindade e catequista de Crisma.


(Artigo publicado no dia 05/04/2010 no Diário da Manhã)

2 comentários:

  1. Oi Cristiane, um bom final de semana pra vc tb... A paz!!
    Obrigada pelo carinho! Estou feliz pelo desempenho do seu blog. Força sempre!

    ResponderExcluir
  2. amo vir aqui!É uma benção...bjo cristiane.

    ResponderExcluir

"Que a estrada se abra à sua frente,
Que o vento sopre levemente em suas costas,
Que o sol brilhe morno e suave em sua face,
Que a chuva caia de mansinho em seus campos,
E, até que nos encontremos, de novo...
Que Deus lhe guarde nas palmas de suas mãos!"

OBRIGADA POR DEIXAR SEU COMENTÁRIO!